domingo, 2 de dezembro de 2007




Ali parada
Sem vida
Observa as folhas das árvores caindo
Folhas pelo chão, sem vida
Forram a calçada
Já tiveram vida
Ela e as folhas
Enfeitaram o caminho
Hoje enfeitam a calçada, as folhas
Ela, não enfeita a vida
Sem vida, observa




2 comentários:

Anônimo disse...

Paula, vá em frente. Nem posso dizer que é assim que se começa. Tudo já estava dentro de você. Nada vem de fora. O que a gente vê é o que a gente sente. Uma coisa você não deve fazer é explicar o porquê de haver escrito qualquer texto. Este porquê compete aos críticos ou examinadores da obra de um artista. Deixe que a imaginação do leitor complete o que você não disse. O poder de sugestão é um mistério que envolve qualquer obra de arte. Nunca explique, nunca. Um beijão da coruja mãe.

paula barros disse...

Obrigada, comentário aceito, alteração feita.
Vamos ver no que vai dar
bjs