quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

foto Paula Barros
De novo a minha sensibilidade está a flor da pele. Suas palavras estão lindas e soltas (entendo). Pesadas de sentimentos, de lembranças, de descobertas, de passado (me vejo). Faço das suas palavras e das suas emoções os degraus para descer a mim (me descubro). Sigo, estrada de barro, flores no chão, porteiras que me impedem de me ver com menos idade. Preciso abrir a porteira, deixar sair o rebanho represo de emoções que ficaram lá atrás. Acredito que se abro a porteira poderei caminhar melhor (sua estrada de lembranças me ajuda a chegar a mim). Depois que se abre a porteira não se volta mais ao que era. É só seguir mais leve (acredito).

30 comentários:

Codinome Beija-Flor disse...

Paula,
Ler o que escreveu aqui, ver a imagem.
Faz a cabeça ir lá no passado também, como se um filme fosse passado pela cabeça.
Então resilvi escolher para seu texto uma trilha sonora.
Bjs

O que será (À flor da pele)
Composição: Chico Buarque

O que será que me dá
Que me bole por dentro, será que me dá
Que brota à flor da pele, será que me dá
E que me sobe às faces e me faz corar
E que me salta aos olhos a me atraiçoar
E que me aperta o peito e me faz confessar
O que não tem mais jeito de dissimular
E que nem é direito ninguém recusar
E que me faz mendigo, me faz suplicar
O que não tem medida, nem nunca terá
O que não tem remédio, nem nunca terá
O que não tem receita

O que será que será
Que dá dentro da gente e que não devia
Que desacata a gente, que é revelia
Que é feito uma aguardente que não sacia
Que é feito estar doente de uma folia
Que nem dez mandamentos vão conciliar
Nem todos os ungüentos vão aliviar
Nem todos os quebrantos, toda alquimia
Que nem todos os santos, será que será
O que não tem descanso, nem nunca terá
O que não tem cansaço, nem nunca terá
O que não tem limite

O que será que me dá
Que me queima por dentro, será que me dá
Que me perturba o sono, será que me dá
Que todos os tremores me vêm agitar
Que todos os ardores me vêm atiçar
Que todos os suores me vêm encharcar
Que todos os meus nervos estão a rogar
Que todos os meus órgãos estão a clamar
E uma aflição medonha me faz implorar
O que não tem vergonha, nem nunca terá
O que não tem governo, nem nunca terá
O que não tem juízo

Dauri Batisti disse...

Postei um comentário e não funcionou. Vamos outra vez.
Seguir mais leve... é... até que outro peso venha... seguir. A andarilha segue.

Sua foto é nostálgica. A árvore pesa para um lado, mas mantém a leveza.

Um beijo.

Avassaladora disse...

Abrir as porteiras, Paula!
É um gesto transloucado...
Emoções em disparada...
Como boiada quando estoura!!!
Nada cerca...
Mas represálas tb não conseguimos, não é amiga?
Eu lá... vc aqui...rs
Tantos corações apaixonados!
E viva o amor!

Beijos e carinhos pra ti!

Carla disse...

então abra a porteira e caminhe mais leve e feliz

Beijos e bom Carnaval

Angie disse...

seu blog é muito bom

continua...
beijo

Nanda Assis disse...

muito real tudo isso minha querida.
vc toca a gente, qndo leio seus textos, sinto a emoção exata que vc quis passar.
olha, estas porteiras realmente existem, e mesmo que abertas ao passado n se pode passar e voltar ne, infelizmente.
bjosss...
♫♫♫♫♫♫

Luiz Caio disse...

Oi Paula!

Sempre que pudermos deixar o peso do passado, e carregar apenas as lembranças, ainda que não sejam boas... Viveremos bem melhor o presente!

TENHA UM ÓTIMO DIA!
BEIJOS.

Dona Sra. Urtigão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dona Sra. Urtigão disse...

Nem o rio é o mesmo, nem a árvore . Mantem semelhante aparencia mas distintas composições das estruturas. É vida, somos vivos. Ébãodimaissss

LOURO disse...

Querida Amiga Paula!

Linda foto,com um texto cheio de sensibilidade...
Abre a porteira e segue em frente,
pensamentos positivos!!!

Beijinhos de carinho e amizade,

Lourenço

Daniel Savio disse...

É muito bom um ambiente rural para o crescimento de uma criança, o espaço livre para aprontar, coisas novas para descobrir e n-coisas mais para senrem feitas por um mente jovem...

Fique com Deus, menina Paula.
Um abraço.

Jacinta Dantas disse...

Bonito texto Paula. O que fica represado uma hora transborda, e o que transborda arrebenta. Melhor então é abrir, abrir as porteiras e ir, camihando, fazendo...
Beijo, moça.

Poeta Mauro Rocha disse...

Gosto de ler, e é bom acreditar e se sentir leve.

BJS.

•.¸¸.ஐBruneLLa França disse...

Ah, essa estrada tbm eu quero seguir!
Beijos e borboleteios

Paulo Palavra disse...

Paula, querida!
Muito obrigado pelo convite. Mas terei que decliná-lo neste ano. Já estou compromissado com outros afazeres aqui em Brasília, alémd e ter que trabalhar na 4ª feira pela manhã (vida de jornalista).
Mas oportunidades não faltarão ao longo desse ano e tb para o carnaval 2010!
beijos!

poetaeusou . . . disse...

*
bela prosa,
sabes onde está a tua meta,
o que é muito importante,
que navegues em maré
de felicidade,
,
soantes conchinhas,
deixo,
,
*

Café da Madrugada® Lipp & Van. disse...

Lembramos o passado, bom ou ruin, mas só podemos e devemos seguir adiante, como a correnteza de um rio, que não permite obstaculos em seu caminho e os ultrapassa, até que desemboca em um espaço maior, e fica calmo e tranquilo... preparando-se para a proxima aventura, o proximo caminho a se seguir... a proxima correnteza.

Everson Russo disse...

Seu texto remete a uma historia já escrita, a um desafio gostoso ao que passou e ao que ficou na memoria, sensibilidade sempre a flor da pele, palavras, emoções, faotos vividos, acontecimentos que não voltam mais, descobertas do amor e de tudo que envolve um aprendizado de vida e historia, e a melhor sensação é essa, de flores jogadas no chão, pra perfumar não só o nosso caminho, como tambem amenizar a passagem de quem vem a seguir, só não concordo..rs..rs..rs...por não poder se ver com menos idade, não existe idade no amor, a idade do amor é o espirito, a essencia da alma, do sorriso, de uma lagrima, de um extase, de um olhar que se perde no horizonte, ou se encontra...muitos beijos na alma,,,uma linda tarde pra ti....

Cristiane disse...

Verdadeiros devaneios, belas imagens e nobres sentimentos, foi o que eu encontrei aqui, egostei muito!
Lindos dias e um bom Carnaval para você na terra do frevo!

Franzé Oliveira disse...

Estamos com a sensibildade a flor da pele. A saudade nos mata. Saudade do passado recente. A estrada é dificil, mas acredito. Bjos com carinho menina.

Alma Nua disse...

...vivemos cativos, presos
em redomas de medo,
por conta de não abrirmos
as porteiras das emoções.
deixá-las fluir como rio
que segue seu curso,
sem saber onde e quando
poderá desaguar, é como
cruzar o limiar da
felicidade.


bjus, linda

O Sibarita disse...

Oxente, e é Fia? Valha-me Deus! kkkkkk

Sei não, viu? Se desobriu agora? Humm... kkkkkk

Belo texto aguçado numa ida sem volta, essa ida deve está maravilha, né não? kkkkkkk

-Oi, Veinho! kkk
-Veinho é seu... seu FDP!
-kkk Se altere não, cuidado com a bomba! kkkkkkk
-Bomba? Onde? Tem Bim Lader por aqui é? Ai Deus, vou é me picar antes que exploda tudo! Fui...
-Se acalme meu veinho! kkkk A bomba que falo é o seu coração bater biela ai já viu, né? Adeus corina, só na próxima encarnação! kkkkkkkkk
-Oi deixe de onda comigo, você quer pegar barriga comigo, é? Vá se lenhar!
-kkkkk Que véio brabo é esse? kkkk Veinho é a moça ai de cima que abriu a porteira... Ave Cristo! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
-O que meu rapá? Abriu, foi?
-E não foi? Foi sim! kkkk Com rebanho e tudo mais... kkkkkk
-Oxente! Ela tava represada esse tempo todo? Não acredito não! kkkk
-Bom é o que ela diz... E a idade em corôa?
-Que corôa o que? Sou corôa não! Você tá novamente procurando onda comigo, veja lá!
-Ah qual é! kkk Você todo metralhado (lenhado) e fica nessa, assuma! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
-Assumir o que? Tá me tirando por viado é? Eu gosto é de mulher meu rapaz!
-Moço a idade é a dela que não se vê nos braços de uma pessoa mais jovem... kkkkk
-Não? Hummm...
-Você não leu, não entendeu?
-Ah bom! Se é assim...
-Pois é! kkkkk
-Você tá certo eu sou corôa mesmo ai meu cabelos branquinhos, será que lá ela não poderia olhar para lá eu? Aiaiaiai... kkkkk
-Tá! kkk E se ela olhar o que tem?
-Ah véi, eu entro, fecho a porteira, não vai ter para niguém, oi que bom! kkkkkkkkkk
-Bom para quem veinho?
-Para mim e para ela! kkkkkk
-Xiiiiiiiiiiiii... kkk Eu vou abrir o gás, agora foi que deu! kkkkk
-Ô cara venha cá, me ajude ai!
-Ajudar o que? Lá ela é quem sabe, fuiiiiiiiiiii... kkkkkkkkkkkkkkkkkk

bjs
O Sibarita

Mai disse...

Paula, lembrei-me de um lugar bastante parecido com esse em tua foto.
Minha infância foi 'corrida' em barreiros e nesse barro, quando eu ficava na casa do meu vô.
Era bom, muito bom.
Muitos 'girinos' nessa água 'barreada' e dava um constrangimento (isso eu digo hj)ver pessoas pegando aquela água. Meus olhos registravam aquilo e não lembro o que pensava mas lembrar disso agora ainda me causa dor e constrangimento pela falta de vontade política que tranforma o viver em algo indigno ao homem.
Beijos.

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Paula...é verdade, se não amarmos a nós mesmos, aí a coisa complica, ainda bem que eu me amo...rs...sem exageros é claro
Quanto ao post, lembranças, infância e caminhos...ontem, hoje e agora...segui-los ou não...vivencia-los...o importante é que seja leve...Boa caminhada...um abraço na alma

Eärwen Tulcakelumë disse...

A imagem acalma, faz o pensamento voar ao passado...
Bela é a estrada e é bom poder seguir mais leve.

Pérolas incandescentes de boas lembranças entrego em tuas mãos.

Eärwen

Daniel Moraes disse...

Abra a porteira de seu coração e deixe que os sentimentos corram pela relva do seu sentir. Não tenha medo de vivê-los! Bjus.

http://so-pensando.blogspot.com

Pelos caminhos da vida. disse...

Ótimo carnaval pra vc e sua filha amiga.

beijooo.

tossan disse...

Belo texto Paula! já que gostas bom carnaval! Beijo

A terra gira
e nem tudo muda,
pus-me a cantarolar
e sob a fantasia na vereda...
Era magia e emoção.
Brinquei, dancei,
e esbanjei energia.
Mas não tenho saudade...
Era carnaval!
*tossan

nosso blog
http://amigosnablogosfera.blogspot.com

Zek disse...

Teu texto/poema me fez pesnar tb ... fico pensando nas porteiras que eu ja cruzei, naquelas que não cruzei e nas que estao a frente..


Bjs e um otimo carnaval!!

Sol da meia noite disse...

Existe uma profundidade imensa no que aqui escreves.
Este libertar... este dar um passo em frente...
Por vezes contornamos esse momento, reprimindo-nos, deixando que o peso nos curve. Mas vem o dia em que avançamos.

Um abracinho
:-)