sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Serra de Nova Friburgo - julho/09
Um texto da série andarilha. Para os novatos no blog, essa é uma série de pensamentos. Para conhecer os outros da mesma série, mas que não são continuação, é só clicar no rodapé - a andarilha.
Lembranças andarilhas A lembrança, o que é lembrar? Lembrar de quem não se conhece. De quem escreve, de quem diz sem dizer, de quem grita o grito bambo, o grito cego, o grito agudo no peito fechado. Não pode se abrir. Vim correndo. Pensando. Atropelando os pensamentos em zig zag. Atenta a eles, gostando da emoção que desfilava em mim. Penso em você. Nas suas palavras que não escuto o som, mas que me falam. Gostaria de lhe presentear um livro que ainda não saiu, mas o conteúdo é triste, estou lendo, lendo e lembrando da sua cantiga, da sua melodia, que muitas vezes é triste. Queria dividir com você meus pensamentos. Ofertar lembranças. É, lembro sempre de você. Lembro na música que escuto de vida e fala do anjo que sobrevoa a cidade. Você quer voar também? Eu chego junto a você voando. Lembro de você nas curvas da estrada, ah...a neblina na serra, o frio nos braço. Você me abraça? Um abraço de alma e corpo, um abraço quente, despido de preconceitos, um abraço amigo, apertado, aconchegante. Você me envolve? Afirmo, suas palavras me envolvem. Lembro de você, e sigo escrevendo o que não devo dizer. Não posso atravessar no seu caminho. Lhe tirar de rota. Ser a cerca de arame farpado no seu galope. Sim, quando olho um cavalo lembro de você também. Tenho a sensação que você gostaria muitas vezes de correr pelas campinas, deixando para trás muitas decisões, muitos pesos que não são seus, correr livre, em busca dos sonhos lá no horizonte. Lembra da linha do horizonte onde os olhos encontram mais lembranças? Olhamos o horizonte. Você o seu. Eu o meu. Nós, nem nos conhecemos, somos palavras em fagulhas. Somos feitos de lembranças. E eu sigo lembrando de você. Acordo lhe buscando, tateando suas emoções que ficam no ar. Inspiro profundo e não expiro. Deixo o ar crescer no peito, inflar o coração, até ele ficar transparente de vontade de....escrever.
Sorrisos...Mai me entregou no comentário. Essa viagem foi feita com ela, e realmente tinha mais gente com a gente. Sempre tinha, não é Mai? rsrsrs Você, a família, e os locais maravilhosos. obrigada.
Comentário Mai: Oi, amiga.Ficaram bonitas estas fotos em um dia nublado, me lembro. Enquanto conversávamos, outros dormiam.Lembrei q rumo ao mar na serramar, vezes pegavas teu bloco e escrevias. Fizeste isto algumas vezes. O q eu não sabia é que éramos os cinco e mais este UM, em teu pensamento. (risos muitos...)Abraços, querida.saudades de vcs

O blog dela, que escreve super bem http://inspirar-poesia.blogspot.com/

22 comentários:

Ava disse...

Huumm.. Paula, que aperto no peito...

Que isso que as palavras fazem com a gente...

Como podem nos atingir assim... direto no coração...

E nos transportamos para dentro delas e dos sentimentos que elas traduzem...

Foi assim agora, aqui lendo voce.. a Andarilha...


Parabéns por deixar a emoção saltar das palavras direto para nossos corações e nossa alma...


Beijos!

Rosa disse...

Oi, Paula

estava com saudades desses textos que falam muito dos seus sentimentos.

Adoro estar por aqui.

beijos e bom fim de semana


P.S.: deixei um comentario bem dramático no Siba, vamos ver se ele aparece.

Mai disse...

Oi, amiga.

Ficaram bonitas estas fotos em um dia nublado, me lembro. Enquanto conversávamos, outros dormiam.Lembrei q rumo ao mar na serramar, vezes pegavas teu bloco e escrevias. Fizeste isto algumas vezes. O q eu não sabia é que éramos os cinco e mais este UM, em teu pensamento. (risos muitos...)

Abraços, querida.
saudades de vcs,

Nanda Assis disse...

vc é simplesmente a melhor!!! muito bom!!!

bjosss...

Wilson Rezende disse...

ótimo Paulinha, realmente muito bom, beijos e fica com Jesus.

Blue disse...

A Andarilha na estrada. Adoro isso!

Beijos

Francisco disse...

Amiga Paulinha!
Adoro a sua "série Andarilha", mas você sabe qual a minha preferida, não é? Isso mesmo...a "série Voadora", onde você sobrevoa com graça os nossos pensamentos.
Fly sempre, lindona, fly! rsrsrs
Beijão!

Daniel Savio disse...

Estranhamente lembrei do teu amigo que post do dia 16-08-2009...

Espero que você não esteja triste por isto...

Mas bom texto.

Fique com Deus, menina Paula.
Um abraço.

Vivian disse...

...em meio à multidão
há sempre "UM"
né doce endarilha?

smacksssssssss

Mai disse...

hahahahaha.....
Isto é um xeque-mate e me mataste de rir outra vez...
Ainda bem que pensamentos não sobrecarregam o carro.
Pensamentos como esses, nos deixam leves, aéreas, flutuantes...que sóv vendo!!!

Beijos, querida.
Bom final de semana.
E continuo rindo lembrando do teu sorriso...

Amarísio Araújo disse...

Pôxa vida,Paula!Fiquei daqui imaginando toda essa viagem e fiz das lembranças dessa andarilha lembranças minhas porque inspirei as emoções que vieram com o vento.

Estava com saudade dessa andarilha!

Que o seu final de semana seja maravilhoso.
Beijos

Layara disse...

Viagem deliciosa nessa emoção, essas imagens nos fazem sentir saudades, saudades de alguém.

ótimo fim de semana!

Um beijo do HOrizonte!

(Carlos Soares) disse...

Lembrar é muito gostoso. E ler um texto desse também é. Beijos,amiga

Everson Russo disse...

Penso que todos nós somos andarilhos em busca dos nossos horizontes, dos nossos sonhos sonhados, dos sonhos vividos e dos sonhos passados, a lembrança de um lugar ou de alguem que nem conhecemos ainda torna se real quando deixamos nosso espirito fluir pelo universo, é como deitar, fechar os olhos e ouvir aquela musica que nos agrada, e literalmente viajar nas notas e na letra da canção, muitas vezes a ausencia de um rosto, de um abraço de um calor não nos faz desistir, faz sim sonhar cada vez mais, mesmo criando monstros em nossas cabeças e sentimentos, lembranças são e sempre serão eternas em nossas vidas, voaremos por todos os planetas,e o que ficará sempre serão lembranças, tudo que a gente escreve é lembrança, tudo que a gente sente é lembrança, tudo que dói tambem, se um dia eu puder conversar com o amor, mas utopicamente com ele mesmo, não com a pessoa que supostamente me trará ele, eu perguntaria qual a cor do infinito, porque ele é tão gostoso e tão bonito e sempre se vai? Porque quando ele surge entre linhas o coração torna se dono de si e foge com ele? Qual é o feitiço, qual é o segredo, qual é a cançao? Queria poder passar tudo isso a uma partitura da vida , a um soneto dos tempos a um Livro dos Dias, queria ter o dom de entender e explicar o inexplicavel, por isso que falo, queria ser poeta, queria ter o controle da madrugada, queria ser a lua, queria ser um andarilho do amor e não do teclado e do monitor, queria entender o coração das pessoas, queria ser a alma que ama, o jardim que floresce, queria ser a chuva no corpo dela, queria ser bailarina como a nuvem, queria ser a corda do violão que entoa a cançao, sei lá, me perco no caminho e me toco em um mundo sozinho...nossa, olha o que seu texto provoca, uma novela...rs..rs...respondendo sua pergunta no Livro, os aneis são meus fieis companheiros, num ta, O SENHOR É O MEU PASTOR E NADA ME FALTARÁ, no outro, TUDO POSSO NAQUELE QUE ME FORTALECE, e o outro, A TI ELEVO MINHA ALMA SENHOR, uso faz tempo, me faz sentir bem, gosto das palavras da Biblia, procuro vive las e segui las,,,me traz um mundo melhor....beijos e um lindo sabado...

p.s. esqueci de dizer na novela acima, fazia tempo que queria postar o Na Primeira Pessoa, mas sempre fui adiando pelo fato de poder parecer uma coisa pretensiosa, de parecer algo que eu estou me achando o maximo, porque ela fala muito de mim, mas na realidade, ela fala do que eu gostaria de ser e não fui, do que eu gostaria de sentir e nao senti, ela é na primeira pessoa do plural pelo fato de ser eu a fazer e sentir e sofrer, dai me veio a ideia da foto que eu tinha, muitas vezes a gente escreve e as pessoas pensam, nossa que maximo, vivi isso, é minha historia, é muito legal, é interativo, só que aquele ali sou eu mesmo em loucura e em estado de consciencia alterado pela madrugada...entende? nem sei se foi uma boa posta la, mas enfim, deixei pro sabado, onde recebo menos comentarios...rs..rs...acredita nisso? foi premeditado....quanto a foto do bumbum de fora que sugeriu, eu tenho uma naquele mesmo lugar, no mesmo banquinho e com um violao num belo nu artistico, depois te mando..rs..rs..rs...rs..beijos querida,,,agora chega de falar ne?

Everson Russo disse...

Buuu, falo demais e falo bobagem, no p.s. onde voce leu primeira pessoa do plural, entanda primeira pessoa no singular sempre sou eu....rs..rs..rs...rs...beijos, que dureza...rs..rs..rs..

Maria Dias disse...

Oi Paula,

Gosto muito de fotografias justamente por isso:Elas passam uma sensação de ter parado um tempo q nao volta mais.Fotografia é pura nostalgia não é mesmo?Q delícia deve ter sido este passeio hein?O clima bem ameno,companhias agradáveis,o caderninho nas mãos e as idéias fluindo...Adorei imaginar vcs nesta paisagem!

Beijo

Maria

Elcio Tuiribepi disse...

OI Paula, quantas boas lembranças que ficaram deste seu passeio, belas fotos, amizades, pessoas e lugares...
A folha do Tossan abaixo me fez lembrar do meu poema "Eu, folha"...
Sei lá, mas folha me lembra outono, lembra vento...mas também primavera
Que a vontade de escrever esteja sempre prsente em todos nós aqui desta comunidade blogueira...
Um abraço na alma...bom fim de semana

Solange Maia disse...

Paula,

Tanta coisa boa nessa sua postagem...

Viagem...
Estrada...
Amigos...
Anotações...
Verde...
Sonhos...

Que belo aglomerado de emoções....
Viajei com você.

Lindo.

beijo

Helinha disse...

Ah, Paula...

Acho lindo isso, sabe... esse seu jeito de escrever o que eu chamo de prosa pética... porque é realmente carregada de poesia e sentimentos...

E o mais legal quando se escreve é isso: vc pode escrever falando de si mesma, mas quanta gente, ao ler, se enxerga ali, com as mesmas sensações!! Eu também me vi ali!!

^^

As imagens estão demais e tornaram tudo mais real...

Beijão!!

mfc disse...

Gostei das palavras sentidas e bem escritas.
Um beijo

Cαmilα ♥ disse...

Paulinha, minha amiga-andarilha-querida

Seu texto me fez sentir saudades ao lembrar de uma viagem...
Lindas fotos e esse trecho me fez sentir uma dorzinha que a muito não sentia, mas é um sofrimento sem dor:

'Olhamos o horizonte. Você o seu. Eu o meu. Nós, nem nos conhecemos, somos palavras em fagulhas.'

edson marques disse...

Saudades de você, Paula!


Abraços, flores, estrelas..