sexta-feira, 4 de junho de 2010





Texto da série andarilha de 31.05.09.

O tempo foi passando, foi passando, e eu não via sua fazenda acusar nenhum sinal de vida. Se janelas e portas estavam fechadas, você poderia apenas ter ido passear um pouco.

Mas o meu medo que você não voltasse me deixou angustiada. Um sofrimento de poucos dias parecia uma eternidade. O meu maior receio ainda continua sendo o de dizer mais do que pode ser ouvido. Medo que o trotar do meu coração assuste quando se aproxima da porteira.

Olhar só a fazenda de longe é pouco para o cavalo que gosta de pular cercas e porteiras. Gosta de se deitar na relva. E alimentar-se do capim verde e úmido de orvalho.

A emoção desembestada a trotar é que faz a paisagem tornar-se linda, e ter ventos para balançarem a crina do cavalo.

Portanto, não demore a abrir a porteira da emoção. Preciso cavalgar no seu pasto.




21 comentários:

Nanda Assis disse...

aaooo trem bão, mundão veios em porteira.
brincadeiras a parte achei lindo, me fez ate pensar que ja tem uma cara que n vou na roça andar na minha egua. vou ver se vou la esse domingo, aaa da preguiçaa.

bjosss...

Robson Schneider disse...

hehehehe o pasto dos outros é sempre mais verde né?
Bjo Paula

Franzé Oliveira disse...

Olá menina.
São João chegando, viu?
Quando vai aparecer por aqui e abri a porteira?
Beijos.

myra disse...

que bonito texto! gostei muito, muito,sabe eu adoro cavalos e tanto tempo atràs ,cavalgava...
beijos querida amiga,
pus umas flores no blog de meu irmao:)porque hoje tem sol aqui!

Everson Russo disse...

Que essa porteira da emoção seja aberta e o coração esteja pronto pra liberdade, pra ganhar o mundo sem sentimentos de amor,,,sonhos e paz,,,,e que nesse solo tenha sempre sementes de amizade,,,,,beijos querida e um lindo final de semana....obrigado pelo carinho com minha amiga,,,,voce é show,,,,um beijo de paz.

Carlos Ferreira disse...

Caramba... para esse equino estar assim preso, deve ser mesmo uma angustia danada..., já que ele tanto gosta de trotar e saltar cercas... e alimentar-se em outros prados....rsss

Abraços fraternos

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Paula...sua interação com as fotos que você tira é impressionante, um talento que poderia ser aproveitado também no Espaço Aberto para prosear sobre fotografias...não esqueça dia 14 hein...rs
Essa sensação que nos fala seu poema não é das melhores, lembra a c´lebre frase usado por nossos pais quando queriamos algo que não podiamos ter ou fazer...
Olhe com os olhos e lambe com a testa...rs
A gente cresce e de certa forma acaba aprendendo essa lição na marra...rs
Um abraço na alma amiga...bom fim de semana...
Beijo

Riff disse...

Ouuuuuu .... fiquei mega feliz com suas palavras...Obrigada, nosso amigo e poeta Everson exagerou...não precisava nada disto... Eu apenas fiz o que meu coração pediu, adoro as escritas do Everson e agora as suas...Ameiiiiii seu Blog... e ja virei seguidora... Delícia e escritas de muita muita sensibilidade....Parabens... Volta mais vezes tá? Bjitos mil

walter disse...

Espero que não demore... a paisagem requer as cores da emoção!

Um abraço

Walter

Ronaldo Brito disse...

Me amarro quando conseguimos captar o olhar alheio...

Acostumado a ler tanto sobre o "eu hoje, ao deparar-me com a visão de um cavalo que aguarda ansioso por sua liberdade, foi inspirador...

Parabéns pelo blog e claro, ganhaste um leitor...

Forte abraço!

EDER RIBEIRO disse...

O meu maior receio ainda continua sendo o de dizer mais do que pode ser ouvido.
O que dizer depois deste cenário encantador e de um texto delicioso. Apenas aprazer e aplaudir. Bjos.

Opuntia disse...

É importante manter a porteira sempre aberta para novas emoções!


Bjos

Everson Russo disse...

Um super beijo de otima semana pra ti amiga....

Filoxera disse...

Lindo!
Fez-me sorrir.

(obrigada pela simpática visita).

Um beijo.

Anônimo disse...

Humm...Cavalo magrinho esse não?Está precisando de fino trato e bom pasto!
Ao direcionado que trate de abrir a porteira!!!

Maria disse...

Não sei porquê estas fotos lembraram-me o Hotel Fazenda onde estive há dois anos, a passar as festas juninas... :))

É lindo o teu texto!
Beijo, Paula.

paulo disse...

Belas metáforas, Paula.

Camila Chaves disse...

Ensina esse fazendeiro a abrir a porteira! rs
Alguns têm medo e por isso a mantém sempre bem fechada!
Beijos

Ana Lu disse...

Amei. Principalmente esses 2 últimos versos. Lindos mesmo!
Bjoss

Le Vautour disse...

Ah, se era eu... derrubava tooodaaas as cercas e jogava a porteira fora.
Abração de duas asas!

Armindo C. Alves disse...

Olá Paula
É bom aliviar a rédea, ultrapassar a porteira e avançar sem rumo. Dar liberdade aos sentidos e lançar os pensamentos ao vento e cavalgar ao sabor de cada remoínho, sem limites.

Bom estar de volta.
Agradeço as visitas e palavras carinhosas.

Beijos.