quinta-feira, 12 de agosto de 2010


As linhas do caderno estão em branco. Não consigo escrever sequer uma linha que se aproveite. Folhas e folhas em branco.

Os escritores dizem sofrer deste esvaziamento, deste branco de palavras, do sumiço delas. Comigo era para ser diferente, não sou escritora. As palavras saíam de mim sem minha permissão. As palavras me descobriam. As palavras desnudavam a emoção.

Tudo que eu escrevia, figurado, com erros de português, era a emoção desfilando nua, torta, pela linhas certas, que eu muitas vezes não enxergava, por estar cochilando, no escuro, ou com os olhos embaçados, úmidos da seiva da alma.

Eu sinto. Eu sei que sinto. Eu me emociono. Eu me encanto. Mas as palavras já não falam por mim.

Talvez elas estejam receosas de assustar, de amedrontar, de afugentar, de invadir, foi sempre assim, as minhas emoções afastaram a fonte dos meus devaneios. Onde eu podia mergulhar as meninas dos olhos e molhar a alma.

19.07.10

20 comentários:

Vivian disse...

...às vezes é apenas um hiato
da alma, e é até muito bom
folhas em branco para quando
a emoção não resistir e se faça
então em ricas palavras de
encanto.

bj, querida!

Ilaine disse...

Paula! Uma linda meneira de falar sobre a falta que a palavra faz. Sinto-me assim tantas vezes...Beijo

myra disse...

acho que somos irmas!!! me acontece isto até com a pintura!! e muito mais com a "escritura"!!!vai de qulaquer gostei muito o que e como escreveu!
beijossssssssss

Everson Russo disse...

Carregamos muitas vezes esse vazio no peito,,,um vazio de alma,,,onde tudo parece branco,,,onde o mundo parece nao ter sentido,,,,o vento sopra na direção contraria ao que planejamos,,,,talvez isso tambem seja a propria inspiração ao inverso.....beijos de bom dia ....

Memória de Elefante disse...

Paula!

Teus poemas estão sós e mudos esperando o momento de voar.
Covive com eles que acariciam tua alma.
Tenha calma e paciência,porque ninguém consegue escrever antes deste convívio que brota lá deste reino silencioso , em breve as palavras fluirão livres alçando mais um belo voo.

Deixo-te meu beijo!

Mai disse...

As vezes nos impacientamos com a ausência das palavras. Elas vêm e vão e parece que tem vontade própria... Acho que a questão é deixar, se entregar ao fluxo natural e esperar sem inquietude, o retorno das palavras.
Não se sinta cobrada nem cobre de si.
Nesse questionamento ou explicação de um silêncio, as palavras se mostram prontas, a teu serviço.

Abraços, Paula.
Fica bem!

Maria disse...

Há dias assim, Paula. Em que a gente se sente 'oca'. Mas apesar de 'ocas' continuamos a sentir. Só a cabeça não obedece à nossa vontade de organizar as letras...
É sempre bom, no entanto, ir deixando as palavras aqui e acolá, quem sabe mais tarde ão se juntam num belo poema...

Beij, Paula.

walter disse...

Paula!

... mas o que acabaste de escrever, escreveste-o com muita emoção - veio-te da alma e com muito sentido e talvez, ao contrário do que tu penses, não há um esvaziamento de palavras, talvez seja o contrário, às vezes ficamos entupidos de palavras e elas não saem, precisamos dar um tempo para que se organizem entre elas e lentamente uma-a-uma vão sair sem que faças esforço algum... aí é bom ter uma caneta sempre à mão rsrsrs

gostei muito do texto, sinceramente!

um beijo
Walter

Armindo C. Alves disse...

É ensurdecedor o barulho deste silêncio, como grande é o vazio que sangra a alma e os sentimentos.
O vazio de ideias é agora ausência de palavras neste turbilhão de pensamentos. É o que esta folha, de linhas em branco, pretende contar.

Bonito o seu "devaneio".
Para quem regressa de umas pequenas férias , foi um bom exercício para a mente.

Beijo.

Daniel Savio disse...

Mas será que tuas fotos não falariam por ti?

Fique com Deus, menina Paula Barros.
Um abraço.

Ana Lu disse...

Ei Paula!
A falta de palavras acontece nas melhores famílias, hahaha.
E até pra reclamar da falta de palavras vc consegue se dar bem com elas, fica tranquila!
Beijos

Sonia Pallone disse...

Não sei se a inspiração te falta, mas que esse texto foi encantadoramente poético, isso foi! Beijos querida.

Everson Russo disse...

Beijo carinhoso de bom final de semana pra ti querida....muita poesia em sua alma.

djanirasilva disse...

Você diz que não é escritora? E esta angústia, esta briga com a palavra é o quê? O escritor tem que ser um domador intrépido para poder a fera do sentimento que nos consome no silêncio, nas alegrias e nas tristes,Nesta, principalmente. Você é escritora, sim, escritora que briga não apenas com a teimosia da palavra, também com a força dos sentimentos de que ela precisa para ser verdadeira. E nisto, acredite, você é mestra. Um beijo - Corujona

Uelton Gomes disse...

Ah Paula não se preocupe logo logo as palavras sairão. Deixem que suas fotografias fale por vc.

Caso falte motivação olhe para suas fotografias e tente lembrar o que vc sentiu daquele momento.

Pode ser uma coisa boba, mas as vezes ajuda.

Abraços é bom final de semana!

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Você que pensa. Acabou de escrever algo muito bonito. Parabéns. Beijos

Insana disse...

Paula querida ate quando você diz nao ter nada a dizer muita coisa você esta passando.

bjs
Insana

Celina disse...

Oi Paula boa noite tudo de bom para vc, agradeço a tua visita e a gentileza do comentário, por sinal muito bonito. Quanto a falta de assunto, deves está cansada,logo, logo flui outra vez, acontece com todos esse branco, com escritores,poetas etc... paciencia amiga,um abraço cheio de ternura. Celina

Sonhadora disse...

Minha querida
Um silêncio ensurdecedor a falta das palavras, sei do que falas.

Beijinhos
Sonhadora

Anônimo disse...

"Ela veio toda faceira", isso sim que é presságio de Alegrias.
Agradeço em nome de todas as ONGS protetoras de animais.

Cordial abraço!
Onda