sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011



Se tem uma coisa que gosto é escrever sem pensar. E gosto muito de visitá-lo e as palavras metidas que só elas, feito criança, com toda a espontaneidade, vão subindo por mim e caindo das pontas dos dedos. Caindo mesmo, sem nem estarem preocupadas em machucar a gramática.

Vou escrevendo, me emocionando, e sorrindo. Aquele sorriso de quem sente cócegas. É assim, as palavras vão saindo de mim, e sai sorrisos.

Algumas vezes saem lágrimas, e quando choro, fico já pensando onde foi que suas palavras anzóis me pescaram.

Amor? Nem se preocupe, que não é amor. Se eu amasse você, eu não escreveria, já descobri isso.

O amor em mim dá um bloqueio nas palavras. Fico tentando juntar palavras, fazer rima, arrumar combinação do sentir com alguma palavra, e elas, as palavras rebeldes, vão embora.
Gosto é desta destrambelhação das palavras. Por isso deixei de fazer a oficina literária. Tinha que pensar para escrever, tinha que corrigir, tinha que reescrever. E isso se torna um gestação duradoura, uma tortura. Torna o escrever dolorido. Gosto mesmo é do nascimento das palavras lá na fonte, no rio das suas emoções. Então minhas palavras nascem bebendo da fonte do rio.


Texto 22.06.09
Foto: Ilha Bela - SP - 09

17 comentários:

Garota Misteriosa disse...

Oi Moça!!!

Quando isso acontece, eu releio o que escrevi e muitas vezes me pergunto se foi eu mesma... Se surpreender conosco mesmo é bem interessante!!!

Bjus e Faça-me uma visita!!!

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Paula...fico feliz quando isso me acontece e as palavras saem assim tão destrambelhadas, mas na maioria das vezes fico mesmo ´remexendo, trocando, procurando...então quando acontece assim é uma alegria...uma surpresa boa...
Esses dias me aconteceu com uma imagem...nasceu um poema sobre imagem, é bem simples, mas gostei...vou postar qualquer hora...
Um abraço na alma
Beijo

EDER RIBEIRO disse...

Paula, todos os meus textos somente nascem por inspiração, e aqui, ultimamente tem sido fonte para eles, e as trocas de comentário também. Bjos.

myra disse...

se eu releio o que escrevo, jogo tudo fora! logico, eu nao sei escrever, so sai bobagens...as vezes, quem sabe em frances, escrevo um pouco melhor...mas voce minha querida, escreve de maravilha e de uma maneira tao simples e espontanea, isto é voce, minha querida amiga!
beijos

Everson Russo disse...

Escrever é isso,,,uma surpresa,,,sem pensar, melhor ainda...bloquinhos loucos,,paradas inusitadas, emoções vagando pelo coração e pela alma...tudo que vem de dentro é valido pra nos surpreender....beijos e beijos de bom final de semana....

p.s. sabe de uma coisa,,,aquela menina de muitos textos,,,as vezes é na primeira pessoa....

C. disse...

Pensar pra mim, parece que nao combina com escrever. Tem que ser no desatino. Continue na sua viagem, e fazendo um casamento perfeito de imagem e escrita.

Lindas palavras de aniversário, thanks!

Uelton Gomes disse...

Olá Paula

Essa sua capacidade de escrever me impressioona.

Já pensou em escrever um livro. Cada foto um texto.

Eu compraria.

Abraços

mfc disse...

Escrever é um grito de alma! É transbordarmos para os outros o que nos vai muito por dentro!
Só assim tem sentido ter um blog vivo.

Olhos de mel disse...

Querida amiga; essas escritas, com certeza ficam mais bonitas, porque saem do fundo da alma e refletem as nossas mais bonitas emoções.
Bom fim de semana! Beijos

Evanir disse...

Paula querida..
Eu posto texto poemas não sei se agrada as pessoas mais jamais posto aquilo que não toca meu coração.
Amo sua presença no meu blog assim como seus comentarios.
Eu não saberia escrever como você fez e por sinal adorei.
Eu escrevendo sou um fiasco logo vem a tona meus sentimentos mais profundos.
Minha linda te abraço.
Um linda tarde.
beijos,Evanir.
http://aviagem1.blogspot.com/

Blue disse...

E olha a Andarilha,
escrevendo sem pensar.
Se assim ela belas palavras destrambelha,
imagina se ela for amar!

Beijos

Luan Fernando disse...

Suas palavras são minhas palavras. Tenho a mesma conclusão que você, acho bem mais encantador deixar as palavras formarem o que for para nascer. Acho mais divertido deixar a imaginação agir sem limite, quem sabe dessa forma possa ser criado uma obra-prima, ou simplesmente um humilde texto, não importa, o importante é escrever o que você acha verdadeiro para você.

Grande beijo.

d'Alma disse...

Há crianças assim; livres, sem culpa, a quem tudo é perdoado!... É óptimo saber que há uma criança dentro de todos aqueles que não serão responsabilizados pelos seus actos!... nem pelo sentido perdido das palavras!... No princípio, o gesto era tudo e o entendimento, básico, bastava para que a mensagem atravessasse o canal e completasse o circuito de comunicação!... Hoje, sentar-se na primeira fila, para que seja vista, personagens frenéticas podem não dar-se conta que a plateia está nas suas costas!... Cruel, mas possível!...
Quando pensamos estar a atravessar um vale fértil, se olharmos em volta, podemos constatar o calor do deserto que nos cerca; é de sensata importância não beber toda a água de uma só vez!... A dose deve traduzir um acto consciente e não o ímpeto momentâneo!... A paciência é uma virtude!



Bom fim de semana e...

Paciência!...





Abraço

Everson Russo disse...

Um super beijo carinhoso de lindo sabado pra ti,,,paz,,,poesia,,,e muitos sorrisos....

Luma Rosa disse...

Escrever espontaneamente é sempre melhor! Alguns escritores têm bloqueios quando escrevem sob encomenda. Obrigação é brochante!!

Você assistiu o filme "As horas"?

Beijus,

Dona Sra. Urtigão disse...

O escrever do poeta, as palavras apenas como representação da emoção, da vida plena. Apenas?

Lindo como sempre.

Daniel Savio disse...

Mas o amor não deveria liberar esta fluxo das palavras e não prende-las?

Fique com Deus, menina Paula Barros.
Um abraço.