domingo, 9 de dezembro de 2012








Fui jogada muito longe. E lá estou, vendo meu pai ouvindo os discos de meu avô, pai dele. Discos grossos, setenta e oito rotações por minuto. Se meu avô não tivesse morrido os lps talvez não estivessem na nossa casa, e não me trariam estas lembranças. Vejo a criança que incorporou aquelas saudades tocadas nos discos, refletidas nos olhos dos adultos, como suas. Hoje, adulta, sofre de saudades que não são suas. E não sabe em que parte do corpo dói, e qual coração aperta. No dela? Quantos corações tem quando escuta Orlando Silva, Francisco Alves, Dalva de Oliveira, Atualfo Alves, Silvio Caldas, Ângela Maria, Pixinguinha, Roberto Carlos, Chico Buarque? ah, são tantos. Nos anos mais na frente lembra do pai tocando violão,  uma música muito melancólica, tentando acertar os acordes, "naquela mesa ele sentava sempre", " Ave Maria no morro"  a gente vai ficando mais velha e o passado vai ficando mais próximo. Não tenho certeza se a terra é redonda, mas começo a ter certeza que com a idade o pensamento vai dando voltas, e o presente e o passado se encontram formando um círculo. É tudo tão próximo o passado e o presente. Vejo cenas que nem sei se vivi, talvez só tenha escutado as histórias e entrado nelas. Minha mãe ainda pode me confirmar algumas lembranças. Outras, devo ter criado naqueles momentos que entrei nas histórias dos outros. E agora são lembranças minhas.

5 comentários:

myra disse...

sim, querida, eu tenho ainda destes discos mas nao tenho o negocio onde se toca..e tudo està là na Holanda com tantas coisas minhas...e morro de saudades das musicas e de tantas coisas vividas e dos objetos que ja nao estao comigo.
Mas as audades maiores sao dos meus queridos, todos, os que ja nao estao,e os que estao longe de mim...

beijos e que bem voce sabe "descrever" sentimentos...

Anônimo disse...

"Pois à medida que me aproximo mais e mais do fim, viajo em um círculo mais e mais próximo do começo. Parece ser uma das formas de suavização e de preparo do caminho.
Meu coração é tocado agora por muitas lembranças que estavam há mt tempo adormecidas"
Charles Dickens

Vivian disse...

...se não fossem as lembranças
de um passado tão presente,
não leríamos tamanha
maravilha que deixastes
aqui...

eu amo esta tua intimidade
com as palavras.

bjs, querida!

EDER RIBEIRO disse...

Achei interessante as voltas do passado e presente se encontrando, comigo está acontecendo isso... Socorro, tou véio...rsssss. Até um tempo atrás eu tinha uma coleção de LPS, dei para a minha mãe, e pensar q minha filha não quer CDS, quer a música no cartão de memória ou pendrive. Meu Deus, cheguei a ouvir no megafone, e não vai pensar q sou arcaico, a cidade q nasci, na Bahia, era mto atrasada... Rssss. Bjos.

O Árabe disse...

E é muito bom lembrar o passado assim... é quando sentimos que faz parte do presente. Boa semana, amiga!