quarta-feira, 20 de março de 2013








O teu olhar descobre belezas que estão visíveis
Porém, invisíveis para muitos
Que andam apressados
Que caminham distraídos
Quem passam mergulhados nos problemas
Ou sofrendo as próprias dores

Os teus olhos andam a captar a vida
Com as cores que a natureza tem
Com as matizes que o sol sabe colorir

Os teus olhos veem em preto e branco
A dureza da realidade
Mas sabem traduzir a cor da rocha
O cinza do asfalto
E as dores alheias
Em verdes tons de esperança

O teu olhar
Encanta o meu
E faz uma ponte com algo mais sensível dentro de mim





4 comentários:

myra disse...

UMA MARAVILHA ESTE POEMA!!!!
te adoro!!!!
bijosssssssssssssssssssssssssss

Maria disse...

Belo o teu poema
neste dia mundial da poesia
por cá, deste lado do oceano.

Beijos.

EDER RIBEIRO disse...

saber enxergar assim precisa mto mais do q os olhos físicos. Belo poema, Paulinha. Bjos.

O Sibarita disse...

Beleza de escrita, tão singela, tão céu e terra, tão, tão... kkkkk

Fia, muito ouro fino seu poema ao descrever os olhos de quem sempre viu em preto em branco as nuanças da vida e no entanto traduz essa dureza em colorido descontraído!

Porreta!

O Sibarita