sexta-feira, 18 de janeiro de 2008


foto Paula Barros


Onde moro têm muitos pássaros. Cantam o dia todo. Coloquei este bebedouro na varanda, querendo que viessem beber água aqui próximo para melhor observá-los, para me sentir mais perto da natureza, para ser visitada, para....tanta coisa. Sim, eu sabia que morava no 8º andar, equivalente ao 10º. Seria quase impossível. Não queria acreditar no impossível. Assim como não quero acreditar no impossível para muitas coisas da vida. Por que os pássaros sairiam da natureza para voar tão alto e vir à minha varanda? Por que as palavras dele tocaram tanto meus sentimentos? Por que eu voava tão alto ao encontro dele? E com tanta sede? São tantas as perguntas. O meu bebedouro não foi notado pelos pássaros. As minhas palavras não foram entendidas. Às vezes quero voar alto, em busca de um bebedouro qualquer. Quando a natureza está tão próxima. Muitas vezes eu sou a natureza. E não me percebo. Quase sempre busco bebedouros para saciarem as minhas sedes, que me instiguem , me dêem emoção, me redescubram. Preciso voar alto! Às vezes não consigo o tão alto quanto gostaria. Então dou vôos rasantes, outros profundos. Já tive que remendar as asas. Por vezes faço como o beija-flor pairo no ar, e observo. Preciso voar alto! Preciso acreditar e sentir que o impossível não existe. Então vôo! O bebedouro irá para um jardim. Mesmo que os pássaros já estejam por lá. Temos que entender o nosso limite e o limite do outro.


10 comentários:

Edson Marques disse...

Paula,

asim que vi a foto, transformei-me em beija flor e bebi da tua água.


E ao ler o texto meu coração bateu 500 vezes por minuto!


Abraços, beija-flores, estrelas...

Ina disse...

Paula,

Voei por aqui :) Volto mais vezes viu?

Besos

Erika disse...

Voa alto, querida, e bebe a água da busca pela liberdade, pois pior que não ser livre é nem buscar.

beijo

"Oncotô? (Erika)"

Chuvinha disse...

As vezes existem fontes de agua tao perto de nos e teimamos buscar outras...as vezes oferecemos tudo de bom que temos e mesmo assim o jantar numa outra casa, muitas commenos elaboracao, parecem mais convidativas. Mas voar nunca foi facil...nao temos asas e mesmo assim insistimos. Se vamos alcancar,nao sei,mas que a viagem vale,vale.

MH disse...

Tem uma perguntinha para as meninas no meu blog.
E eu queria saber sua opinião. Bj

: )

Jéssica V. Amâncio disse...

Ah, amei o teu comentario no meu blog! Obrigada por me linkar, vou te linkar no meu também para ler mais. E pode ler a vontade=)

E voe! Não tenha medo não, para os sonhadores nem o céu é o limite
^^

Ederson Marques disse...

sensacional... em um primeiro momento não compreendi a profundidade da foto... após ler o texto, que tanto diz, fiquei maravilhado... lembrei-me do esforço físico que um pobre beija-flor faz para simplesmente chegar a uma flor. e essas flores em suas varandas... nossa, sem palavras.

Célia disse...

Ola Paula, como vai ?
Acabou a agua do seu bebbedouro, assim os beijas flores não voltam.
Ontem a noite quando fui fechar a janela do quarto eu vi duas lindas corujas brancas que vooavam, era lindo demais ver o voo do amor.
pena que depois que eles conquistam, não nos levam mais as alturas.
Beijos e bom fim de semana.
Célia

Layla Lauar disse...

Oi querida

Belíssimo seu texto, fiquei emocionada. Li logo cedo, mas estava com problemas no meu teclado e não conseguia comnetar... Asas todos nós temos, alguns sabem disso e outros não. Não deixem que cortem as suas, nunca. Beijos

Codinome Beija-Flor disse...

Paula,
Não há como não lembrar do licro: "Fernão Capelo Gaivota" e a passagem que diz: "Vê mais longe a gaivota que vôa mais alto".
Bjos