sábado, 24 de maio de 2008

foto solicitada a Wilson por e-mail, não respondido, então foi roubada



Quem sou eu? Quem é você?

O mundo virtual tem o lado positivo e o negativo.
Podemos fazer amigos, obter conhecimentos, trabalhar...No entanto, fico preocupada com os sentimentos das pessoas que estão por trás de cada telinha. Me incluo nas minhas próprias preocupações.Quando falo aqui do virtual, me detenho aos blogs. Esse mundo que criamos, que pensamos nele para atualizar, às vezes até pensamos em alguém específico que vai ler, queremos ver e ser vistos, investimos numa troca de comentários, de elogios e tantas outras questões.As pessoas se questionam. Quem é fulano (a)? O que ele (a) pensa? O que ele (a) faz? Questiona-se o sexo. Os costumes, os hábitos. Mas esses questionamentos só surgem quando algum sentimento é despertado. E esse sentimento monopoliza a nossa atenção, os nossos desejos, as fantasias. Também tenho percebido que transferimos muito de nós no outro, e quase sempre terminam em ilusões, decepções. Por vezes, através do que o outro escreve ou comenta, surge a idealização daquele que está por trás das letras. Todo sentimento que cresce baseado em transferências e idealizações, não dá certo. Caso sentimentos sejam despertados, não é muito diferente da vida real, é preciso conversar, esclarecer, ser sincero, se mostrar como realmente se é. Evitando-se decepções desnecessárias. Acredito que sendo assim, seja possível se construir relações construtivas e saudáveis. Falo de qualquer relação e não só das amorosas.


8 comentários:

Edson Marques disse...

Teu texto, Paula, como sempre, é bem escrito, bem pensado, tem fundamento. Mas eu sou um provocador por natureza. POr isso vou te questionar:

Nem toda ilusão traz decepção.


Tem ilusão que pode ser uma verdadeira catálise. Uma ação trasnformadora radical.

Claro que melhor seria se não fosse ilusão. Mas a grande sabedoria é tirar o que se pretende mesmo daquilo que nem se promete.

Vamos pensar?!


A formiguinha realmente dançou nas minhas mãos!


/// Abraços, flores, estrelas..

Paulo R Diesel disse...

Tô quase concordando contigo, Paula.
Fiz questão de registrar o meu blog no meu nome e de identificar-me em todas as visitas e comentários, só que as vezes sinto a tentação de esconder-me atrás de um pseudônimo para sentir e ter outras reações.

Bom domingo. Bj.

Layla Lauar disse...

No virtual, para mim, vale a palavra, nunca faço perguntas. ...gosto da pessoa pelo que ela escreve, apenas... nada mais interfere nos meus sentimentos.Se ela não for nada daquilo que revela através dos seus escritos, prefiro continuar iludida.

Beijos querida

Pedro Ivo disse...

Oi Paulinha, gostou mesmo do: "quem sou eu? Quem é você?" rss...
O mundo virtual realmente nós faz isso,de querer conhecer aquela pessoa por de trás das palavras mais e mais.

Beijos!

Pedro disse...

O mundo virtual é bem próximo do real, com pequenas alterações. Fazemos projeções em ambos os mundos, é natural. E nem sempre acertamos.

thulio disse...

mt bom o texto do mundo virtual...t+

O Sibarita disse...

Pois é sua menina! Seu texto está maravilhoso e isso mesmo, nunca se sabe o outro lado e tem gente do outo lado quem nem sabe dele mesmo! kkkkkkkkkkkkk

Paula esse negócio de blog, realmente, é meio estranho, faça fé!

Ah, sem questionamento, sou homem, viu fia! kkkkkkkkkkk

bjs
O Sibarita

Chuvinha disse...

A maioria das pessoas idealiza. Relacionamentos virtuais são capazes de durar anos a fio e os reais as vezes nem um mês.