sábado, 27 de setembro de 2008

CADEIRAS VAZIAS

foto Tossan foto Paula Barros
Eu e você. Duas vidas. Uma cadeira vazia na praia, na sua. Duas cadeiras vazias na praia, na minha. Duas histórias de vida. Muitas vidas passando em nossas vidas. Agora, eu passando na sua, você passando na minha. Por quê? Não sabemos. Talvez nunca saberemos. Mais acredito que nada é por acaso. Pelo menos estou aqui escrevendo. Não, não pense eu, não pense você, ninguém deve pensar que falo de romance. De amor entre um homem e uma mulher. É um encontro de duas almas, uma vestida de homem, outra vestida de mulher. Em alguns momentos, fantasiadas de gente. Três cadeiras vazias. Dois corações. Duas almas. Quatro olhos. Sensibilidade. Dois corações preenchidos de muitas histórias. Boas ou más? Não importa. Tem vidas nas histórias dessas vidas. Tem corações preenchidos, tem corações vazios, tem corações arrependidos....tem dois corações, talvez entrelaçados de outros corações. Algum desses corações, ou os dois tem espaços vazios, preenchidos de sonhos, de pensamentos, de querer.... preenchidos de algum tipo de ausência. As cadeiras vazias falam por nós. No vazio de nós mesmos temos o melhor encontro, com nós mesmos.



*****************************************************************

Esse post surgiu assim. A foto da cadeira vazia no blog de Tossan http://klictossan.blogspot.com/. Lembrei da foto que tirei. Comentei lá. Ele pediu para ver. Pensei porque fotografei. Escrevi algo (não esse post). E a cabeça martelava. Escrevi assim. Enviei para ele, ele gostou sugeriu que postasse e ofereceu a foto dele. E assim seguimos nós, com as nossas cadeiras vazias e a vida para ser vivida.

25 comentários:

Alisson da Hora disse...

Seres humanos nada são do que almas, algumas vestidas de homem, outras vestidas de mulher. Ou fantasiadas. Há pessoas que nem sabem que são humanas.

=***

Vivian disse...

...e quantas cadeiras se encontram vazias neste exato momento, a despeito destas imagens, destas reflexões sobre encontros de almas que se tocam pela afinidade, pelos sentimentos e paixões pelo que fazem...blogar é mágico, quem bloga jamais ficará com uma cadeira vazia... blogar nos permite fazer amigos, encontrar amores, adentrar o outro e deixar que ele nos vasculhe também...e nestes mágicos encontros nasce a poesia...

encantada, deixo bjs a vc, Paulinha linda, e ao Tossan meu fotógrafo mestre...smackssssssssss

EternaApaixonada disse...

Paula,

aguardava por este post, pois acompanhei o que citou...
Cadeiras vazias... Como isso mexe comigo, amiga...
Noite vazia... Chuva... Frio...
Uma lágrima insiste em cair, mas sou forte, guerreira, sagitariana...
Só que o dia foi triste, notícias da "outra cadeira distante doente"...
Beijos

tossan disse...

O que dizer? è muito bom ver a minha foto no seu blog e estou feliz.
O texto é muito real e acontece em todos os lugares e com muita gente. Existem cadeiras em todas partes, e algumas não podem ser usadas como as nossa elas estão quebradas, já não esperam a mais a esperança como nós, elas morrem aos poucos dentro delas mesma como disse o seu amigo, elas não sabem que são humanas! 1 grande beijo.

Lay disse...

lendo sobre as cadeiras me lembrei "no meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra no meio do caminho".

É sempe bom ter cadeiras preenchidas de almas ao nosso redor.
beijos

Paulo R Diesel disse...

Se há cadeiras vazias é porque existe espaço a ser preenchido.
Se existe espaço é porque algo ou tudo pode acontecer.

Beijo Paula, bela figura

Cadinho RoCo disse...

Deixe a cadeira quietinha e trate bem dela todos os dias porque quando menos esperar alguém surgirá para ocupa-la.
Cadinho RoCo

Everson Russo disse...

Quantas e quantas cadeiras vazias foram deixadas em nossas vidas, e quantas e quantas ainda virão? Representando alguem que se foi, alguem que se espera, Renato Russo expressou se assim, "Já estou cheio de me sentir vazio,meu corpo é quente e estou sentindo frio", e o mais instigante na sua poesia é o nao ser homem e mulher, é aquela fantasia do amor puro, do amor apenas por amor, amor e poesia não tem sexo, não se distinguem, se misturam, formam uma cor uniforme, fazem do arco iris um arco que envolve o céu, contorna o horizonte de uma forma contraria, e sentados na cadeira, olhando o infinito nos perdemos e buscamos a paz...beijos pra ti meu anjo da poesia, tenha um lindo domingo e uma semana com as cadeiras todas ocupadas, de paz, amor, poesia e sentimentos...

Sol da meia noite disse...

Minha amiga, o post está uma beleza...!
O teu peculiar modo de escrever toca fundo a sensibilidade.

Tudo é relativo... também o conceito de vazio.
Essas cadeiras não estarão a transbordar de algo que não se vê? Passados, memórias, momentos não estarão nelas sentados?
Porque a vida segue, mas nada se apaga...

Diria que são cadeiras que entrelaçam tempos. Baús de passados que no presente tempo aguardam o futuro.

Abracinho
:-)

Grace Olsson disse...

Paula, antes de eu viver a vida atual, deixei mutias cadeiras vazias. E perdi as contas de quantas ficaram vazias em minha direção. mas creio, piamente, que sempre há uma tampa para cada panela.
beijos e dias felizes.

as fotos estão e sao lindas.Parabéns aos dois

O Sibarita disse...

É... kkk Eu aqui em Jauá, agora, leio esse texto, olho em frente a cadeira vazia, há um iato, a cadeira grita

-Sibarita, cadê a dona moça que viria sentar aqui?
-Dona cadeira tire seu cavalinho da chuva que ela está no blog postando sobre você! kkkkkk
-Sobre mim? Oxém! Qual é o caso dela? rsrsrs
-E eu sei lá dona cadeira? kkkk
-Ah não vai passar em branco isso não meu neguinho!
-Ô não? Ai Deus! kkkkk
-Vou cobrar direitos de imagens, onde já se viu isso? Ela tá lenhada comiga, ora se tá! rsrsrs
-Não, não faça isso não! kkk Alivie que ela é gente boa! kkkkkk
-Aliviar o que? Tá!
-Xiiiiiiiii... lenhou tudo! kkkkk

Execelente texto Paula!

bjs
O Sibarita

Djanira Silva disse...

Paula, a cada dia me surpreende a sua força criativa. Só posso lhe dizer SENSACIONAL!!!!!!!!!!

Vá em frente, sempre em frente. Não existem cadeiras vazias. Elas guardam pelo menos o simbolismo das lembranças. Um beijão - mãe

Layla Lauar disse...

as cadeiras até podem estar vazias...mas o seu texto está recheado de emoção e poesia. .. adorei!

beijos

Liquificadorizando disse...

As cadeiras estão vazias esperando por alguém que as mereça.

Beijos

Alexandra Periard
Plante uma árvore com um clique
http://alexandraperiard.blogspot.com/

Luma disse...

Sabe que estive a pensar olhando para uma cristaleira que fica na sala de minha avó, mas que pertenceu a outros membros da família. É uma cristaleira bem antiga. Pensei nas histórias, festas, conversas, tudo que presenciou enquanto estava muda ali no canto. Se pudesse falar, teria muita coisa pra contar. As cadeiras na praia de certa forma abrigaram almas que por determinado tempo trocaram confidências. E nós? Abrigamos pensamentos, sentimentos que podem se transformar em palavras, que nem sempre são aproveitadas pelas oportunidades que a vida nos dá. Boa semana! Beijus

edson marques disse...

Quando duas almas vestidas de corpos se encontram, elas se desnudam..

E o Espírito vira Inspírito!


Abraços, flores, estrelas..

edson marques disse...

Quando duas almas vestidas de corpos se encontram, elas se desnudam..

E o Espírito vira Inspírito!


Abraços, flores, estrelas..

Nanda Assis disse...

assim é a inspiração vem de sei lá onde. mas esta sua foi muito boa. fala de um amor acima deste que costumamos dizer que sentimos.. parabéns.

bjosss...

Deusa Odoyá disse...

Olá minha estimada amiga.
Não se preocupe, pois quando menos esperar sua cadeira será ocupada por um grande amor.
Beijos amiga e fique na paz.
Sua amiga.

Regina Coeli.
Te aguardo no meu cantinho.

Quase Trinta disse...

e de uma foto de uma cadeira vazia saiu esse belo texto, falando mais do q de amor, mas do encontro de almas...

caurosa disse...

Paula, as cadeiras vazias serão o acento de pessoas sedentas de amor, almas que certamente encontrarão a plenitude no amor.

Forte abraço

CAUROSA - caurosa.wordpress.com

anderson eduardo disse...

Pois é, estão a espera de alguém que talvez nao as tenham vistas.... adorei tudo... parabens por esta parceria sua com o amigo tossan... abração tudo d ebom

Jardineiro de Plantão disse...

Alma cheia de imaginação... Muito bem escrito. De um pôr-do-Sol contemplativo ao adivinhar de um momento de sensibilidade do "calor" de uma praia.

Abraços

Gerlane disse...

Maravilha de texto, Paula! Espontâneo, bem ao teu estilo, e com um leque aberto a muitas reflexões.

Gostei muito!

Beijos pra ti!

Tereza Freire disse...

Ainda dizem que são objetos inanimados... quantas coisas têm alma, basta que alguém com sua sensibilidade olhe e sinta o que esses objetos dizem. Lindo texto.