domingo, 11 de janeiro de 2009

A guerra continua......
A minha. A tua. A nossa. A deles. São tantas guerras. Precisamos de muita paz. Precisamos falar das guerras. Dos conflitos internos e externos. Entre povos de nações diferentes. Entre marido e mulher. Entre pais e filhos. Entre vizinhos. Entre colegas de trabalho. Entre eu e você. Entre você e ele. Entre eu e eu. Precisamos promover a paz. No mundo. Na rua. No trânsito. No trabalho. Na família. Dentro de nós. A guerra continua... Até quando? Não se.i Se vejo, se leio, se sei....sofro, encho os olhos de lágrimas, a alma fica inquieta. Não tanto quanto uma guerra dessa dimensão mereceria. Me assusta a guerra. Mas confesso e pode ninguém me entender. Me assusta muito mais as guerras diárias. De índole, da perversão, da maldade por impulso, do mau humor, dos rompantes.... Me assusta o político que rouba do pobre por ganância. O empresário que não paga impostos. O lojista que não dá nota fiscal e me olha atravessado quando peço e me trata mal. As brigas no trânsito. Os motoqueiros que se jogam na frente dos carros, andam na contra mão e se acham certos. Os motorista que de propósito assustam os ciclistas, não respeitam o pedestre. A moça loirinha e linda que desceu comigo no elevador, não respondeu meu bom dia e deixou o portão quase bater em mim. Me aterroriza quem bebe e dirige embriagado e mata vidas. Adultos que molestam crianças. Funcionários de escolas públicas que furtam merendas. Muitas guerras diárias me assustam. Inclusive a que travo comigo na tentativa de ser melhor e me vejo repetindo os mesmos erros, a mesma insensibilidade, o mau humor, a minha agressividade..... Me assusta a minha falta de sensibilidades para tantas desgraças do mundo. A guerra continua... Se podemos pedir paz, vamos pedir. Se queremos postar da guerra, sermos mais humanitários, mostrar sensibilidade, é mais um gesto que se soma a tantas outras ações – parabéns Mas se convido vocês para relaxarem. Relaxem, aproveitem. Penso que ajuda na campanha da paz. Interna e das relações. Não me critiquem por causa da guerra. Pelo menos esses momentos me ajudam nas minhas guerras internas, nas busca de ser melhor, de valorizar a vida, em busca da paz interior e dos ambientes por onde passo. Não pensem que é fácil, nem que consigo sempre. Mas tento. Se não consigo levar a paz, me esforço muito mais para não promover a guerra.

38 comentários:

Pedro disse...

Infelizmente, uma guerra sem prazo para acabar.

Vivian disse...

...há e haverá sempre muitas guerras em ebulição.

mas a maior delas é a guerra
do homem e seu interior
egocêntrico, este que nos leva
ladeira abaixo toda vez que
abrimos espaços para que ele
se pronuncie, seja nos contatos
diários, seja no dia-a-dia, seja
nos relacionamentos mais íntimos,
e por aí vai...

toda guerra começa em nós...
e portanto, só pode terminar
em nós...

lindissima reflexão e imagem...

vc é uma linda...

bjuss

FRAN "O Samurai" disse...

Oi amiga!

Guerras...

Além das guerras com armas,
há as guerras,
de palavras,
de gestos,
de trabalho,
de família,
de intelectualidade,
de raças,
de crenças,
de religião,
de torcidas,
de futilidades,
enfim...

O mundo necessita estar em guerra para provar seus valores tolos do tipo:

"Eu sou melhor que você!"

É triste mas o mundo pensa assim, as pessoas pensam assim e a vida continua a afundar no oceano do nariz empinado.

Beijos.

Gilbamar disse...

Eu ofereço um bulgari recém colhido para quem semeia conflitos e sorrio para quem me exibe as garras afiadas. Choro por causa das guerras e levanto minha voz em prol da paz.

Fraternal abraço de paz eterna.

Nanda Assis disse...

belo apelo paula, isso mesmo que temos que promover. e o meu lema é:
paz amor e muita sacanagem...

bjosss...

Saara Senna disse...

OLá, primeira visitinha aqui!

Sobre o texto... acho que deveria existir mais pessoas como você, sensíveis a problemas, guerras e afins.

Gostei do apelo.
Sendo assim, desejo muita paz, amor e saúde a você!

Fénix disse...

Me assusta a guerra que travei comigo e que chegou ao fim... me assusta ter de apanhar todos os pedaços e colar de novo o meu coração partido. E sim tens razão essas guerras diárias me assustam, também convivo com elas... Me assusto com as guerras que matam de fome as crianças, me assusto com a ganância deste Mundo.

Léo Mandoki, Jr. disse...

..a pior de todas as guerras é essa q vc acabou de nos expor: a guerra de vc contra vc mesma...pq no dia em q a gente a nossa paz...as outras guerras tbm terminam...mas enqt estamos em guerra, as outras se agudizam!

Verônica disse...

Acho que perdemos as essência..de nós mesmos, de amar os outros como a nós mesmos...
Sim pq só essa simples frase, já explicaria tudo!!!
Estamos nos destruindo e isso me assusta..

LOURO disse...

Olá querida Paula, belo texto, o teu apêlo á Paz do Mundo!!!
Gostei...

Beijinhos de carinho

Lourenço

LOURO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luiz Caio disse...

Oi Paula! Como vai?
Tenho um pensamento mais ou menos assim, como parte desse que você passou sobre a guérra... Respeito mais à um ladrão bandido, que à um politico corrupto por exemplo! Pois com o bandido sabemos de antemão que estamos lidando com alguém perigoso e desonesto. Então poderemos encara-lo como se deve! Já o corrúpto...Político, policial, fiscal, etc... São covardes, e se escondem atras da autoridade,ou de alguma outra forma de poder, para nos atingir sem que percebamos a tempo, que estamos convivendo com um inimigo!

De todas as guérras, às quais você se referiu. As realizadas entre países, grupos com ideais divergentes... Enfim! A guérra declarada. É a mais terrível! Mas não sei até que ponto, a covardia que por vezes envolvem estas guérras, são piores que as das outras guérras... As que são promovidas no silêncio do nosso cotidiano!

UM ÓTIMO TEMA PARA A NOSSA REFLEXÃO!

TENHA UMA LINDA SEMANA!
BEIJOS.

Amarísio Araújo disse...

Paula,parabéns pelo texto,lúcido e direto.Concordo com você nas guerras que mais me assustam,as diárias,próximas de nós e,talvez,as
que fundamentam todas as outras.
Um bom dia para você.
Beijos.

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA PAULA, SE NÃO LEVAS A MAL SUBCREVO NA TOTALIDADE O TEU BELO TEXTO... PARABÉNS MENINA... ADOREi!!!
UM ABRAÇO DE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA

cada qual disse...

Adorei seu blog,vou te colocar em meus favoritos para ir lendo você.
posso te linkar?
abraços e beijos

Opuntia disse...

Se nos esforçamos p/ não promover a guerra, já estamos promovendo a paz.

Gostei muito do texto. Falar de guerras não é fácil, especialmente das guerras internas q todos nós travamos a cada dia. E vc soube descrevê-las mt bem.

Bjos

João Videira Santos disse...

Infelizmente a guerra continua...

Enquanto o egoismo e a intolerância continuarem, a guerra será muito mais que um negócio, que a expansão e a cobiça do poder...

Diogo Caceres disse...

Todos somos sedentos de paz... realmente mais ate do que de água!!!
Um filosos chines disse: se quer paz, prepare-se p/ guerra!
Não uma guerra contra o outro, contra o vizinho... não uma guerra exterior, mas um interior, reformando nossos corações e pensamentos... vencendo nossas piores mazelas: o orgulho e o egoismo. Só assim p/ adquirirmos nossa intima paz p/ q ela se manifesta em nossas ações!!!
Excelente post amiga, parabens e ótima semana, abração!!!!!!!!

Verônica disse...

Adoro quando vc comenta, e pode deixar que cada palavra é lida com o coração, estou melhor sim, alias estou ótima!!!
Quanto aos arrepios de um lado só, deve ser algo divino, pq também tenho disso.. se é que me entende..
Quanto a minha filha, pode ficar tranquila, não tenho isso que ficar falando mal dele ou quer quer q seja, isso não é vingança, vou deixar o destino de encarregar de tudo...
Olha de coração obrigada por tudo tá...

Déia Arakaki disse...

Boa Tarde Paula!!

É me assusta e me entristece tantas guerras assim. tanto as declaradas como as "nao declaradas", mais enfim acredito que se cada um de nós comecarmos a promover a paz dentro de nós mesmos já é um grande passo.

Beijos

Everson Russo disse...

Se me permite, vou me posicionar do lado da paz, se a guerra é por ganancia, vamos aprender a dividir, no lugar de armas e bombas, flores e carinhos, cartões postais, troquemos palavras rispidas do dia a dia por poesia, por amor, ao inves de xingar alguem, pegue uma caneta e escreva uma frase de amor, nos conflitos entre casais, no lugar de brigas, vamos sentar e conversar, procurar resolver tudo com calma, e quanto as guerras internas, essas são mais complicadas,nós contra nós mesmos, mas talvez seja facil tambem, é só acreditar num futuro melhor, acreditar mais no amor, acreditar em tudo...beijos no coração e na alma...otima semana pra ti...e quando voce for começar a ensinar como tirar fotos, faz a minha matricula..rs..rs...rs...não consigo tirar fotos como voce...

Valter Montani disse...

Paula,

Passei para conhecer seu Blog agradecer por sua visita e comentários, seja bem-vinda, volte sempre e parabéns pelo seu trabalho.
O negócio é a gente oferecer a nossa paz como bem disse o Mestre, não adianta pedir para os outros, a mudança do mundo começa dentro de cada um de nós, bjs e sucesso!

Carla disse...

precisamos promover a paz...essa é a maior das verdades
beijos e boa semana

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Paula querida
Estava no blog de um amigo - Jorge Elias - e ele fez um poema lindo-triste sobre a guerra, e eu fiquei a me perguntar até quando?
Até quando homens matarão homens por quaisquer motivos que sejam...
Fico com Nando Cordel, quando canta:
A Paz do mundo
Começa em mim

beijos

Fábio Mayer disse...

Vou responder seu comentário lá em casa, aqui:

Você pode comprar uma casa em 10, 20 ou 30 anos, é um bem que não perde valor e tem serventia e seus custos de manutenção são tão presentes no dia a dia de todas as pessoas, que acabam não importando muito.

Mas comprar um carro em 72 meses implica em entender que após o segundo ano, os custos de manutenção aumentam e devem ser considerados no negócio.

Se você não pode comprar um carro zero, compre um usado em boas condições materiais e financeiras: prestações que cabem no seu bolso e prazo máximo de 36 vezes, considerando também o custo de manter um veículo, e a manutenção dele.

Ja tive carros usados muito bons, tive o cuidado de comprá-los em lojas bem afamadas, no dia que inventar de comprar algum, vá com alguém que entenda de carro.

São dicas, quem sabe dia desses você não as use né?

Quase Trinta disse...

Eita lindo o texto...
Eu não me dou nem com minhas própria guerra interior...
Qt mais essas complexas, guerra em nome de Deus??? por um pedaço de terra????
Prefiro pensar na paz, sentir a paz...

bjs

caurosa disse...

Olá querida Paula Barros, a paz é a solução. Precisamos plantar no coração de todos os seres deste planeta a semente da paz. Que bom sentir que não estou só.
Muita paz e harmonia para você.

Forte abraço

caurosa

~ Marina ~ disse...

Certíssima, querida Paula!

Por mais que tenhamos a impressão de que remamos contra a maré, mas antes isto, que se juntar à maioria desgarrada de si mesma, do referencial maior de paz e equilíbrio.


* Beijos!

* Adorei esta imagem!

* Lília * disse...

Paula, estou contigo!

Que plantemos, cultivemos e colhamos a paz!

* Beijos!

* Gostei muito desta foto, e estou cultivando um jardim, dá uma passadinha lá!

Bill Stein Husenbar disse...

Longe vai o dia em que a paz reinará na Terra. (dificil missão já que isso nunca aconteceu!)

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

Helena Paixão disse...

Pois é... é por o ser humano tão facilmente, no dia a dia, entrar em pequenas "guerras" com os outros e consigo mesmo que a Paz parece ser um bem tão inatingível.

Fala-se demais na guerra quando se deveria falar em Paz pois é falando do positivo que se atrái mais positivismo. Já a Madre Teresa de Calcutá seguia essa premissa, ela dizia que se a convidassem para participar numa manifestação contra a guerra, ela não iria. Mas se a convidassem para participar numa manifestação a favor da Paz, assim sim, que contassem com ela.

Um abraço de Luz!

Dri disse...

Já disse e torno a repetir, minha cabeça e meu coração simplesmente não conseguem entender nenhum tipo de guerra. Lindo post.

Ruberto Palazo disse...

Dizem que uma nao existe sem a outra, que paz nao teria o minimo sentido sem a guerra diárias que travamos contra a preconceito, a cor, a raça, os pensamentos indesejáveis, a solidão, o desprezo, a loucura, a paz. Já pensou nisso? Que travamos uma guerra em busca da paz, essa nao é talvez uma das expressoes mais antagonicas que voce já ouviu? Pois me soou assim enquanto lia seu texto, guerras para conquistar a paz... mas será que sabemos o que é paz? será que existe um significa para a paz mundial?

Beijos

Espelho disse...

Cada gesto teu por muito amor que possua, aos olhos de outros pode ser avaliado de várias formas...

Depende do coração de cada um, por que em nada somos iguais.

Beijo

Rodolfo de Sá Cavalcanti disse...

Ah! Paula, É admirável quem tem a virtude da paciencia, pre-requisito para se obter a paz!!!

abs

tossan disse...

Paula isso tudo faz parte, não adianta é tudo uma prova são exercícios para o combate pra valer que a gente ainda não sabe qual é, aonde vai ser e o que é. Bj

Sol da meia noite disse...

A vida é tão curta, minha querida...
E mesmo assim gasta-se em guerrilhas e guerras.

Ouvir falar de guerras e seus devastadores efeitos é tão banal, que já nem se pára para reflectir. Já todos nós nascemos e fomos crescendo ouvindo falar de guerra.

As guerrilhas do quotidiano alastram... por menos de nada estamos em guerra uns com os outros e com nós mesmos.

Precisamos parar, analisar.
Reescrever o tempo e a vida.
Precisamos entronizar a paz em nós e em nosso redor.


Um abracinho te deixo...
:-)

Jardineiro de Plantão disse...

Ao ler o titulo... me veio imediatamente o pensamento "mas que sabe ela de guerras"... depois de ler o texto... novo pensamento "Guerra e Paz" de "Leon Tolstói"... mas como diz um brasileiro "caí na real" se ordenaram os desconexa-dos neurónios na orientação da latitude e longitude do escrito... quem nem a guerra entre "Yin Yang" esse símbolo taonista representativo das forças que nos regem...

A Guerra interior que diáriamente temos... ou a exterior com tudo os que no rodeia...

Paulinha, já não me surpreende as prospectivas elevadas, que colocada nos seus pensamento, tal é a indicação que coloca nos seus texto... Muito bom mesmo.

Abraço redobrado de carinhosa amizade