quarta-feira, 4 de março de 2009

Vendo teus olhos naquela manhã sorridente, tive medo. Medo de me deixar encantar e passar a escutar um canto que tocasse o meu corpo. Debrucei-me sobre o próprio corpo, tampei meus olhos com lágrimas, rendi a respiração, para aprisionar o medo e deixar ele me deter. Gritava o grito dos mudos, urrava dentro de mim, pare emoção, pare.

Naquele dia, vi o quanto estava frágil. Suas palavras dengosas me embalavam. Uma voz sussurrava dentro de mim: não se deite nessa rede tecida com o amor que é para outra, esses olhos caramelados não lhe olharão isentos da dor de amor que não foi curada.
Ah, a cor dos teus olhos, não sei se é a cor que vi. Não sei se é cor de mel. Lembraram-me bombom de cevada da minha infância, com sabor de quero mais. Senti o gosto dos teus olhos na ponta da língua.

Tuas mãos acariciavam teu rosto, repetindo autocarinhos e despertando em mim, desejos. No momento não pensei em ser acariciada pelas tuas mãos fantasiadas de veludo. O meu desejo foi contornar teus olhos, os lábios, foi tatear o rosto com a delicadeza e sensibilidade dos deficientes visuais, mesmo que minhas mãos, gastas pelo tempo, não tenham a maciez e leveza das tuas.

28 comentários:

Alma Nua disse...

...Jézuizzzzzzzzzzzzzz!! rss

quanta inspiração por aqui!

Paula,
amo te ler.

viajo em tuas palavras, menina!

como diz a Mai:

escreve mais...escreve, linda?

amoooooo

Avassaladora disse...

Paula, leio e releio...
Vc contagia a gente com seus textos!
Quanto sentimento, derramados em forma de palavras...
Esse sentir é muito forte!
Sou apaixonada por tudo que vc escreve...


Mil beijos e carinhos!

Pelos caminhos da vida. disse...

Gosto da maneira como vc escreve e se expressa.

Obrigada amiga por compartilhar comigo a homenagem que estou fazendo para nós Mulheres.

Já saiu outro post la.

Um gde abraço.

beijooo.

Sol da meia noite disse...

Parece haver sempre um medo que se sobrepõe ao encanto dos momentos.
Medo que fragiliza... que sussurra medos...

Amiga, um abracinho
:-))))))

Maria disse...

Leio as tuas palavras uma e outra vez e fico sem jeito para comentar a doçura e sensibilidade com que escreves. O "bombom de cevada com sabor de quero mais" é uma expressão deliciosa. Como é "sentir o gosto dos olhos na ponta da língua". é uma pérola de sensualidade...
Obrigada, Paula.

Beijo

Café da Madrugada® Lipp & Van. disse...

E as fantasias
permanecem fortes, na nossa mente!

Bandys disse...

Paula,
Voce escreve com o sentir de uma menina,mulher...
beijos

Uma voz sussurrava dentro de mim: não se deite nessa rede tecida com o amor que é para outra, esses olhos caramelados não lhe olharão isentos da dor de amor que não foi curada.

Olavo disse...

Mesmo que minhas mãos, gastas pelo tempo, não tenham a maciez e leveza das tuas..
Quanta inspiraçãominha cara amiga..lindo texto..
Não esqueçade pegar seu selo lá no blog..
Beijão

Daniel Savio disse...

Interessante o texto, mas é uma poesia de tua autoria, ou relato de um fato real?

Hua, kkk, ha, ha, spo apenas curioso (demais).

Fique com Deus, menina Paula.
Um abraço.

•.¸¸.ஐBruneLLa França disse...

O texto está perfeito.
"Senti o gosto dos teus olhos na ponta da língua." ABSOLUTAMENTE FANTÁSTICO!!!
Beijos e borboleteios

Maria Dias disse...

...As vezes estamos prontos, mas o outro ainda não.Aí mora o perigo,as portas nos sao abertas desesperadamente abertas,a cama é feita com capricho,a mesa é posta com cuidado,apenas pq o outro precisa se curar,se cuidar,se acarinhar(precisa de colo!). Mas e depois quando sua tempestade passar?
Nesta hora cabe a nós pesar e analisar(será q vale a pena?),mas o danado do coração pensa e pesa?
Talvez já tenha esperado tanto...

Beijos!

Menina do Rio disse...

A maciez das mãos vem de dentro da alma...Texto de beleza sem par.

Um beijo pra ti

Déia Arakaki disse...

Bom dia Paula !!

Ai ai quanta inspiração em menina?
Seus textos sempre tem um gosto de quero mais!!
Parabens

bjs

Nanda Assis disse...

suas palavras estão muito sentidas, e é exatamente isso que gosto em vc, a verdade que transpassa nos versos. fiquei com vontade de experimentar bombom de cevada!!!

bjosss...

Simples Assim... disse...

"...mesmo que minhas mãos, gastas pelo tempo, não tenham a maciez e leveza das tuas."

Me fez lembrar uma música da Dolores Duran da qual eu gosto muito, desde criança. Chama "A noite do meu bem". Ela tem uma tom de melancolia sem cair na pieguice melodramática. Assim como vc faz nos seus textos. É uma certa tristeza natural de quem realmente vive, de quem se arrisca, se oferece e, consequentemente, também sofre. Mas de quem entende que o sofrimento faz parte da vida, mas não é a vida.

P.S.: Só não me pergunte como uma criança gosta de uma música com uma letra dessas... rs... rs

Everson Russo disse...

Uau a inspiração tá fulminante, quando a gente olha fixamente o olhar de alguem, corre serio risco de não só se apaixonar, como tambem de criar ali um vicio insustentavel, por mais fortes que somos, ou que queremos ser, ou que tentamos transparecer, somos nada, a gente cai em qualquer armadilha de amor, depois fica lembrança. saudade, aquela dorzinha, aquele perfume que nem existe mais e que nao sai da nossa mente...eu tenho muito medo disso...rs..rs..rs...definitivamente não to preparado....seu poema me fez refletir no longe ano de 1992, ou melhor, eu me vi dentro dele e me vi novamente em 1992....ufa...to em outra estação....beijos de paz, carinho e poesia...linda tarde pra ti..

Amarísio Araújo disse...

Paula,

É sempre uma emoção ler você.Nas suas palavras encontramos nossos sentidos.Nos seus versos sentidos de hoje(e de sempre),você vai recolhendo e distribuindo carícias e afagos,com um querer que é sempre urgente e ao mesmo tempo manso e sereno.
Das suas mãos macias,as palavras que nos guiam até o âmago do seu coração.

Uma linda tarde pra você.
Beijos carinhosos.

Tatiana disse...

hummmm que lindo!
As vezes ouvimos uma voz no interior da gente e não a levamos em considerção...pois o pulsar do coração é mais forte!

E faz nascer palavras belas como as que você escreveu!

Beijos

Marcelo disse...

esses olhos caramelados não lhe olharão isentos da dor de amor que não foi curada.

Sei do que fala, e entendo como isso pode mesmo ser assustador.
Mas como curar um amor sem outro grande amor?

Pena disse...

As suas mãos macias e lindas mereciam tocar os rostos de qualquer ser divino pelo encanto e ternura como concebeu este lindo texto em prosa que mais parece poético.
De uma pureza e beleza imensas.
Fantástico. Lindo. Perfeito.
É um Ser Humano sensível e admirável.
Bem-Haja pela doçura que nos transmite...
Beijinhos de respeito e estima gigantescos...
Sempre agradecido pela sua preciosa amizade...admiro-a...!

pena

Paulo Palavra disse...

"Gritava o grito dos mudos"
Adorei essa metáfora. Posso usá-la tb??

poetaeusou . . . disse...

*
sublime texto,
profundo, meditativo,
intenso como as marés,
,
parabens,
,
conchinhas deixo,
,
*

Cadinho RoCo disse...

Na delicadeza do sentir as sensações perambulam em discursos macios e reveladores de singular sensibilidade.
Cadinho RoCo

Mai disse...

Oi, amiga...

Uma ternura, candura...Um cuidar de si. Aconchegar-se na lembrança do outro e deitar em si um carinho que se perdeu mas não foi esquecido...

Um fruto maduro está esse texto.
Palavras e sentimentos...
Nãohá mais 'pensamentos, devaneios e fotos'...

Aqui há pensamentos, palavras e fotos...
Lindo, Paula.
Escreve muito mais, vai... Escreve, escreve...

Carinho, sempre.

Mai

Ademerson Novais disse...

Escrever é ter nas mãos uma responsabilidade quase divina, é dividir com outro seus sentimentos, segredos, na escrita somos o queremos ser, tudo...
Contamos mentiras, verdades, confissoes...
Vc escreve e nos encanta, nos faz parar por um minuto na linha final e esperar ansioso por ela...

Adorei os textos...
Parabens....
Espero que um dia visite meu blog

Ademerson Novais

Café da Madrugada® Lipp & Van. disse...

Oiii Paula,tudo bom?
bha,curti esse seu blog,não tinha visitado ainda,bem aconchegante,leve...
"bem bom"
bha,o texto é meu sim,escrevi ano passado e postei no meu antigo fotolog.
mas era isso
bjão e se cuida


Lipp

De vez em qdo venho aqui!! disse...

gostei da parte dos olhos caramelados...bombom de cevada..ai me senti agora,pois meus olhos eram bem caramelos qdo menina,hj ainda sao,só q mais escuros,pena q sao peqnos...kkkk

esse seu texto realmente ,faz bater uma nostalgia...maravilhoso...
vc é divina!!bjs e ótima sexta Paula!!

lane

O Sibarita disse...

Que mulher é esa meu Deus! Movida a paixão aflorante da pele! kkkkk

Moça, esse texto é tão porreta!

-E ai?
-Ai o que?
-O texto!
-É. Ela sensível...
-Hummm...
-Bom demais, eu...
-Eu, o que?
-Sabe tô todo dengoso...
-Dengoso? Oxente, é para você? kkkk
-Não sei se é! Mas...
ô véio, você não ta vendo que é muita areia para sua caçamba não, é? kkkkkkkkk
-Seraá!
-Tem espelho não? Se olhe meu rapá!
-Ai meu Deus! Eu vou é embora...
-É cada uma! kkkkkk E ai moça? kkkkkkkkkk

bjs
O Sibarita