quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Caminho das Ondas II

Arraial do Cabo - RJ - set/09

Gotículas de ternura
Em abundância
Tornam-se ondas
Que preenchem fendas nas rochas
Criam passagens
De águas e sóis

São tantos anseios desse mar
Algas desfilam pelo corpo, pela mente
Massageando e provocando energia

Arrepios salgados
De beijos ondas
Inundam mares
Quebrando arrecifes
Deslocando placas de emoção
Descobrindo pérolas nas profundezas
Encobertas em conchas bordadas de sentimentos

13 comentários:

Memória de Elefante disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria disse...

Nem sei o que te dizer desta foto. Parece a 'minha' ilha...

O teu poema é lindo. Apetece mergulhar nas águas e buscar as pérolas na profundidade deste azul.

Um beijo, Paula

Leo Mandoki, Jr. disse...

a foto é bonita
......
o desaparecimento de pessoas segue um padrão normal: qnd sao crianças, é por motivo sexual ou tráfico para a industria do sexo. Geralmente acaba em morte ou desaparecimento por longos anos.
No caso desse rapaz de 20 anos, o que é mais comum são os casos de desaparecimento voluntário associado a casos de namoros.
Mas vou realmente pensar q tdo vai acabar bem para a sua amiga: um filho é um filho.

beijocas

(Carlos Soares) disse...

Acho que não são gotículas. É um dilúvio guardado no peito,que quando solta vem arrastando tudo.Lindo poema.Beijos

.Lis disse...

" São tantos anseios desse mar" , todos desfilando por aqui também. Linda poesia , maravihosa Arraial do Cabo .
Pena vir acompanhada de tão preocupante notícia.Já passei na Evelize pra comungar da mesma vontade de que tudo volte a normalidade e que o filhote reapareça feliz.
Abraços pra voce

Everson Russo disse...

Queria encontrar com essa serenidade, deitar me sob essas goticulas, e ficar flutuando nas ondas calmas desse mar, sendo tocado pelo sol, pela lua, sem pressa pra seguir, sem pressa pra sonhar, mas sinto o tempo escasso, e a pressa se faz presente, queria outra vez sentir a serenidade do amor, de onde ele vem, sem saber pra onde ele vai, sem noção e sem razão, muitos beijos e um dia de paz pra ti.

Daniel Hiver disse...

Paula:
Vim passear meus olhos de olhares atentos em tuas poesias... Preciso admitir que fui respingado pelas: "Gotículas de ternura que há aqui em abundância... e que, ao assumirem a forma de ondas... preenchem as fendas nas rochas de alguns pensamentos...
Um bom final de semana!

Allyne Alves disse...

Gente, que lugar lindo. Eu quero! rs...

beijos, querida!

myra disse...

Paula, teu poema é simplemente lindo, e imagem da vontade de estar ali!
beijos

Ava disse...

Paulinha querida...

Esse seu poema dá vontade de fazer dele um manto e me cobrir com ele...

Estranho né? Mas te juro que é o meu sentimento nesse momento que te leio...


Querida... A vida não é fácil... Sabemos disso... Podemos até tentar ser uma super mulher... mas que vez por outra perdemos nossos super poderes, ah, isso perdemos...rs


A gente sempre dá a volta por cima...


Não tens ideia do quanto me faz bem o teu carinho...



Beijos no coração....


PS: Querida, junta-se a milhôes de problemas, a falta de tempo, até para curtir e visitar os amigos aqui na blogosfera...
O mundo real está me engolindo...rs

Ric Dexter disse...

Com a imagem unida a esse poema, dá vontade de ir correndo pra esse lugar.

Beijo.

Jardineiro de Plantão disse...

Esse seu "Mar" brotando as mais escondidas emoções... é infinito.

Uma vez mais, nos traz a sua sensibilidade e como lida com a ternura das suas ondas em seus anseios.

Beijo fraterno
Carlos

O Sibarita disse...

É são tantos anseios que o mar, as estrelas, as luas, as brisas de Jauá morrem na procura dos beijos! kkkkkkkkkk

Ô fia tá porreta sua peosia, vc ta danadinha!

bjs
O Sibarita