terça-feira, 13 de outubro de 2009




Sentir....
A impressão das digitais das minhas mãos se desmanchando
Por não poder tocar as tuas
Nas articulações dos dedos
A dor desarticulada da tua ausência


Sofre...
A palma da mão nua
Vazia, sem a pele tua
Com a impressão que o mundo se desfez
Num estalar de dedos


Corre....
Nas veias o sangue frio
Das distâncias que nos separam
Ligando pontes num coração vazio


És....
Um arrepio constante
Nas colunas que sustentam o ser


Gosto....
Quando sopras o teu olhar aguçado
Que me penetra pelo baixo ventre
E me eleva as alturas
Em rodopios da mente







23 comentários:

Blue disse...

Que bom voltar e sentir que a Poetisa Andarilha está de volta!

Sentindo, sofrendo, correndo, sendo e gostando.... de escrever.

Continue!

Beijos

João Olavo-Traços de um homem disse...

Lindo poema..muito lindo..vc esta boa nisso...
A foto é na praça Maua?parece..tenho quase certeza rs
Beijão

Vivian disse...

...quanta inspiração, my God!

gosto daqui porque me
ancanta...

beijo, linda!

Ana Lu disse...

Ai que perfeito Paula, muita inspiração mesmo!
*_*
Tem selinho pra vc lá no blog viu?
Beijos

LOURO disse...

Querida amiga Paula,

lindo poema!!!

És...
Um arrepio constante
Nas colunas que sustentam o ser

simplesmente belo!!!

Beijinhos de carinho e amizade,

Lourenço

Deusa Odoyá disse...

Olá Paulinha.
Um lindo e saudoso poema.
A saudade, sempre será eterna em nossos corações.
Minha linda amiga Paulinha, deixo aqui meus agradecimentos por suas visitas ao meu cantinho.
Amor verdadeiro é aquele que o vento não leva, e a distância não separa.
Beijinhos doces, e uma semana de muita paz, amor e luz.
Regina coeli.

Tatiana disse...

Palavras sentidas!
Gosto muito da sua forma de expressar em poemas.
Um beijo carinhoso e com saudades!

Franzé Oliveira disse...

Bela poetisa esta me saindo, né?
Tem a quem puxar.

Bjos menina Paula.

Luiz Caio disse...

Oi Paula!

O mudo nunca se desfaz!
Nós é que às vezes, desanimamos da luta! E também os corações, penso eu, nunca estarão vazios... Haverá sempre, nos corações, em algum lugar, ainda que bem escondidinho, um amor a ser descoberto!

TENHA UMA LINDA TARDE!

Beijos

Memória de Elefante disse...

Talvez seja sempre importante fazer uma cisão entre o poeta(= escritor) e sua obra literária.
Nem sempre o que ele escreve é o que vive.
Quanto ao teu poema, é Bonito, a ausência a que te referes foi abraçada por ti.!
Muito me alegra que os poemas que escolho te inspiram!

Abraço e uma Boa Tarde!

Akhen disse...

Paula

Como é lindo quando se diz a nós próprios os nossos desejos, os nossos sentimentos e a falta que sentimos de que tudo o que estamos a contar não seja realidade naquele momento. É tudo isso que está expresso no poema.
Contamos para nós, ou passado, ou esperança de futuro e muito poucas vezes quando se vive o momento.

Paz e Luz no seu caminho

Jardineiro de Plantão disse...

Se vê a veia da poetisa, sobressaindo, numa intensidade quase vulcânica, mas com uma sensibilidade bem própria da fogosidade que a acompanha.

Sentir....
A impressão das digitais das minhas mãos se desmanchando.
....
Sofre...
A palma da mão nua
Vazia, sem a pele tua
....
Corre....
Nas veias o sangue frio
....
És....
Um arrepio constante
....
Gosto....
Quando sopras o teu olhar aguçado
Que me penetra pelo baixo ventre

Estupendo imaginário.

Beijo,Carlos

Francisco disse...

Sentir...Sofrer...Correr...Ser...Gostar!!
Precisa mais??
Tudo bem...! Então, um Beijãozão!! rsrsrsrs

Memória de Elefante disse...

O poema é inédito,Paula!
Corrigi,agradeço por me assessorar, valeu!

Beijo...

Boa Noite...

@philipsouza disse...

Nosss parece o que vivemos e estão conosco diariamente ne.....

Bjao e otima quarta....

Sonia Schmorantz disse...

Poema bem inspirado, muito bonito!
Um abraço

myra disse...

o poema é uma beleza, voce é outra:)
beijos,

(Carlos Soares) disse...

Nossa,Paula. Muito bom. Parabéns. Lindo memso.beijos

Everson Russo disse...

Esse sentir, esse sofrer de saudade, de ausencia, de vontade, um dia eu consigo decifrar o que seria um grande amor,,,como seria esse toque da pele que tanto se ausenta...beijos querida e um lindo dia pra voce.

Memória de Elefante disse...

Passei para deixar um beijo e ótimo dia...


Reli este belo poema....

Zek disse...

Só quem ja sentiu o arrepio de um toque posse sofrer com a ausencia dele ...

Lindas palavras, tristes também, me fizeram lembrar de um tempo em que um toque deixou exatamente esta marca.

Lindissimo

Bjs Paulinha.

Daniel Hiver disse...

Gosto dessa coisa das digitais se desmanchando... da palma da mão nua
e vazia... das distâncias que separam as pessoas e ligam pontes num coração vazio... das sensações que penetram pelo baixo ventre
e nos elevam às alturas em rodopios da mente...
Gosto realmente dessas frases. São bastante expressivas. Um belíssimo poema.

O Sibarita disse...

Realmente até hoje não senti a sua mãos nas minhas e ai? kkkkkkkkk

Oi vou enviar via sedez as minhas para vc toca-las, viu? Oi que emocionante? kkkkkkkkk

bjs
O Sibarita