quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

 


Os mistérios do amor são sempre muitos
O amor faz badalar os sinos do coração
Traz  novos ventos ao tempo.

 

17 comentários:

Gilson disse...

Paulinha

Correu bem, mais ainda tem a chance de uma microcirurgia, mas como confio demais em Deus, o remédio vai fazer a parte dele.

Obrigado de novo

Elcio Tuiribepi disse...

Bom dia Paula...ah..esse tal de amor, quem falava e escrevia muito sobre isso era o Vinicius, também pudera, se não me engano nove casamentos...rs
Tenho um DVD sobre a vida dele muito interessante, mostra situações cotidianas que foram filmadas assim no aconchego do apartamento em meio a muita música e ragado a uísques e cervejas. Bate papos com os filhos e ele já meio inteiramente zuado falando sobre a vida, muito engraçado, mas para família a visão era diferente, esses detalhes é que acho interessante numa hist´´oria assim, os dois lados da coisa, a visão dos fãs e a da família na época dos acontecimentos e hoje em dia, como tudo de certa forma muda...
Ele sabia fazer badalar os próprios sinos, tanto que caia da torre abraçado neles...rsrs
Um abraço na alma...bjo

Olavo disse...

Era para ser simples..ama e pronto..
mas é complicado e ate demais.
Amor é o assunto sempre mais falado pq não acredito que um ser viva sem o coração bater a mil por alguém.
Beijos

myra disse...

mais uam beleza de palavras e foto!
beijos minha querida paula!!!!

Karl d'Jo Menestrel disse...

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Luís de Camões

Abraços Fraternos

Dauri Batisti disse...

Você fala sempre com intensidade. É sempre visceral o que você escreve. A ficção e a realidade tão unidas que tudo parece real. Mas sei, que por mais forte que seja o real, as palavras acabam por infiltrar a ficção dos sonhos no que se escreve.

Beijo.

Everson Russo disse...

Xiiiii, faz tanto tempo que nao badalam por mim os sinos, já nem sei qual o tom,,,,beijos querida e um lindo dia pra ti.

Memória de Elefante disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

E é um badalar muito gostoso, amiga. beijos

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

Paula, acho que é bem assim mesmo.
Estamos ali, quietos, curtindo (ou não) o silencio...e o sino do amor toca, nos acordando pra uma nova etapa da vida!

Beijo

=)

Maria disse...

Os mistérios do amor são sempre muitos, e ainda bem, Paula!

:))

Beijo meu

Paulo Palavra disse...

blém blém blém blém!!

Mai disse...

Estes sinos eu conheço, amiga.
Eles tocam, badalam, azucrinam a cabeça e atordoam os corações.

Beijos, Paula.

Daniel Hiver disse...

Depois dos últimos poemas onde os teus "silêncios" estavam no centro da paisagem, agora encontro aqui o melodioso badalar de sinos anunciando o amor e as horas... dizendo que o tempo continua, e que não podemos nos atrever a parar.

O Sibarita disse...

Fia, é verdade... Se badala o coração treme e ai? kkkkkkkk

Beleza!

O Sibarita

Daniel Savio disse...

Mas sendo que seja um mistério, o amor sempre nos faz bem (é claro que quando correspondido)...

Fique com Deus, menina Paula.
Um abraço.

Juliane S. Rocha disse...

Gostaria que o amor
pudesse parar o tempo.
Beijos