sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

série Andarilha




Acordo. De mim, da vida, do sono. Me espreguiço, corpo e mente. Penso poder só abrir a janela e olhar. Penso ter controle do tempo e de mim. Penso que abrir a janela é mais um fato corriqueiro, um fato do dia. Mas não é. Abrir a janela, aquela janela, naquela hora do dia, me mostra o quanto não tenho controle de mim. O quanto a beleza me intriga e me chama. O mistério me faz ver horizontes e ouvir pássaros, onde apenas tem....onde apenas tem....uma história.

O resto é a mente que me apronta rodopios, é a fala de alguém dentro de mim que se mostra quando eu tento me esconder, é a janela aberta, as mãos vazias, e a emoção desnudando a alma. Que alma é essa que dança nua ao abrir a janela e olhar....e olhar....aquele conjunto de palavras que dançam a dança do ventre no palco. O palco está ali, aquelas palavras dançam para todos, rebolam tão leve, sapateam a emoção, a minha alma nua não se controla e dança também, me deixando quase sem controle de mim.

Precioso fechar a janela às pressas. Preciso sair. Ás vezes é melhor nem se despedir, nem sorrir dando adeus. Outras vezes a alma já nua, já no comando de mim, se despede. Corro, corro....fujo, para recompor a alma, para vesti-la de mim, da dona razão, da máscara de sensata. E vou....mas levo comigo o encanto, o rebolado das palavras mágicas, que passam o dia atiçando em mim o meu vão, o meu vazio tão cheio.....


(Fotos tiradas nos dias de carnaval, o texto é antigo)

Estou super atrasada nas leituras do blog, pretendo colocar em dia em breve.


28 comentários:

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Legais as fotos,Paula. Bem, de fato abrir a janela de manhã é muito mais que um simples ato.É dia novo que começa.Primeira coisa que faço quando me levanto é olhar pela janela.Acho lindo fazer isso.Beijos

myra disse...

super fotos, e o texto mesmo se antigo é OTIMO!!!!!
enormes beijos, minha querida Paula, sabe coloquei no "nosso" blog, um poema do livro EU VI..se quiser ver...e se for no Parole, tbem :))))

Jardineiro de Plantão disse...

Que no seu descanso, não encontre vazios, mas cheios de alegria para viver.

Abraços

Memória de Elefante disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcelo Mayer disse...

com uma janela dessas... para que eu precisaria fugir?

Maria Dias disse...

Paula,

Tudo o q tenho a dizer é q vc dança muito bem com as palavras.E tb aprovo em cem por cento os teus questionamentos ao lado.Faltou escrever ao lado sobre aquelas pessoas q aparecem no nosso blog uma ou duas vezes para nos levar a conhecer seus blogs e depois q vamos aos deles eles nao mais voltam aos nossos.Ser blogueiro é trocar...Se enriquecer com o q o outro tem a dizer e mostrar!Nestes dois anos de Avesso aprendi bastante com estas trocas!

P.s.Imagens lindas estas!

Beijos

Memória de Elefante disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dauri Batisti disse...

É interessante o caminho que você faz como essa "andarilha". Transitas os caminhos mais longos, estes que se estabelecem entre o eu e o eu.

O texto está muito bonito, parabéns.

Beijo

Vieira Calado disse...

É preciso dar tempo ao tempo!

Quando tivê-lo logo volta aos comentários.

Por mim... sei esperar...

Bjs

Xanele disse...

Palavras dançam para todos, rebolam tão leve, sapateam a emoção, a minha alma nua não se controla e dança também.

Adorei seu post
bjsss Xan

Pedro disse...

Mas sensatez demais também é loucura.

AFRÂNIO disse...

paula...adorei seus devaneios... até usei uma foto sua num devaneio meu...
meu msn:
afranioafra@hotmail.com
meu blog:
http://afraniocarvalhopintopoesiasecontos.blogspot.com/
bjs

Anônimo disse...

olá poeta
as palavras não dançam para todos, dançam para uma única pessoa.
até

Ana Lu disse...

Sabe que eu n tenho esse costume.. de olhar pela janela logo de manha.. Mas agora na casa nova, eu geralmente olho pra ela.. Parece bom mesmo,
=]
Beijoss

Eurico disse...

Que lindo texto!
Abra as janelas da tua alma, amiga!
E permita que nós leiamos essa prosa, prenhe de poesia!

Uelton Gomes disse...

Poeta e Fotografica, misturas pra lá te interessante.

Abraços

A.S. disse...

Paula... ainda que vás com pressa, não te esqueças das palavras mágicas! É nelas que vive a emoção que despertam todos os sentidos...


Beijos!
AL

Le Vautour disse...

Nossa, este texto é de dar água na boca. Li umas 3 vezes, imaginando. Acordar de mim, abrir a janela (e aí pensei: onde dá essa janela?)... um palco, imagem-história, pressa, rebolado, sapateado, autocontrole. E você me fez lembrar que nós somos os ilustres desconhecidos de nós mesmos. Nossas janelas e portas, quando se abrem, abrem-se apenas um tantinho, depois se fecham, e...
Ah, quanta beleza vejo aqui!
Abre a janela mais vezes?
Abraços de duas asas!

Mai disse...

Gosto dos seus flagrantes
Captar esses pássaros é façanha de bons observadores.

Fico imaginando seus diálogos e, de si para si, deves ser bem exigente, ou não?
Você faz poema e filosofia.
Abraços, amiga.

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

Queria abrir a janela e fechá-la quando me aprouvesse...
Mas acho que a minha tem vontade própria.
Beijo

Daniel Savio disse...

Em primeiro, obrigado pelo texto da Andarilha.

Mas deveriamos ser assim, nus de nossas máscaras em frente da felicidade.

Fique com Deus, menina Paula Barros.
Um abraço.

HSLO disse...

Gostei da fotografia...


abraços

Hugo

DE VEZ EM QDO VENHO AQUI disse...

abrir a janela a cada dia é como observarmos a nossa alma, os outros, os comportamentos, buscar a compreensão espiritual, buscar o foco de nós mesmos, pois a cada dia, vemos com olhos renovados na esperança de que vale a pena viver, mas olhando o lado positivo da vida, esquecendo as parte ruins, buscando para nossa alma, energias boas...esse é o sentido da vida...adoreiii tudo isso, fotos maravilhosas, parabéns Paula, ainda vou comprar uma maquina boa pra mim, o nordeste é demais...sou suspeita,kkkk
bj na sua alma linda e bom fim de semana!!!

DE VEZ EM QDO VENHO AQUI disse...

amo Alceu Valença, entao menina, o povo do sul, na gde maioria nao sabem q aí tem sinagoga,kkk, muitos nao sabem q há os nordestinos netos, bisnetos de árabes, portugueses, etc, pensam q todos sao descendentes dos colonizadores de 500 anos atrás q se misturaram com os indios e foi onde muitos perderam sua identidade, se dizem apenas, ah sou descendente de pernambucano, de alagoano...fico p...da cara com isso, as pessoas deveriam saber mais do seu passado,valorizo muito as raizes,(minha familia tem até livros,contando desde portugal,espanha, etc) mas devemos saber de onde viemos e muitos nao o sabem...o povo daqui acha que "só os sulistas "tem origem",kkk, eita falta de informação...
seu blog é maravilhoso,mostra muito a cultura desse povo lindo, vc poderia nos presentear com mais cultura ainda...o q achas???o Brasil precisa de pessoas como vc!!bjjj

walter disse...

Paula,
Que texto lindo, quanta sensibilidade, tantos os caminhos percorridos de uma vida num só dia num simples abrir de uma janela...

De certa forma me revi nesta tua janela...

Amei
um beijo

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Paula...é o que costumo dizer e pensar sobre as palavras aqui no blog, elas ganham vida...e saem por aí absorvendo impressões das mais variadas possíveis, desnudando almas...
Acabei de ler o Dauri e como sempre o inicio do conto dele me passa a impressão de um poema e não uma história...não sei se é coisa minha, particular na forma de ver e consentir o significado que as palavras dão aos meus sentimentos...
De qualquer forma este interagir é que rege a blogosfera...nos fazendo imaginar e viajar dentro e através de nós mesmos...
Um abraço na alma...bom fim de semana...bjo

Everson Russo disse...

Mutas vezes despedidas não são boas, melhor sair à francesa,,,,nessa vida o melhor dos voos que podemos dar é como se fosse o amor,,,sem a menor noção que o infinito é o limite a ser alcançado....beijos,,,,lindo domingo e uma semana cheia de carinho e paz....

BANDEIRAS disse...

Oi Paula,
Não gosto de despedidas. Nessas horas , me torno a mais tímida das pessoas, tvz pq despedir é sempre uma certeza de que tudo aquilo passou e não volta mais.

Bjs amiga.