sexta-feira, 18 de junho de 2010













Ela e ele

Ela vivia naquela casa, rodeada de todos os mimos, com vários bichinhos de plásticos coloridos. Os adultos davam carinho, ela até esnobava. As crianças, eram suas crianças, ela brincava, dava seus bonequinhos de plásticos coloridos para jogarem de volta a ela.

Ele chegou. Foi achado na rua. Atropelado. Nem latia. Trauma ou sequela do acidente? Chegou magrinho, as costelas aparecendo, andando de banda, a batida tinha tirado ele de eixo. Massagem, remédios, médico, atenção e muito carinho. Ele foi engordando, criando vida. Ensaiou alguns latidos, ainda afônico, desafinado. Mesmo doentinho, o rabo enorme, nunca deixou de balançar.

Foi conquistando a todos. Adultos e crianças. Ela toda desconfiada foi ficando arisca. Até os animais tem ciúmes. Mas dizem que são irracionais.

Ele foi ganhando espaço com o seu jeito malandro. Doentinho e dengoso, mas diria sorridente. Sim o rabo sorria para todos, indiscriminadamente. Com tanto carinho, cuidados e o tempo, já latia, já delimitava espaço. Conquistou os corações.

Luiza, uma menina de 5 anos ao vê-lo apaixonou-se. É tão fofinho. É tão lindo. Ele é um amor. Quero ele para mim. Dizia ela com a voz de criança, ainda mais infantilizada pela ternura e o carinho que escorriam das suas palavras. Perguntada porque ela gostou tanto dele, ela dizia, ele é bonzinho, ele é carinhoso, ele deixa eu fazer carinho nele.

Também entre os animais existe ciúmes. Existe a disputa de espaço. Existe aqueles que sabem conquistar espaço e os que perdem espaço, pela forma carinhosa de ser ou por atitudes ariscas.

(Uma história real, contada pelo meu ponto e vista. Os animais não são meus)

16 comentários:

Ana Lu disse...

Nossa, com certeza existe isso! Minha cachorrinha e a irmã dela, que não é minha, sempre que se encontram brincam juntas, mas se algum.. digamos.. ser humano se aproxima de uma delas.. Ixi...
Tem sempre que tomar cuidado para dar a mesma atenção pras 2, senão tem briga!
Bjos Paula!

Nanda Assis disse...

ai que fofura essa históriaaa!!! adorei.

beijus...

myra disse...

minha querida paula, que linda historia! eu tambem adoro cachorros, pena que agora nao tenho nem jardim nem bastante lugar para ter um outra vez...beijos

Celina disse...

OI PAULA QUERIDA, QUE HISTORIA MAIS LINDA,VC CONTA DE UM JEITO QUE É PURA REALIDADE,ADORO CACHORROS, INFELIZMENTE, NÃO PODEMOS TELOS, POR FALTA DE ESPAÇO,ELES NÃO MERECEM FICAREM PRESOS,SEM LIBERDADE SAINDO SÓ DUAS VEZES AO DIA. POR MAIS QUE GOSTE BRINCO COM OS CACHORROS DOS OUTROS. QUANDO MORAVA EM CASA TINHA NO MÍNIMO TRES.COMO SÃO FIÉIS E NOS AMAM. UM ABRAÇO CARINHOSO CELINA

LOURO disse...

Oi paula!

História maravilhosa e muito real,
do melhor amigo do homem.

Bom fim de semana,
beijinhos de carinho e amizade,
Lourenço

Vivian disse...

...lindura de história!

tão rica e tão cheia de
realidade!

estes bixinhos nos enchem de lições
todos os dias!

bj, linda!

Anônimo disse...

Singelo!

BANDEIRAS disse...

Oi Paula,

Assim como os animais irracionais, é o ser humano.
Somos ciumentos, invejosos, pedimos carinhos de várias formas, ficamos doentes para sermos paparicados, etc,etc,etc...

Mas essa história é bela. Isso aconteceu em minha vida e minha cachorrinha está comigo há 4 anos.

Bjs

Poeta Mauro Rocha disse...

O ciúmes é natural, o exagero é que não.

Uma história muito bacana.

Tenha um ótimo fim de semana.

Bjs!

Hod disse...

Muito das vaidades humanas, que passam de gerações e gerações ainda ofuscam.

Já no animais por ser irracional desaparecem.

Beijo pra c. Paula.

Anônimo disse...

...ah! o bicho-homem.....

Johnny disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Johnny disse...

Olá Paula,

Bela história.

Novamente os animais nos dão uma bela lição.

Nossas conquistas ou perdas são um reflexo de nossas atitudes.

Afinal, plantar é facultativo, mas colher é obrigatório.

Bjo!

Dill' disse...

Animais ensinam animais.. cães ensinando homens, novamente.
Gostei ^^
(que dilema, hein?)

Jardineiro de Plantão disse...

Eu conheço eles....rsssss
Abraços

Daniel Savio disse...

Mas estas história que valem a pena contar =P

Fique com Deus,m neina Paula Barros.
Um abraço.