sábado, 26 de fevereiro de 2011

Palavras voam
Tem asas que tocam a alma
Tem brisa que seca os olhos que choram
Tem calor que aquece o coração
Tem a palma da mão onde senta a alma e balança e acalanta

Palavras
Provocam o adormecido
São guardadas em lugares que são quase um coração
No recanto da alma
Renascendo luz nos olhos

Palavras
São pedrinhas coloridas no fundo do riacho mente
Que não deixam dormir
São ligações imaginárias
São arco-íris escorregando no sentir

Ah, palavras, as suas, se tornaram amigas das minhas
Brincam de escorregar - entram pelos olhos e caem bem dentro de mim
E as minhas saem pulando..assim...assim...
Não são bonitas feito as suas
Mas brincando feito crianças
As suas dão as mãos as minhas

14 comentários:

Dauri Batisti disse...

Sei não... faço um esforço para entender essa sua "filosofia", mas não consigo, acho esquisito isso, penso, cada um tem que ter a própria voz, não dá para depender de outra voz. Para mim isso que você diz cheira a dependência, aquela falta de autonomia que se estabelece entre as pessoas quando há desigualdade, dominação, etc, etc. Mas, como é poema, você pode bem estar traduzindo o que muitos vivem, estas síndromes que acometem os relacionamentos.

Sonhadora disse...

Minha querida

As palavras por vezes são ternura...asas que pousam no coração essas guardamos no mais profundo de nós e há as outras que doiem...que ferem e que é preferível esquecê-las.
Adorei como sempre o que escreves.

Beijinhos com carinho
Sonhadora

mfc disse...

Com as palavras tudo se faz... até belas frases como estas que nos deixaste!

myra disse...

mais que AMEI estas tuas palavras!
cada dia voce me "manda" coisas maravilhosas e me fazum grande bem!
te adoro, minha querida Paula
beijos infinitos

Memória de Elefante disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Daniel Savio disse...

Palavras tem fragmentos de alma...

Fique com Deus, menina Paula Barros.
Um abraço.

Luan Fernando disse...

Gostei da mensagem da poesia, é super prazeroso ter alguém que nossas palavras fazem toda a diferença.

Beijos.

Ps: Notei um erro da digitação no penúltimo verso.

epee disse...

E que venha a brincadeira, no retorno à inocência das palavras, cabais, que se encontram, para formar senti-Mentos e provocar sorrisos...




¬
Bom domingo!

Osvaldo disse...

Paula querida;

Palavras, palavras, não são mais que simples sopros aos quais se adicionam sons que podem tudo alterar. Tanto despolotam um Mundo de Paz como um Mundo de Guerra.

Neste teu belo poema a "palavra" tem o condão de tudo transformar em amor, que deveria ser a finalidade de expressão para qual o homem a inventou.

Quanto ao meu blog sem comentários é apenas um momento passageiro devido a "palavras" mal formadas. Agradeço os elogios à foto da Lua, também para mim graciosa mas que eu a dedico ao meu Sertão porque em lugar nenhum o Luar tem tanta razão de ser.

bjs, Paula.
Osvaldo

Ilaine disse...

As suas palavras, Paula, são como fios de ouro, levemente entrelaçadas... feito filigranas. Beijo

pires disse...

Palavras bem ditas, enobrece a alma!Revigora o coração!!! Abracão, Paula!!

Celina disse...

Oi Paula,obrigrada pelos votos de saúde,estarei voltando em breve para ler eu mesma os blogs que sigo,por enquanto é minha filha que ler e escreve por mim.
Paz Celina

Blue disse...

Palavras amigas,
Palavras unidas,
Por letrinhas que formam,
Uma grande poesia!

Beijo

RosaMaria disse...

Palavras apenas
Palavras pequenas
Palavras momento
Palavras ao vento
Palavras apenas
Palavras que quero
Palavras que não quero


Beijos
Boa semana