domingo, 17 de abril de 2011




Achei um peixinho na praia, estava na areia, era laranja, era de plástico. Olhei ao redor, nenhuma criança, nenhum suposto dono, peguei o peixinho. Levava o peixinho com muito carinho, talvez desse a alguma criança. Não dei. Minha criança gostava de ter nas mãos um peixinho, sujo de areia, com gosto de mar. Só depois mergulhei o peixinho para tirar-lhe a areia. Levei comigo.

Enquanto andava, com o peixinho laranja nas mãos,  pensei em você, que anda a bordar figuras em meus pensamentos. Andando com os pés a tocar a areia, a chutar a água salgada do mar, e deixando as lembranças me navegarem, lembrei que não lembro de  ter visto você pintar peixinhos. Já pintou? Já vi barcos, pássaros, árvores, trens, cavalos...você cria mundos, e tem sido bem coloridos.

Então, segui com o peixinho laranja e com os pensamentos. Ele sorri. Não precisa de ar, nem do mar, precisa só de uma criança para brincar com ele. Desenha um peixinho para mim. Vou devolver o peixinho laranja para a mar, quem sabe uma criança brinque com ele feito eu brinco com com você.


Foto: Aquário de Aracaju

19 comentários:

walter disse...

Paula

O peixinho laranja é meu... devolve pra mim, sim? rsrsrs

em troca te ofereço um balde cheinho de areia das praias de Sesimbra, tá?

beijos

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

oi,Paula. É a coisa mais graciosa que você já escreveu. Lindinho. Beijos

Samaryna disse...

Paula, muitos de nós trazemos uma criança e às vezes as perdemos, quando algum objeto que achamos nos fazem recordar essa criança, nós lembramos como somo, então sentido o seu texto assim, eu mergulhei. Saudades me vieram. Deixo o meu afeto.

Sotnas disse...

Olá Paula, que tudo esteja e permaneça bem contigo!
Sem crise minha cara, como disse na primeira vez, é seu o espaço, e faz o que melhor lhe parecer, além do mais, que propósito teria estas brincadeiras se nos fosse impostas à força. Agradeço pelo carinho de suas visitas, e parabéns pelo belo texto,
já parou pra pensar que talvez a criança que perdeu o peixinho quisesse conhecer a criança que estava escondida em você, tanto que não hesitou em aparecer, limpando o peixinho e tendo lembranças feito criança, cheia de desejos!
Que você e todos ao redor sejam sempre felizes, grande abraços e até mais!

myra disse...

sabe, eu tbem gostava de colher tudo que encontrava nas praias por onde andei...guardava como tesouros...voce escreveu um texto muito conmovedor...crescemos mas continuamos a ser crianças - por dentro - e que bom!
beijos minha querida Paula

Everson Russo disse...

O pensamento ganha forma,,,ganha vida,,,ganha amor,,,quando se tem por alguem um carinho enorme,,,assim como ganhará vida o peixinho nas mãos de uma criança....que ele navegue longe,,,como longe foram os pensamentos e sentimentos que ele trouxe a areia...grande beijo de bom dia pra ti.

Andréia disse...

lindo... bem singelo e cheinho de emoção..


Um abraço e otima semana Paula

Benno disse...

oi, obrigado pela visita... ando com pouco tempo, viajando e ocupado demais... em breve eu retorno. Beijo

BRANCAMAR disse...

Tão lindooooooooo!
Me encantou teu texto, tão cheio de ternura e amor.
Paula, nem sei que dizer, fiquei com o coração cheiinho de deslumbramento.

Embora não leia comentário antes de escrever, li o Walter na entrada e me ri muito. Nosso amigo é único e agora que li Myra penso como ela, sempre há uma criança dentro de nós.

Beijinho grande para ti.
Branca

Armindo C. Alves disse...

Chega a comover-me a felicidade que algumas coisas simples e infantís despertam em mim.
É como se estivesse a ver o "seu" peixinho. O carinho com que lhe pegou e limpou a areia. Identifico quão ampla foi a sua felicidade e o simbolismo do achado.

Vou contar-lhe uma pequena historinha com a minha neta de três anos de idade, que além de orgulhoso me deixou imensamente feliz.
«« Tentava minha filha escolher a prenda adequada para o meu aniversário, o que não parecia fácil.
Foi então que minha neta, depois de pensar, disee - Mãe já sei! Damos "Gormitis", os rapazes costumam gostar. Damos ao avô, sim, mãe?»»

Fiquei feliz. Percebi a criança que ainda há em mim e o significado incalculável das coisas simples e espontâneas- outra dimensão de amor.

Os "Gormiti" estão no escritório...

Guarde o "seu peixinho.

Boa semana.
Beijos.

Armindo C. Alves disse...

Paula
Depois de comentar, li os outros comentários como afinal fez Brancamar. Que bonito verificar que em todos nós existe uma pontinha de criança e forte sensíbilidade para as coisas belas e simples.

Sonia Pallone disse...

Querida Paula, vc tem uma alma linda...toda a beleza dela está refletida aqui, nas tuas palavras...Um beijo.

Everson Russo disse...

Um imenso beijo carinhoso de bom dia pra ti amiga querida...paz e poesia sempre...

Andréia disse...

Paula!!

Passando para desejar á você e a sua familia uma Feliz Pascoa


beijos

Maria Dias disse...

A nossa criança tá sempre lá...E a qualquer momento ela desperta...Eu por exemplo quando me sinto frutrada por algo ou alguma coisa me dou doces,do tempo em q eu era menina...rs...

Beijinho

Maria

Luma Rosa disse...

Que seja lúdico enquanto dure!! (rs*) Tanto o amor quanto as brincadeiras, não são para se levar muito à sério!! Beijus,

Vivian disse...

...Paula querida,
vc brinca com o peixinho
e com as palavras de maneira
encantadora.

que linda és!

bj

tossan® disse...

Essa é a Paula que nos amamos, cheia de ternura e poesia. Beijo

Ilaine disse...

São os pequenos tesouros que encontramos em nossos caminhos - eles tem um valor magnífico. É o despertar - o símbolo - da criança que ainda esta em nós e que, na verdade, nunca devemos perder. Delicado escrito. Palavras que tocam a alma e fazem feliz quem as lê.

Paula, amiga, desejo uma abençoada Páscoa para você e sua família. Abraço, com carinho.