sábado, 1 de outubro de 2011

Série: natureza de um ser



O outono permeia o tempo
As folhas das páginas da vida
Amarelam o verde de outrora
As árvores emudecem nuas

Os galhos secos dos verões passados
Não ferem a minha alma despida
Em tuas mãos resta o cheiro da primavera
E em teus olhos os ventos de outono

Amenos ventos abraçam as minhas folhas
Sem ser rude me sopra cantos de passarinho
Será mesmo uma nova estação?
Me resguardo nas surpresas dos tempos incertos



27.09.11

8 comentários:

Memória de Elefante disse...

Não recebemos um mundo intocável fora das paredes acolhedoras ou frias da nossa casa e da nossa alma:se não o podemos deletar e criar outro, podemos dar-lhe retoques.
Assim como o ciclo da vida tão bem desenhado em tuas palavras!

Um abraço

myra disse...

estou de acordo com Memoria de Elefante,e gostei principalmente desta frase:
"E em teus olhos os ventos de outono..."
beijos minha querida Paula

Dona Sra. Urtigão disse...

eu Não me resguardo das surpresas, entro na vida e suas circunstancias de peito aberto...

mfc disse...

As estações sucedem-se para que tudo se possa repetir... menos nós!

EDER RIBEIRO disse...

Isso se chama renovação, como as estações, acontece conosco. Bjos, do ainda Lobo Mau... rsssssssssss. Boa semana de alegria.

Nanda Assis disse...

e que venham as flores e seus perfumes.

bjos...

Everson Russo disse...

O outono é bem o que nos diz a vida, reflexão, mudanças, muitas vezes até de planos e caminhos, é um trocar de folhagem, de roupagem, e a força pra reconstruir,,,recomeçar....beijos de boa semana pra ti.

Ilaine disse...

Tempos incertos... e suas tristezas. Você descreve tão bem o outono, quando diz: as árvores emudecem nuas. É lindo demais, Paula! Versos nascidos entre outonos e primaveras, as estações que marcam.

Beijo