terça-feira, 8 de novembro de 2011

série: natureza de um ser





Dança a natureza
Uma nova coreografia

Grafia simultânea
Entre dor e ternura

Pintura de paisagens
Gesticulando cores
Um novo compasso

Passos leves de afeto
Sapateados fortes de realidade

Idade, o tempo
Reflexões de uma nova natureza



texto: 01.10.11




10 comentários:

myra disse...

"Passos leves de afeto
Sapateados fortes de realidade"
claro gostei de tudo mas estas duas linhas me chamaram muita atençao, adorei...
beijosssssssssssssss

EDER RIBEIRO disse...

Entre a dor e a ternura, assim nos formamos, nos entendemos. Bjos.

Maria Dias disse...

Uma nova dança...Novos passos...Nva natureza e acho q novos tempos...

Beijinhos e ótima quarta feira!

Anônimo disse...

"Tempo", Senhor da natureza.

uma árvore e uma rosa em qualquer estação, não deixarão de ser uma arvore e uma roseira.
e nós, nos modificamos
sem modificármo-nos.

BRANCAMAR disse...

Minha querida Paula,

As mesmas frases que chamaram a atenção da Myra, foram as mesmas que ficaram em mim e que no fundo reflectem todo o texto - um tempo de reflexão sobre sentimentos contraditórios da vida, mas todos eles bons. Quando se anda entre a dor e a ternura anda-se na montanha da vida, plena de uma beleza que contém todos os sentimentos, porque a chuva também é bela e a idade tudo ameniza.

Afecto e realidade - o afecto é o ouro da vida, o mais importante, tenhas o que tiveres, sejas rico ou pobre, é ele a maior e verdadeira riqueza, mesmo na doença, porque há apesar de tudo doentes felizes e serenos e outros que não e creio que isso é uma postura interior que tem a ver com afectos e filosofias de vida.

Um grande beijo para ti, "menina filósofa".

Branca

C@urosa disse...

A dança do tempo, às vezes nos assusta, porém, tempos que nos contentar e procurar ser feliz, e que as marcas da natureza não sejam tão cruéis! Parabéns pelo poema amiga.

forte abraço

c@urosa

Armindo C. Alves disse...

Não só, mas quando no Alentejo tiro uma fotografia, você está por ali.
Talvez pela sua escrita, aquela imensidão a retrate, ou eventualmente seja o seu espírito e forma de escrever a retratar os contrastes da planície. Ou talvez ainda, que a sua visita a tenha marcado.

Dia feliz.
Beijos.

Everson Russo disse...

Uma natureza que se faz e se refaz em amor e paz...beijos querida e um belo final de semana pra ti...

p.s. ontem conheci pessoalmente o professor Sergio, ele veio aqui em BH, foi naquele mesmo shopping...lembra? rs..rs..contei pra ele do nosso papo também...

mfc disse...

A natureza tem o dom de se refazer... nós não!

Beijinhos.

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

E neste dançar,
a vida faz rodopios
com nosso espírito,
e a alegria se faz plena,
nas avenidas
do nosso olhar.


Viver é se fazer eterno
para alguém