terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Escrevi depois de ler esta frase no blog de Dauri Batisti: a poesia é ansiolítica, mas tem efeitos colaterais, certa endoidecência. Em 06.06.10.
Foto de Armindo Alves 




Se um dia você me perguntasse o que fazer com toda a loucura que brota das poesias plantadas, eu diria, planta borboletas e rega todos os dias com um pouquinho de asas coloridas, aduba com imaginação e quando for colher, ah, quando for colher, deixa voar as fantasias nos perfumes das poesias.


13 comentários:

mfc disse...

Que texto lindo saíu hoje das tuas mãos!!

Blue disse...

Sim, destas plantas poetisas,
não só nascem perfumes.
Se borboletas e beija-flores a visitam,
é sinal de que tem muito néctar!

Beijo

eder ribeiro disse...

Paula, a poesia tem esse efeito. E vc sabe como plantá-las.
Aproveito para lhe desejar um feliz Natal de paz e Luz em comunhão com os seus entes querido. Vc seu valores ao meu 2011, lhe espero em 2012 para continuarmos caminhando. Muita Luz no ano novo. Bjos.

Olhos de mel disse...

Simplesmente maravilhosa! A imaginação do poeta vai longe, cria asas e voa...
Um Natal de paz, saúde, amor, fé e esperança.
Beijos

myra disse...

estas linhas sao realmente de um grande poeta!!!!!
beijossssssssssssssssssss

Maria Dias disse...

Como diz o ditado popular: De poeta e louco todos temos um pouco...rs...
Ai q delicia seria se pudéssemos plantar borboletas...E perceber os casulos se abrindo e deixando voar lindas e coloridas borboletas(eu faria um canteiro só de pé de borboleta!).

Aproveito para te deixar um forte abraço e votos de um feliz Natal!

Maria

OceanoAzul.Sonhos disse...

Que lindas palavras querida amiga!

Venho agradecer-lhe todo o carinho deixado no meu Oceano.

Desejo-lhe um Feliz Natal e um optimo 2012.

beijinhos
oa.s

A. disse...

Da Poesia nunca brota loucura!... Há uma certa loucura nas pessoas e no desassossego que as tolhe, em certas fases que as sustém num certo limbo!... Ali flutuam, sem vontade própria e sempre dependentes da vontade dos outros e daquele espaço que não é tempo de ninguém... nem chega a ser uma definição de espaço, confinado ao ser o que se é!... Como a Natividade que É, sem contestação mas de convite sereno ao respeito!...
A Natividade é uma melodia que devia ser de Esperança, mas... porque o prazer na terra é uma realidade entregue às almas perdidas e sem vontade de atravessar a LUZ da ALMA, as notas aceleradas incendeiam as cordas e as teclas de um qualquer mediático agrupamento judeu!... Tudo carnal, tudo terreno... sem vestígios de LUZ!...


Desejo-lhe uma feliz interpretação da NATIVIDADE... e um afago carinhoso no Menino Jesus!...




Feliz Natal



Abraço

Dauri Batisti disse...

Paula,

foi legal ler a frase que escrevi. A gente esquece as coisas que disse. Obrigado.

Bom é ver essa multiplicidade de mãos na escrita dos textos aqui na net. Coisas contemporâneas.

Everson Russo disse...

Eu tenho perfeita certeza de que, se um dia todo o mundo fosse essa poesia que brota no coração, toda essa utopia que vem da alma, todo esse amor que emana dos desejos,,,,jamais haveriam guerras,,,inveja, ódio, tristezas, choros que não fossem apenas de emoção,,,enfim,,,esse mundo colorido de cor de rosa, infelizmente ainda existe apenas no coração e no oculto dos sentimentos das pessoas...beijos de bom dia pra ti.

Benno disse...

A poesia é a melhor espécie de loucura que ha, pobre daqueles que dela nao sofrem, alias, sofrem nao, se delicia, nao se trata de uma loucura de sofrer mas de morrer. eu nem mesmo sei se sou poeta, talvez nem seja, mas sei que quando componho meus versos me sinto iluminado, sinto-me uma luz que nao precisa iluminar nada, pois se basta em se iluminar. desculpa a falta de acentos, estou digitando num teclado em que nao sei ainda colocar todos acentos. beijos e feliz natal
Benno

Sotnas disse...

Olá Paula Barros, que tudo permaneça bem contigo, sempre!

Se da poesia brota loucura, prefiro viver esta loucura em toda a plenitude, que esta sanidade insana dos chamados normais! Palavras deveras verdadeiras neste teu poema Paula, e com elas torna este teu encantador espaço sempre melhor, gostei muito da imagem também, demonstrando assim a tua intensa sensibilidade nas escolhas do que compartilha com os amigos, obrigado por tudo isso e por tuas sempre gentis visitas e generosos comentários ao longo deste ano, e aproveito para revelar que no próximo ano meu desejo seja de sempre poder seguir desfrutado desta tua amizade, sem querer abusar desta virtual amizade. Desde já agradeço e desejo a você e todos ao redor um natal e um próximo ano deveras intenso e repleto de felicidade, grande abraço e até mais!

Armindo C. Alves disse...

Paula, não tenho plantado borboletas,mas tenho fotografado muitas.
Já pouco falta para saber voar, mas isso também tenho aprendido a fazer com os seus inspirados escritos.

Beijos.

Obrigado por ter escolhido uma foto minha.