segunda-feira, 9 de janeiro de 2012


série: o sentir da emoção



....e então sigo me emocionando. Permito a cada momento teu me emocionar. Coloco a mão no queixo, vou sentindo os olhos encherem de água, como um copo que transborda. Eu gosto. Não, não me pergunte porque acontece assim quando se trata dos teus momentos. Não, eu não sei explicar porque gosto de me deixar encher de emoção, ficar preenchida até transbordar. Faço deste momentos um ritual. Chego cheia de ânsia. Respiro. E me preparo para deixar a alma ser tocada. E sou. Sempre sou. E então vou entornando lágrimas. E é chegada a hora de deixar as palavras brincarem. Elas escorregam pelas lágrimas.

....e então sigo emocionada. Aliviada. Esperando um outro momento teu.



7 comentários:

brisonmattos disse...

deixe-se emocionar...porque a vida é uma encantadora viagem onde o melhor momento dela é o de agora.

Paulo disse...

À flor da pele.
Um beijo grande

Vivian disse...

...eu também sigo
emocionada a cada
vez que venho aqui.

adoro passear neste teu
jardim de sensibilidade!

bjs, alma linda!

myra disse...

que te dizer que voce ja sabe??? adoro ler voce,,,
beijos

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Paula...

Essa tal da emoção não é mole não...acabei de ler o texto do Eder e comentar...impossível não emocionar, eu me vi em muitas passagens ali e procuro não deixar de ser criança, pelo menos um pouco, na maneira de encarar a vida, pra que as coisas não fiquem tão pesadas...
Acho que este sentimento está dentro da gente, basta darmos a chance dele aflorar...brincar é preciso...sorrir o sorriso valente é ter esse espirito na alma...não deixo ele fugir de mim de forma alguma...rs
Como disse Dona Elza...viver é uma arte e é isso mesmo...não deixar a criança partir de vez é uma super arte a ser apresentada pelos palcos da vida...
Um abraço na alma...que possamos continuar a ser emocionados e também emocionar
Boa semana pra você e toda a sua família
Um abraço na alma
Beijo

eder ribeiro disse...

Paula, eu tb sou assim. Estava lendo um livro do Paulo Coelho, Sentei nas margens do Rio Piedra e chorei, e numa passagem que ele fala da hora Angelus, a hora da Ave Mari, eu chorei e lembrei da minha mãe, então escrevi a crônca que o Élcio citou no comentário dele. A emoção só pulsa em pessoas sensíveis. Bjos.

O Sibarita disse...

kkkkk E eu escorrego pelas tangentes... kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Eita a moça apaixonadíssima! kkkk

Faz bem com certeza!

O Sibarita