quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Vendedor de histórias - 6








Um outro dia. O vendedor grita mais uma vez o seu produto. Acordo, faz sol. Preciso urgente comprar alguma história. Aquela história vendida pelo artesão de histórias. Não qualquer história. É preciso ter aquela voz. Aquela voz que segue por ruelas vendendo o seu produto. Produtos que foram tecidos com alma.  As ruelas me fazem ficar perdida pelo centro da cidade. Olho o céu azul. Me encanto, me perco. Muitas são as ruelas na vida na qual nos perdemos. As ruelas vão dar na fonte da praça. Mas os compradores se perdem ao seguirem o vendedor, se distraem com outras belezas, eu também me perco, repito. Mas a fonte está na praça, a fonte jorra. Sigo...

5 comentários:

Everson Russo disse...

O bom da vida é isso,,,poder gritar pro mundo sentimentos,,,vender seus sonhos,,,sua história,,,traçar caminhos e desenhar neles olhares....beijos querida e um lindo dia pra ti...

Benno disse...

Tudo é ilusão
tudo é passe de mágica

(o tempo
o dia
o mundo... o amor

o trabalho
o estudo
a diversão ... e o torpor)

pisca-se os olhos
acende-se uma luz

dá-se um beijo
arde e crepita o desejo

ama-se, dorme-se
come-se
e no dia seguinte
vive-se o mesmo dia de novo
como se não houvesse outros dias

Profecia Batata, me deu o poder da mente:
O mundo ainda não acabou
mas o ano vai acabar certamente

Feliz ano novo


C@urosa disse...

Essas ruelas de minha terra também me fascinam, é a nosso história ainda viva.

Feliz 2013, com muita paz e harmonia minha cara Paula Barros

forte abraço

c@urosa

poetaeusou . . . disse...

*
Virtual Amiga,
,
no rumo do meu retorno
nesta quadra festiva,
Marés de Felicidade,
entre ondas de Saúde,
desejo,

saudações,
ficam.
*

myra disse...

me fazem falt as ruelas, do Brasil do Mexico da Italia...sim, segue..beijos minha querida Paula