terça-feira, 5 de novembro de 2013






Ai, como dói este teu amor. Este teu lindo amor. É feito o vento passeando num alpendre de uma casa grande balançando a rede vazia.

Ai, como dói esta tua saudade. Esta enorme saudade. É feito o vento que faz redemoinhos nas terras secas do sertão levantando poeira. 


Ai, como dói as tuas lembranças. Porque estas tuas lembranças é amor e é saudade e é ausência definitiva. É feito vento passando em janela mal fechada, e geme, e geme e uiva, de dor.

6 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Bom dia Paula Barros

A dor de uma saudade; É bom recordar quando essa passagem foi boa

Gostei...Revi-me nele.
Beijos

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

myra disse...

sim COMO DOI!!!!!!!! parce escrito por mim!
beijos infinitos igual que Nossas Saudades!!!!

Ricardo- águialivre disse...

A saudade de quem se ama, faz sempre doer a alma e o coração

Deixo abraço
***************
http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/

Paulo Francisco disse...

Nossa! e como dói uma dor assim.
Um beijo grande

O Sibarita disse...

E quem disse que as suas também não doem? kkkkkkkkkkkk

Dona moça! Toda saudade, dói. especialmente se for igual a essa sua...

O Que conforta são as escritas feitas nos esconderijos dos pensamentos... né não? kkkkk

O Sibarita

O Sibarita disse...

E quem disse que as suas também não doem? kkkkkkkkkkkk

Dona moça! Toda saudade, dói. especialmente se for igual a essa sua...

O Que conforta são as escritas feitas nos esconderijos dos pensamentos... né não? kkkkk

O Sibarita