sábado, 23 de novembro de 2013






Ele dizia, escrever é trabalho, trabalho, trabalho. É esforço. É burilar. É cortar. É reescrever. Ufa! Cansei só de ouvir. Desisti. Desisti desta escrita cansativa, construída, pensada. Essa escrita ainda não me interessa. Quero o prazer da escrita que me assalta. Que me assombra. Que pula feito criança aos gritos. Que fazem as lágrimas descerem aceleradas pelas bochechas como se brincassem de carrinho de rolimã descendo ladeira. Quero o destrambelhamento das palavras feito uma bicicleta sem freio. Quero o sorriso de alívio como se fosse um gozo. Não quero mais nada que me dê trabalho, me nego, rejeito. Não quero a perfeição, não quero o burilamento. Quero o burilamento da alma e este já me dá muito trabalho. Quero a escrita apressada que me faz perder o ônibus, que me faz perder a parada, que me faz atravessar a rua sem olhar de lado, que me faz perder o sono. Que me acorda para conversar na intimidade da madrugada me contando segredos. A escrita trabalhosa deixo para os escritores. Para mim apenas o deleite, nada da escrita dolorosa, sofrida, trabalhosa. Para mim o sorriso das palavras crianças. A brisa das palavras vento. Vendaval às vezes. Não quero amadurecê-las, ainda não. Amadurecer é sofrimento, é dor, é trabalho. Quero a espontaneidade das palavras infantis, com erros, com tropeços, com feridas abertas, lágrimas e sorrisos. Quero o descarrilhamento do pensamento. O acelerado do coração.  Aos escritores a palavra trabalhada, o texto premiado, a academia, para mim, as palavras crianças.




9 comentários:

Nanda Assis disse...

Escrever é isso mesmo, é chorar primeiro com os olhos e depois com as palavras.

bjos...

Paulo Francisco disse...

A escrita trabalhosa deixo para os escritores.


Concordo, concordo e concordo.
Penso igual.

Um beijo grande

brisonmattos disse...

Que bonito!Que assim seja. Eu tb quero ler assim, sem ter de buscar nas entrelinhas, sem palavras rebuscadas . Simples que só.

myra disse...

sim escrever de impulso, assim como falamos, espontaneo!!! penso como voce!!! gostei mto!
beijosssssssssssssssss

Cidália Ferreira disse...

Bom dia
Nada vem sem trabalho e esforço!
Adorei o texto=Lindo!

Passando para desejar um bom Domingo
Beijo

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Blue disse...

Mas o escrever
é antes de tudo
um trabalho pensado
quer seja na lista do supermercado
quer na carta de amor
quer num poema.
O que pode acontecer com os
pensamentos escritos
ou palavras escritas,
é que jogadas ao vento
podem se transformar sim,
num vendaval.

Beijo
causar estragos

Helena disse...

Lendo esta postagem, com atraso.
Amei o 'palavras criança'. Bela imagem! Escrever, para mim, também é assim, amiga, deixar a alma falar sem estar presa a nenhum critério ou técnica. Mesmo porque, confesso, não conheço nem domino a arte de escrever, apenas deixo a emoção falar não apenas quando escrevo, mas também quando me dou ao prazer de apreciar uma boa leitura, quer seja romance ou poesia.
Helena

Uma aprendiz disse...

Oi, Paula

Assim é tão mais fácil.
Nos textos rebuscados fico perdida e quase me afogo nas palavras.
Inutilmente, penso entender-lhe o sentido. Pior ainda, quando o mar de letras se juntam para formar poemas.
Ai, céus!
Sou criança no entendimento, não sei ler sentimentos.
Apenas sinto. Comento. Erro. Aceito.
Prefiro mesmo é imaginar que entendo o escrevedor, o bravo guerreiro ou guerreira que corajosamente digita o texto.
Por isso venho aqui me banhar nestas águas e me queimar nas suas, nas nossas emoções.

beijos

Anônimo disse...

quero continuar a te ler sempre e sempre. seus escritos ora falam por mim, ora pra mim. bj