quinta-feira, 12 de dezembro de 2013




Caminhava no Bairro do Recife, na rua do Bom Jesus, e escutei uma música. Procurei de onde vinha, vi um senhor andando com um rádio na mão. Segui o meu caminho. Mas aquela voz do pensamento, que às vezes a gente escuta, outras vezes não, me disse: E se você fosse um jornalista feito Marcelo Abreu ou Orlando Brito (claro que existem outros jornalistas que admiro, mas meu pensamento só falou destes) ali tem uma bela história de vida. Ouvi a voz do pensamento, retornei e comecei a segui-lo e a fotografar. Me aproximei. Ele então me falou que o rádio é a namorada dele, a companheira. Se está no trabalho, o rádio fica ligado o dia todo, em cima de um freezer (ele trabalha num depósito de bebidas), se está de folga, coloca três pilhas, fez questão de abrir o rádio e me mostrar as pilhas, porque durante a semana, disse, fica ligado na energia elétrica. Logo me disse que adora ir ao Bairro do Recife, eu disse que eu também. E ressaltou que adora dançar, e eu disse que eu também. Então, fiz o convite para irmos assistir a apresentação do cantor Xico de Assis. Enquanto caminhávamos ele me contava que está sem beber faz seis anos, e que destruiu o casamento, perdeu dinheiro, tudo por causa da bebida, mas que mesmo trabalhando num depósito de bebida, não bebe mais, não tem nem vontade. Só trabalha e dança. Foi assim, que eu e Paulo aproveitamos a manhã do domingo ensolarado para fazer o que gostamos, dançar ouvindo Xico de Assis cantando samba.




7 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Gostei de ler! São exemplos de vida, em que pelo "vício" é destruído... mas quando se quer ultrapassa-se de outra forma, digna, que é o que me parece! andar de rádio na mão dançando samba, é tão digno como um outro trabalho desde que haja honestidade! Parabéns pelo texto!

Beijinho
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Helena disse...

Sem dúvida uma bela história! Gosto dessa tua maneira de encarar o cotidiano, buscando sempre um ângulo diferente nas situações, procurando por 'gente' como personagens de suas histórias de vida, enfim, o teu olhar capta com extrema maestria toda a beleza que existe em gestos simples de pessoas simples, que são talvez a melhor forma de nos mostrar os verdadeiros valores da vida.
Tuas imagens captam a essência daquilo que queres nos dizer. Um dom precioso, amiga!
Ficam alguns sorrisos, um punhado de estrelas, e muito do meu carinho,
Helena

:.tossan© disse...

Belíssimo texto, natural,
real... Bj

:.tossan© disse...

AH! As fotos são ótimas e bem naturais como devem ser. Bj

myra disse...

amei TUDOOOOOOO!!!!

O Sibarita disse...

Um grande amor começa assim, né não? Oi que é! kkkkk

Ao certo, vc teve uma atitude brilhante, bacana, sincera e sem preconceitos, imagine, quem já chamou e ou deu atenção a esse camarada?

Parabéns dona menina!

E depois da dança? kkkkkkkkkkk


O Sibarita

O Sibarita disse...

Um grande amor começa assim, né não? Oi que é! kkkkk

Ao certo, vc teve uma atitude brilhante, bacana, sincera e sem preconceitos, imagine, quem já chamou e ou deu atenção a esse camarada?

Parabéns dona menina!

E depois da dança? kkkkkkkkkkk


O Sibarita