terça-feira, 25 de novembro de 2008

Um poema de amor que não pode ser escrito

Poderia escrever um poema de amor
Com todas as palavras que conheço
Até a palavra ternura
Ela me encantou
Mas não posso escrever
Para você
Um poema de amor
Para dedicar um poema de amor
Para você que é tão sensível
Teria que sentir o amor
Vindo das entranhas do meu ser
Consumindo a minha carne
 Devorando a minha alma
Só assim
Escreveria um poema de amor
Mas não é só por não sentir o amor
Que não posso escrever um poema para você
É porque nada que eu diga
Faria você sentir o amor
Que deseja sentir
Aquele amor que faria
Você ficar tonto feito o pião
Nas brincadeiras infantis
Ou rodopiando
Feito o bambolê nas cinturas das meninas
Mesmo que pintasse meus olhos de verde
Para você pensar que era o mar
E mergulhar
Ou pintasse de azul
Para sonhar que era o céu
 E voar
Mesmo que em vez de um poema
Fizesse uma serenata
Ou transformasse meu coração em uma aquarela
 Para com as tintas colorir seu mundo
Nada tocaria a sua alma
Ou abriria seu coração
Nós dois queremos amar
Um amor que idealizamos
Mas por medo de amar
Nos trancamos
Só fazemos sonhar
E escrever poemas de amor
Nada que eu dissesse Iria lhe encantar
Seu coração teve uma inquilina
 Destruiu a esperança
E o sonho de voltar a amar.
 

35 comentários:

Pedro Ivo disse...

Eu sei que é difício escrever um poema de amor para mim, mais eu o esperarei até o fim. E eu, eu já te amo.

Léo Mandoki, Jr. disse...

...bom...tem posts que são realmente mto intimos..tão intimos que os amigos se sentem meio que intrusos ao fazerem comentários....mas como eu sou mesmo atrevido e mal-educado....faço o meu comentário msm assim...Algo simples..
o teu poema, este, teve um certo toque de Neruda né?! e acho que o poema reflete uma das minhas doutrinas....a arte de amar é sabermos QUEm e QUANDO..o amor é tbm uma opção...até as menininhas de 15 anos...qnd são assediadas por mais do que rapaz....ela acaba por fazer uma escolha! E esse poema reflete isso
um beijo de saudade..

Camila disse...

Paulinhaaaaaa
Que bonito e romanticooooo!
Ai ai, as vezes sinto a mesma coisa!
Beijozão


Ps. que amigo inspirador, heim?!

Marrí Franco disse...

Um coração trancado...
Renová-lo é um trabalho árduo, experiência... vale a pena abrir-se, mesmo que doa novamente, e vai doer certamente...


Linda terça...

NOCTURNO disse...

Olá

Gostava de saber escrever poemas de amor, fazer sentir o que vai dentro de mim, libertar o meu espírito nas asas do vento e no céu ficar escrito tudo aquilo que não digo.

Sozinho torna-se difícil encontrar o amor que nos preencha e nos complete, é uma tarefa que só a dois pode ser cumprida.

Gosto de te ler
Beijo nocturno

O Profeta disse...

O amor e a poesia andam sempre juntos...


Doce beijo

Olavo disse...

Lindo este poema..e fala sim de um amor..como fala..
beijão

Gerlane disse...

Viver a idealização de um amor, é como traçar um caminho para ele, porém, nada é mais satisfatório do que realmente, concretamente vivenciá-lo. No entanto, e preciso, para isso, ter muita coragem, acima de tudo!


* Beijos, Paula! :)

Márcia(clarinha) disse...

Que maravilha de querer.
Porque não tentar conquistar o coração que hoje está vazio?
Lindas palavras flor

feliz dia
beijos

Camila disse...

Paulinha, também acho que somos bem parecidas! Se naum somos, nossas hostórias são sim!
Amei muito o que você escreveu! Você é uma querida!
Tanto que quero convidá-la a postar em meus Caminhos! Você aceita ser minha andarilha convidada?!
Beijos

Izi e Everson Russo disse...

Nossa, arreipiei, sei lá, me senti dentro, procurando tambem esse amor, procurando em qual parte do universo eu senti e em qual parte ficou, e porque ficou, é interessante, se é amor, porque a gente sofre, não deveria, o amor é zelozo, é fiel, é encantador, é sereno, é flor, é mar, é ceu, mas tambem é tempestade, é raio relampago e trovão, é insano é destruidor, sei não, hoje vou misturar seu comentario com o meu,voce viu um auto retrato em "Flor", foi mesmo, como tem sido nas ultimas que postei, e agora me vejo totalmente dentro da sua poesia tambem, mesmo estilo, mesma forma de sentir, mesmo dilema e drama, como se tivesse sido escrito por mim ou pra mim, não sei onde cabe isso, mas eu diria que meus dois ultimos posts e esse seu de hoje são essencialmente iguais, concorda comigo?É meio que a gente sabe onde está o encanto, a gente sabe onde está o amor, mas tambem sabemos bem onde ele doeu, onde ele partiu, e o que ele levou, por mais sensiveis que são as palavras, as cicatrizes são implacaveis, por mais vontade que se tenha, o medo é real, nem sei, mas pode sim ser um auto retrato de muita gente, é meio que aquela frase do Renato Russo em "Indios", "...Nos deram espelhos e vimos um mundo doente..." já ouviu? se não, é o tema do Barco, e tambem a musica "Clarisse" do mesmo Renato em que ele retrata toda sua dor existencial, muitas vezes me pego assim tambem, as vezes acabo de escrever e guardo por achar aquilo muito pesado e com a possibilidade de levar outras ideias, as vezes não, achei super legal suas definiçoes....muitos beijos e uma linda tarde pra ti, e me desculpa se me perdi hoje no comentario....e por favor, nunca deixe de comentar, é tão bom....

João da Silva disse...

Coisa mais linda, Paula, querida... que emoção ler o que você não poderia escrever e eu não poderia (d)escrever também.
Beijos carinhosos do João

»»Luh«« disse...

Passando para uma visita... desculpe a invasão, mas vi um comentário seu no blog do Tossan e não tive como me conter...
Adorei o espaço e seu conteúdo...

Beijocas e maravilhosa terça!!

Vivian disse...

...aimeudeusdocéu!

por que será que sempre que se fala
de amor, vem com as palavras, o retrato da dor?

será que o amor foi feito para
dilacerar, machucar e arrazar
corações?

ou nós é que o direcionamos para
uma estrada equivocada,
e com isso o transformamos
em fogo destruidor das ilusões,
ao invés de recebê-lo como
mar de prazer?

de qqr forma,
o amor está no ar, e é de graça.

um bj, linda que me faz pensar.

Jardineiro de Plantão disse...

Que coisa agradável este poema... Bela declaração ao amor.

Abrços

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Paula, lindo o teu poema, acontesse uma desilusão e o coração tem medo de amar depois... Mas aqui penso que fases uma declaração de amor Amiga!!!
Beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Ai Paulinha... (suspiro!!!)
O mais triste é quando a inquilina fomos nós mesmas em outro tempo...
daí é que fica quase impossível abrir novamente as portas do coração do outro...
Mas quem sabe?
Daí sigo entoando outro mantra:
Paciência, paciência, paciência...
beijocas

yehuda disse...

poema de amor
é enfeite sem sabor
poema de amor
é foram escritos
sem sentimentos distintos
o amor não precisa ser lido
precisa ser vivido
corpos unidos
umidos
calados beijos
macho e fêmea
em eterno dilema
como no cinema
a luz acesa
os separa?

Luiz Caio disse...

Oi Paula Boa tarde!...
Adorei o poema!
Passei para lhe deixar um carinho, e agradecer por suas visitas, e pelo apoio no momento conflituoso pelo qual passei... É,O pior já passou! Agorá só falta apertar alguns parafusos que ainda estão meio soltos,rsrsrs, e pronto! Poderei voltar a ativa... Seu apoio foi muito importante!

OBRIGADO POR TUDO!
BEIJOS.

LUIZ CAIO

furanzao disse...

Olá! minha querida amiga...primeiramente adoro os seus comentários nos meus loucos e confusos devaneios.....adoro de verdade.....nossa fico mega feliz qndo leio um comentário seu...estou correndo muito esses dias....fechando nota....corrigindo prova...imagina minha vida como é que está..rsrs....por isso acabei me ausentando de comentários nos blogs amigos.....mas enfim..logo mais estarei de volta e com tudo....lindo lindo lindo lindo esse poema adorei...muito de verdade...todos querem escrever um amor....tão dificil.....enfim...r.....vivendo..vivendo e vivendo...esse é meu lema agora.....bjao e te cuida...desculpa n estar presente...bjao

Violeta disse...

Muito bonito este poema.
adorei.

Violeta disse...

divulguei seu poema lá no meu blogue, como se fosse alguém que o escrevesse para mim...
me perdoe

caurosa disse...

Olá Paula Barros, você nos brindou com a definição perfeita do amor que todos idealizam. Muito lindo. Paz, harmonia e inspiração.

Forte abraço

caurosa.wordpress.com

Beatriz disse...

Não 'podendo' escrever um poema de amor, tu, minha linda, o fizeste com toda a mestria dessa tua capacidade de transitar pelo mundo da poesia sem nem mesmo pedir licença, dona que és da chave que abre todas as portas para colher os versos de amor que quiseres. Ficou sensivelmente lindo!

Grata, meu anjo, pelo carinho deixado no teu último comentário. Fica sempre um pouco da tua luz quando me visitas.

Tenho apenas mais duas postagens para fazer e vou me afastar, não sei se volto, pois tenho caminhos a seguir que independem de minha vontade determinar.

Te deixo uma rosa branca inundada com meu carinho, e um beijo no coração a dizer do meu desejo de que sejas sempre muito feliz.

Jeanne disse...

Só quem ama ou amou intensamente pode sentir e perceber profundamente o sentido deste poema.
Lindo!
Beijos

Bandys disse...

Paula,

Lindo e belo poema,
mas por enquanto não teria medo de amar...
beijos

Leonardo Hoffman disse...

Só se eu fosse doido pra não gostar do comentário.

Tocado aqui com o poema.Sem palavras e sem me atrever a colocar o que vem a cabeça.

Gosto demais das coisas que escreve.Beijão

Tiago disse...

Só me resta aplaudir, faça das minhas palavras o barulho de minhas mãos!
CLAP!CLAP!CLAP!CLAP!

Sol da meia noite disse...

Nem só com palavras se escreve um poema de amor...
Tu escreveste-o, em palavras não ditas.
O teu sentir é o poema de amor que receaste escrever. Porque o teu amor é bem maior que todas as palavras!

Com carinho, um beijinho *
:-)

Um olhar disse...

Nada deve destruir a esperança de poder amar.

bjos e linda noite!

Raíza Rocha disse...

Paula,

Obrigada pelas visitas...

também gostei desse cantinho aqui.
volto sempre!

bjos

raíza
obs. te linkei, ok?

Recanto de Sonhos disse...

O amor está descrito na poesia,e é a poesia vai construindo a esperança e alimentando o sonho de amar.
Sua poesia toca a alma,Paula.
Beijos.
Amarísio

fred disse...

O amor é um pássaro esquisito
se o escrevo já não o sinto
porque para escrever eu penso
e quem pensa no amor não ama
e quem ama não pensa, flama

Gostei do seu poema, Paula.

Beijos

Zek disse...

Que lindo, mergulhar em um olhar.. olhar o céu e voar, e nem pensar em voltar..... isso é mais que um poema de amor, muito mais, impossivel não sentir... impossivel não sorrir, amor e vida a fluir !!!

Tenha certeza que essas palavras foram suaves e deliciosas de ler !

Maria Dias disse...

Concordo com vc...Amor não se compra, amor não se pede amor acontece...rs...

Adorei!

Beijinho