quinta-feira, 28 de maio de 2009

A poesia da vida, a emoção sentida


Na ausência de Aurélio, perguntei a Ruth Rocha o que era um poeta, ela soprando em meu ouvido, feito uma brisa perfumada, numa noite estrelada, onde a lua acariciava as belas palavras, me respondeu: Poeta, a você de alma tão inquieta, é: 1) Aquele que faz versos; 2) Aquele que tem imaginação inspirada; 3) Aquele que se afasta da realidade. E o que é poético Ruth? É o que tem poesia. Que inspira. Relativo à poesia. E por que ele que inspira poesia e transpira imaginação insiste que não é poeta? Isso não sei Paula, não compete a mim decifrar a alma dos escritores. Cada um é cada um. Com suas alegrias e dores. Com os sonhos que nunca deixam de existir. Com a imaginação que faz da dura realidade, do árduo dia a dia, um momento poético. E o que é um não-poeta? Paula, pergunte a sua alma. Escute os pingos das águas que escorrem dos seus olhos a baterem na bacia de ágata verde e cante os versos. Conte as badaladas do seu coração e deixe descarrilhar os ponteiros. Sinta a sua respiração, respire a beleza e se permita sonhar. Quando assim se sentir, terá encontrado uma não-poeta. Escutei quando a minha alma me chamou. Menina, menina, você que mora dentro dessa mulher tão adulta, senta aqui. Me escuta. Vou te contar uma história. Lá, naquela casa, há muito tempo mora um poeta. Mas ele não gosta de ser chamado de poeta. É pouco para ele. Não combina com o ser dele. Ser poeta é enquadrá-lo, dar forma, ritmo, métrica, combinações, e isso ele não quer. Sabe porque? Porque ele também tem uma alma assim feito a sua. E o menino que ele procura, vive dentro dele. Assim feito a sua menina vive dentro de você. Essa alma é que proporciona a liberdade de pensar, de criar, de imaginar, de sonhar, de embriagar-se e embriagar. É a mesma alma que dá asas a quem escreve e a quem ler. Então, o não-poeta é aquele que escreve muito mais que poemas. Ele sabe transformar momentos de vida com imaginação, encanto, emoção. Distribui palavras em papel celofane colorido. Coloca estrelas coloridas nos olhos de quem ler. Faz as pessoas escutarem um música interna. Tem a liberdade do pensamento. Gosta de sonhar. E voa através das palavras feito quem voa num tapete mágico.
Portanto, ler um não-poeta é para poucos. Permita-se ler e sentir. Voe na imaginação. Escute os sons internos, sinta vibrar a alma e o corpo quando ler um não-poeta. Não tente entender. Entender, é perder o encanto e o canto da emoção vibrando.

36 comentários:

Dona Sra. Urtigão disse...

Grande? Tão bom que eu queria seguir lendo, mais e mais...

Anônimo disse...

foi assim: lendo bem devagar, bebendo cada palavra e torcendo pra não terminar. só isso pra só isso.

bj

Pelos caminhos da vida. disse...

Prendeu a minha atenção,lindo.

beijooo.

Vivian disse...

A SOFREGUIDÃO DO NÃO-POETA

Quero ser um artesão
de palavras:
Duras, dúcteis, viscosas, herméticas,
Diáfanas, sinceras,
profundas, singelas,
iluminadas.
Eu quero é ser poeta
Pois este erige contínuas
miríades de estrelas
Sobre o céu de eternas
noites enluaradas!

Quero poder afluir,
Quando me der na telha,
Ao feérico lago da espontânea
Língua do povo:
E, ao libar da sua água,
Expelir-lhe as impurezas,
Que são as chagas, as mazelas,
O carcereiro da igualitária opulência,
Para deixar que viva livremente
O florescer incontinenti
De castelos e mais castelos
Da alacridade e dos felizes sortilégios
Que emanam do eufemismo
Da escrava gente.

Quero degustar
O vinho tinto da galharda palavra
A fim de homenagear a imponência
Que cimenta os mínimos e máximos halos da natural realeza.

Quero ser condigno
Quero ser acuidade e sageza
Quero ser humildade, vivacidade, gentileza
Quero ser feiúra e esbelteza
Quero ser a inane importância
Quero viver perpetuamente
[ No jucundo reino
De ingenuidade
Das crianças
Quero ser ventania, poesia, proximidade, distância
Quero ser o instante
[No qual se encerra o segredo
Da segurança, da solidão,
da tristeza, do medo,
da coragem, da alegria,
Da repreensão, da recompensa,
do desejo
Quero ser a imensidão
Quero ser pequeneza
Quero ser a imperfeição
em evidência
Pois a perfeição
É um atroz sofisma
Da humana cabeça
Quero ser a multidão
Quero ser o átrio do sol
solitário da certeza
Quero ser a rocha, a rosa,
o roxinol, o girassol,
a orquídea, a açucena.
Quero ser a ametista, poeta
em perene florescência!

JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA

bj, querida minha.

Avassaladora disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Avassaladora disse...

Paula, meus olhos viraram céu estrelados...

Duas bolinhas, onde estrelas cintilam, embevecidas pela beleza de suas palavras!

Agoro eu sei o que sou... Claro que sou uma não-poeta...

Não que eu seja pretenciosa, apenas porque o que escrevo, ( o pouco que escrevo), escorre por minha alma, meu coração e sai nas pontas dos dedos...


Ah, amiga... amiga...


Vc é avassaladoramente encantadora!



Beijos em seu coração!

DE VEZ EM QDO VENHO AQUI disse...

q lindo...marvilhoso,solto como uma pipa...assim vejo os poetas...
bj na alma!!!
lane

tossan disse...

Paula este é o texto mais importante que li aqui no teu blog, este é que deveria estar lá no Amigos. Nos meus bate papos com um velho poeta da minha cidade, me disse quase isso. Memorável! Beijo

Pedro Ivo disse...

Olá minha paixão! Pra iniciar, o texto nunca é longo quando se trata de seus textos. Eu poderia passar uma vida lendo você e nem assim acharia o suficiente para me deliciar tanto a seu lado.

Você disse: Então, o não-poeta é aquele que escreve muito mais que poemas. Ele sabe transformar momentos de vida com imaginação, encanto, emoção. Distribui palavras em papel celofane colorido. Coloca estrelas coloridas nos olhos de quem ler. Faz as pessoas escutarem um música interna. Tem a liberdade do pensamento. Gosta de sonhar. E voa através das palavras feito quem voa num tapete mágico.

Você não apenas me faz ver estrelas e sim uma constelação!

Desculpa pelo tetxo longo para um comentário.

Déia disse...

Que lindo..é o não poeta mais poético que ja ví rs
Lindas suas palavras, e como é bom viver e enxergar as coisas com essa beleza!
Parabens!!

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Paula, mas que coisa mais bonita de se ler...vixe...rsrs
Rsrs...eu diria que ele é um poeta e não se admite poeta...não aceita rótulos...nem métricas e nem formas, apenas a palavra vinda da alma, mas não aquela, ou aquela outra...tem que ser essa..."Essa Palavra" que é para lá de especial, e que é só dele...rsrs
Uma vez ele disse que não publicava um livro porque queria as palavras livres...deu vontade de responder, mas deixei para lá...já viu liberdade maior que palvras dentro de um livro que pode andar por aí e visitar o coração de seus leitores, pois aqui no blog também ficam presas de certa forma...rsrs...abafa o caso..deixa quieto, não vamos contrariar...que a escrita continue jorrando dele da forma como ele quiser significar...rsrs
Vinicius de Morais não gostava de ser chamado de poeta, dizia que "essa palavra" pesava demais, e concordo com ele...por isso o apelido "poetinha"...
Valeu Paula...um abraço na alma...

Everson Russo disse...

Bom,deixa eu ver se consigo me fazer entender...rs..rs...ja comecei tropeçando. Não tenho problemas em ler um texto grande, desde que o conteudo seja gostoso como esse.Agora vai, o ser poeta não tem definição, o ser poeta é sair de casa e ver a magia em tudo ao redor, desde um simples soprar do vento numa folha de outono, a um sorriso de uma bela pessoa passando, um bom dia pode ser poetico, uma canção, um abraço, um tudo pode ser poetico, e como mais uma vez me vi dentro do seu texto, e aquilo queu sempre falo, quando uma pessoa se encontra num texto, numa poesia ou numa musica, passa a ser pra ela...rs..rs...rs....então vou falar como se tivesse sido pra mim.Eu vejo muitas pessoas na net, nda contra elas, cada um tem seu direito e sua forma unica de expressar, se entitulando, "Fulano de Tal Poeta", não vejo isso legal, eu penso que a simplicidade está nas coisas, as pessoas te verem como poeta é uma coisa, voce se entitular é outra,acho meio autopromocional,mas enfim, o rotulo poeta tambem restringe o sentimento, porque ser só poeta se voce pode se encaixar na musica e ser musico, ou ser ouvinte, narrador, protagonista, ou simplesmente fazer uma ponta, no final da historia, todos tem sua importancia, a vida joga as sementinhas e nós colhemos os frutos, somos os frutos, sei lá, logicamente que é muito gostoso ler um elogio e ter uma pessoa se envolvendo e se vendo dentro daquilo que voce escreveu, daquele mundo que é so seu, é muito bom voce se lançar de um penhasco a procura do amor no infinito, e ter alguem do lado pra te acompanhar acreditando no mesmo sonho, acho até que ja falei isso uma vez, o ser poeta é ser tudo e não ser nada, é ser coerente com as palavras mais sem nexo, é ser normal, é ser louco, é viver, criar, inventar, contar, omitir, fazer sorrir, chorar de emoção, o ser poeta é muito grande ao ser humanho, poeta maximo e poeta mesmo é Deus, Jesus, que desenharam o mundo e escreveram tudo que nós temos hoje pra viver, poeta é uma dimensão maior que talvez nós nao venhamos a entender, poeta é explicar o inexplicavel, é sonhar eternamente, ser poeta é tentar entender o amor, mas no fundo no fundo, não podendo entende lo, pois o ser poeta sabe que se um dia ele realmente entender o amor, sua poesia terá fim...Im so sorry,,,,alonguei demais o comentario, mas o tema é uma delicia, e ainda falaria mais...rs..rs..rs...beijos no coração, fique com Deus num lindo final de semana....

Maria disse...

Não sei o que te dizer, Paula.
É um texto belíssimo, e fiquei com vontade de te ler mais...
Acho que agora respiro melhor.
Obrigada, amiga.

Bom fim-de-semana
Beijos

O Sibarita disse...

Pois é! Eu que não sou, não estou, não fui e não serei poeta por ser um não poeta, todos os dias me escuto, me leio, me sinto sim e jogo as cajás! kkkkkkk

Escervo por gostar, apenasmente isso e nada além...

Seu texto não é grande, precisamos perder essa mania de que texto maiores não são lidos, tem que ser lido em respeito a quem escreveu.

O pessoal blogueiro (Humm ai meu lombo! Batam, batam! kkkkk) em grande parte não lê é nada e, ai escreve: "Seu cantinho tá bonito" "Obrigado por ter ido no meu blog" "Em retribuíção estou aqui" "Me sinto bem aqui no seu canto" paro por aqui, viu? É cada uma! kkkkkkkkk

Então, dona moça não precisa se desculpar pelo texto que você acha grande em tamanho, agora, que ele é grande, é sim! Mas, na beleza do escrever, do dizer! PORRETA!

bjs
O Sibarita

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA PAULA, BELÍSSIMO TEXTO... SUBLIMES PALAVRAS AMIGA... GOSTEI MUITO, CONTINUARIA A LER, PENDEU O MEU PENSAMENTO... BEIJINHOS DE CARINHO,
FERNANDINHA

Barbara disse...

Ler um não poeta é ler um corajoso.

Blue disse...

Uah! Lindo, lindo,
A lamentar apenas,
Que o texto foi findando,
E a vontade de ler aumentando,
E quando percebi,
Estava a imaginar-me um poeta,
Ou um não-poeta,
Por que não!
Para poder escrever,
não com emoção,
mas com o coração,
E quem sabe poder transmitir,
tudo o que quero apenas exprimir,
com simples palavras,
que faltam no meu vocabulário...
Mas quanta pretensão!

Parabéns Paula andarilheria,
pelo momento de prazer,
ao ler este teu post de hoje,
em outro dia cinzento,
aqui neste meu recanto.

Beijos

Maria Dias disse...

Posso comentar?Este foi um dos textos teus mais belos q li até aqui...E a Poetisa disse tantas coisas belas como as lágrimas caídas na bacia verde de àgata!Adorei isto!Como tb gostei das palavras do nao Poeta no papel celofane colorido!rs...

Bom fim de semana menina q mora do lado de dentro da Paula já adulta!rs...

Beijinho

Maria

Francisco disse...

O poeta verdadeiro, não é para ser entendido, e sim interpretado por cada alma que o lê.
O não-poeta, às vezes mesmo escrevendo mal, com erros gramaticais, interpreta o que vê e sente, e por vezes é entendido.
Um grande beijo!

Heavenly disse...

Devo confessar que valeu a pena ler cada "letrinha" desse texto. Fantástico!
Quero saber quem eu sou, se sou poetisa ou não-poetisa.
Parabéns!

Poeta Mauro Rocha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Poeta Mauro Rocha disse...

Ola!! Seja uma não-poetisa ou uma poetisa, uma cronista ou romancista, seja como for sempre escreva pois sempre será lida e admirada e sabe que é verdade.

Um ótimo fim de semana e beijos!!

Betho Sides disse...

Você está certa ler é o maior barato...Querida Paulinha, estive ausente, mas voltei com a bola cheia, gostaria de sua visita e opinião no blogue sobre assunto que estou gerando. Beijos lindinha!

Mai disse...

Paulinha não me recordo de ter lido algo assim, ainda.
Definir o indefinível, contar sobre o intangível, falar sobre quase tudo aquilo que não é dito. Benditas palavras benditos os
não-poetas, benditas as Paulas e os seus 'pensares'...

Paula eu sei que chorar não é nobre ou elegante mas eu estou aos prantos e é incontrolável, sabe?
Porque eu fui lendo e bebendo cada som, cada palavra cada sentimento me invadindo porqueeu também me sinto assim, alguém que sente desmesuradamente e um ser que não é, um não-poeta, amadora e amante das palavras, da poesia.

Não querida, não está extenso o teu texto, uma verdadeira aula, um prêmio, um presente de uma deusa chamada Paula Barros.

Beijo você com imenso carinho e admiração não-poeta.

Mai, outra não-poeta, também.

quando puderes me escreve?

Luiz Caio disse...

Oi Paula!

Texto gigantesco, em conteúdo! Muito interessante, inspirado, inspirador, criativo, envolvente, mágico e poético... E lindo!

APENAS HOJE, JÁ BEM TARDE, O PESSOAL DO SPEED RESOLVEU DAR AS CARAS, E REPARAR O DEFEITO NA CONEXÃO... ÔH GENTINHA!rs


TENHA UM ÓTIMO FINAL DE SEMANA!

BEIJOS.

São disse...

O tamanho é subjectivo, sabe?
E quando é tão sumarento como este, até parece curto!
Um grande abraço, linda.

Everson Russo disse...

Um sabado muito lindo pra voce, cheio de carinho, amor e paz...beijos....

Opuntia disse...

"O não-poeta é aquele que escreve muito mais que poemas." - Disse tudo!

O texto é grande sim, Paula, GRANDE em qualidade. Quanto mais a gente lê, mais dá vantade de ler.


Bjos

Blue disse...

E a Andarilha deve estar passeando.... conforme prometido!

Beijossssss

Amarísio Araújo disse...

Paula,

É mais que um texto grande.É um texto grandioso.E,lendo-o,tive sobressaltos na alma,perdi-me em devaneios.
Que a sua prosa poética continue a me provocar tão boas sensações.
Deixo-lhe minha gratidão.
Um ótimo final de semana pra você.
Abraços carinhosos.

PS:Meus dias andam complicados.Daí a minha ausência aqui.Eu a senti,creia.

DE VEZ EM QDO VENHO AQUI disse...

oxi,kd tu??volta logo!
bj,lane

Gabi Magnani disse...

Adorei!

Philip Rangel disse...

Grande ???penso se fosse.....muito bonito mesmo....fiquei parado lendo e relendo e pensando no dito...

bjaoo

DiVerso disse...

O Poeta!... Não interessa a definição do Poeta porque, em boa verdade (ou má), esse "desgraçado" que respira poesia, corre por ela desalmadamente sempre na tentativa, muitas vezes conseguida, de emprestar a Alma, que transpira do seu esforço, mais ou menos estranho, ao Poema que o satisfaz!... Fica saciado por uns tempos curtos e descansa sobre a glória da concretização da Alma emprestada, mas... admiravelmente, não pára sobre esse momentâneo deleite de lazer; continua correndo ao encontro do Poema desalmado, no qual mergulhará profundamente até conseguir um efeito etério que o tomará de Alma. Talvez um exorcismo poético, sempre pronto para expulsar os demónios de si mesmo, numa interpretação pessoal que ele, o Poeta, decide como pensamento interpretativo de todos!... O Poeta auto consagra-se e aprpria-se de todos os sentimentos, de todos os sentires universais, respondendo por cada um deles epr todos em geral!... Ele, o Poeta, vomita tudo que nós comemos, arca com as indigestões dos nossos exageros que, embora os possamos sentir no corpo, na mente e na alma, não o percebemos e explicar o sofrimento por fragmentos que se juntam, não está ao nosso alcance. Admiravelmente, o Poeta, que sofre por todos nós... ri-se nas nossas costas e não revela seu secreto prazer... o sofrimento dos outros!...
Poetas?!... Há bons e belíssimos Poemas, no entanto, esses desabafos mais ou menos ordenados numa forma mais profunda de admiração e subjectividade poética de interpretação para todos os gostos, não fazem de quem o criou, o POEMA, um POETA!...
Fiquemo-nos, portanto, pelos POEMAS, louve-se quem o escreveu, mas que ninguém ouse catalogá-lo de MALUCO ou doente em vez de... admirável POETA!

Escolha entre... beijos e abraços

Anônimo disse...

Minha amiga ,que lindo texto,me prendeu mesmo,Vc escrevi tão clara e transparente.Fiquei com pena qdo acabou.Um bj minha amiga poeta !!!!Suzi

Anônimo disse...

à cada releitura a emoção é a mesma.
ontem,hoje,amahã e sempre

bj paulinhalindinha!