sábado, 19 de dezembro de 2009

Não faz diferença entre o dia e a noite
O clarão da alma é permanente
Uma paz perfumada se acomodou
Nas entrelinhas do meu ser

Fico sentindo a brisa estrelada
Que alisa o corpo e a alma
Sussurrando sentimentos bons
Não me importa saber
Do muito que não sei
Nem do futuro
Nem da realidade

Só quero sentir
A maré que balança o barco
E que beija o casco
Em toques constantes

Não procuro um porto
Nem me sinto a deriva
Estou ancorada
Na brisa que remexe a corda
Que me liga

26 comentários:

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA PAULA, BELÍSSIMO ...ADOREI O TEU DON POÉTICO... ABRAÇOS DE AMIZADE,
FERNANDINHA

tulipa disse...

Que o Natal,
em lugar de ser apenas uma data,
seja um estado de espírito
a nos orientar a vida, permanentemente.
Os meus votos para ti e familiares de que este Natal traga alegria, paz e muita felicidade para todos os dias do Ano Novo.
Beijinhos

NOTA: este ano, nos meus 2 blogues, apresento 2 árvores de Natal (pinheiros) bem originais.
Convido-te a ornamentá-los com aquilo que achares que lá fica bem...pode ser bolinhas, fitinhas, palavrinhas e até pensamentos.
Podem ser:
emoções,
sentimentos,
abraços
e outros miminhos.
Eu agradeço!!!

Memória de Elefante disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nanda Assis disse...

que lindo amiga, sabe senti saudades de vc e das suas palavras q relatam momentos reais e expressam nossos mais lindos e profundos sentimentos.

bjosss...

SuNshyne disse...

Nossa a ultima estrofe tem tudo a ver comigo!!!

tossan® disse...

Oi Paula, me sinto exatamente isso. Talvez a viagem...Belo poema! Belas fotos. Beijo

Dauri Batisti disse...

Clarão da alma permanente...Bem, este clarão deve ser a capacidade de tirar poesia das cenas cotidianas que você, apaixonadamente, tem.

Um abraço.

myra disse...

tuas palavras me emocionam...e a imagem è belissima!
um bom e maravilhoso ano novo, é o meu sincero desejo para voce,

Fabiano Mayrink disse...

Estou ancorada na brisa que remexe a corda que me liga,

sempre fluida...

ter uma hortinha em casa é bom mesmo, poder colher temperos fresquinho, um abraço!

Everson Russo disse...

Nossa, que lindo, to querendo essa paz perfumada pra mim, quero essa brisa, essa maré que nina o barco e faz voar os sonhos, to precisando me sentir assim, não estar a deriva e ter algo forte que me sustente...interessante menina, não tem jeito, tenho que fazer o paralelo, totalmente o oposto dos meus dois utlimos posts....beijos, otimo domingo e uma semana cheia dessa brisa e que ela venha pelo litoral e chegue as montanhas de Minas...rs..rs...

HSLO disse...

Eu ainda prefiro a noite - sou mais livre.


abraços


Hugo

Cadinho RoCo disse...

Na vida o que mais vale é viver.
Cadinho RoCo

Cadinho RoCo disse...

Na vida o que mais vale é viver.
Cadinho RoCo

Franzé Oliveira disse...

Menina Paula
Seus versos são lindos
Vc escreve como eu queria escrever
Tem muito sentimento
Versos maduros
Te adoro

Bjos menina linda

Blue disse...

Sentir também quero,
as ondas batendo no meu pé!

Beijoss

Branca disse...

Estou ancorada e só querendo sentir a maré que balança o barco e que beija o casco em toques constantes...

Lindo Paula!!!

Mário Lopes disse...

Lindíssimo poema de quem tem o nome ondulando, ondulando, gravado a letras azul celeste, em barco enamorado pelo mar da vida desde que nasceu. Chama-se ALUAP quando reflectido na água e a sua âncora tem a forma de um coração, quando dentro dela.
Quanta sensibilidade a sua, querida Paula!
Beijo terno.

Daniel Savio disse...

As vezes a vida nos deixa ao sabor do mar...

Menina, eu não sou tão atencioso, na verdade, muitas vezes sou relapso (que a gigantesca demorar em postar selos que o diga).

Fique com Deus, menina Paula Barros.
Um abraço.

Everson Russo disse...

Uma semana cercada de acontecimentos bons pra ti querida....muito carinho e beijos na alma.

A Magia da Noite disse...

às vezes estar só é mais que ter o mundo à nossa volta

Jair Martins disse...

Bonito poema. Me transmitiu uma mensagem de muita paz, muita quietude. Parabéns!
Continue nos presenteando essas pérolas.
bj

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

Dia ou noite, ancorada ou a vagar...sempre VIVA!

É como me sinto ao ler tuas linhas.

Beijo =)

walter disse...

Querida amiga

Aqui venho ancorar sobre teu poema, (dos mais bonitos que escreveste...), Para te endereçar os meus sinceros votos de um Natal pleno de páz, Amor, saúde e harmonia, extensivo a todos aqueles que te forem mais próximos.

Tudo de bom para ti, para os teus, para o meu muito amado Brasil...

Beijo grande

O Sibarita disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
O Sibarita disse...

Pois é? kkkk O Problema é a brisa virar ventania e partir a corda, ai fia adeus ancoragem e a deriva sabe-se lá em qual porto vai chegar, oi em Jauá tem ancoradouro, uma lua de responsa, um sol de beijar e um mar azul de levar... kkkkkk

Valha-me Deus!kkkkkkkkkkk

bjs
O Sibarita

Karl d'Jo Menestrel disse...

Emocionante poema, onde a beleza do sentir se cruza com a emoção.

Poema profundo e lindo, bem demonstrativo de toda a sua sensibilidade.

"Não faz diferença entre o dia e a noite
O clarão da alma é permanente
Uma paz perfumada se acomodou
Nas entrelinhas do meu ser"

Tudo é luz por aqui.

Amistoso beijo