quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Um cantor numa rua de Lisboa. Me lembrei do meu chefe (um deles) que me deu um dvd de músicos que tocam na rua,  tocando a  mesma música em vários lugares do mundo. Este músico tocava a música. E por questões de compromisso, de tempo (?), não pudemos parar, quase não consigo bater a foto. E então surgiu o texto abaixo.



A vida acontece a todo instante, bem pertinho da gente. Podemos ser o observador, podemos ser o protagonista, destes momentos chamados vida.

Ela acontece em cada esquina, em cada rua, em cima ou embaixo das pontes e viadutos, na sala de trabalho, de reunião, no parque de diversão, nos hospitais....ela está acontencendo.
Com música, com sorrisos, com choros, com aplausos, com pancadas......ela está vibrando. Se dizendo viva, se dizendo vida.

Mas nós temos pressa. Queremos mais um pouco. Queremos ir mais além. Apreender um pouco mais, ganhar mais do mais, comprar....e a vida pede tão pouco. Pede um pouquinho de atenção. Mais um pouquinho de tolerância. De paciência. De calma. Ela diz a todo instante para diminuirmos o ritmo. Para sorrirmos mais. Olharmos o outro nos olhos. Escutar o que ele tem para dizer. Falar um pouco da gente.

Mas não dá. Temos hora. Estamos sempre atrasados. E se chegamos na hora, nos estressamos para cumprir o horário, os outros atrasaram, e tudo vai se atrasando. E o sangue vai fervendo.

A vida grita para pararmos. Dá os sinais. Liga o pisca alerta. Mas nós nem respiramos direito. Estamos ficando enrijecidos. Dores no corpo. Órgãos fragilizados. Estamos estressados. Cheios de compridos. Caixinha com dia e horário. Para não falharmos, não esquecermos.

A música toca e passamos sem nem percebermos.



Mas eu também estou falhando com o outro e comigo. Pela pressa, pelos pensamentos que se atropelam, pelas vozes da minha mente que atrapalham uma boa escuta, ou pela minha necessidade de falar, ou pelo meu egocentrismo.

18 comentários:

Geraldo de Barros disse...

como sempre um olhar sensível, lindo texto Paulinha.

beijo
G

Vivian disse...

...pois é!!

e toda esta correria insana
pra quê?

pra quê, Paulinha?

bj, linda!

myra disse...

lindo texto, mas, minha querida, a vida pede muito...
beijos

poetaeusou . . . disse...

*
gostei !
,
perco-me,
nas noites do Verão,
a ouvir musica dos andes,
tocada na rua por Peruanos,
e chilenos, é um sublime êxtase,
Maldito Capitão Cortês, que
assassinaste, povos pacatos,
como foram, os Incas, astecas,
Mayas e outros !
,
serenas conchinhas,
,
*

Everson Russo disse...

E penso que a vida acontece mesmo, tudo que se move é um alvo, é um poema, é uma passagem que não podemos deixar e observar e sentir pra seguirmos e fazermos nossos caminhos...um grande beijo de lindo dia pra ti.

Mai disse...

Sim, Paula, a vida acontece em cada canto desse mundo.
Não penso que sejas egocêntrica, mas é que ao falar para o outro, falamos primeiramente para nós mesmos e isto é bom quando ouvimos atentamente.
gostei da fotografia

beijos, querida.

Maria disse...

Este post dava pano para uma longa conversa. Mas o tempo manda-me sair, que estou atrasada. Sempre a correr na vida. Para quê?

Um beijo, Paula.

Pena disse...

Preciosa e Estimada Amiga:
MUITO OBRIGADO pela forma doce e terna como fala de Lisboa. Agradeço-lhe, sensibilizado pela sua beleza pura.
"...A vida grita para pararmos. Dá os sinais. Liga o pisca alerta. Mas nós nem respiramos direito. Estamos ficando enrijecidos. Dores no corpo. Órgãos fragilizados. Estamos estressados. Cheios de compridos. Caixinha com dia e horário. Para não falharmos, não esquecermos.

A música toca e passamos sem nem percebermos..."

É bem verdade o que expressa.
Temos pressa. SEMPRE!
Perfeito sentir o seu.
De encantar e deslumbrar, amiga.
Abraço amigo de imenso respeito pela sua gigantesca significação humana de pureza e encanto.
Sempre a admirá-la

pena

Bem-Haja!
Escreve lindamente emoções e sentimentos.
Adorei.

Pedro disse...

Às vezes passamos rápido demais para perceber que, nos lugares mais inusitados, a vida também pulsa.

BRANCAMAR disse...

A vida de hoje, assim tão bem retratada. Como eu gostava de debater isso contigo, tal como a Maria, mas tu Paulinha fizeste a reflexão perfeita, para nos confrontrarmos connosco mesmos e sabermos em que grau deste barómetro nos encontramos.
Levar a vida de forma pausada se aprende às vezes com um susto, se aprende também com a idade, perante a morte, a doença e o acidente. Aí pensamos mais, correr para quê?
Bem mais felizes seremos dando importância ao que é importante, ter menos um objecto, não stressar nas compras, não correr no Natal por exemplo, porque não é época para isso, mas para reflectir mais e aproveitar o tempo para ligar a alguém que está só, mesmo que nos tenha feito algum mal, mesmo que esteja só porque cavou a sua solidão.
Tu dizes "A vida grita para pararmos, paremos então".

Tu sabes, por isso és a mulher serena que conheci.
Beijos
Branca

Blue disse...

Pressa. Temos sempre.
Mas sabe de uma coisa?
A pressa passa hoje na maior parte das vezes, ao meu lado. Parei.
É a hora dos outros terem pressa.
Mas a música, esta não pára nunca.
E os músicos de rua, temos aqui no Brasil também, mas em menor quantidade. Labutam, na sua pressa, dia a dia , na rua.

Beijos

•.¸¸.ஐBruneLLa França disse...

Paula, a sua prosa é incrível. Tão cheia de vida, do real, de sentimentos, não há como não se apaixonar.
Obrigada por escrever.

beijos e borboleteios

Everson Russo disse...

Um maravilhoso final de semana pra ti querida...paz poesia e carinho sempre...beijos.

Daniel Hiver disse...

Esse teu texto é excelente por que, mais do que dizer verdades essenciais de maneira direta e simples, nos faz refletir sobre nossos medos, nossas pressas, correrias, falta de tempo para as coisas realmente mais importantes.
Somos uns tolos às vezes.

Ana Lu disse...

É, nós temos pressa. Infelizmente temos pressa demais. Pressa essa que acaba nos impedindo de observar cada segundo da vida, que acontece a todos os lados enquanto simplesmente estamos preocupados em fazer as coisas. Devíamos nos preocupar mais em viver, isso sim. Mas onde é que arrumamos tempo pra lembrar disso?
Beijos Paula!

Carla disse...

Como o poeta Cazuza: "o tempo não para". Mas nós precisamos parar um pouco, se quisermos ter qualidade de vida.

Ótimo texto; um puxãozinho de orelha em nós, os estressadinhos. rsrs


Bjos

tossan® disse...

Você é a protagonista. Belo texto Paula! Beijo

Daniel Savio disse...

A vida não para, nem que seja de nos tentar para viver...

E texto bom.

Fique com Deus, menina Paula Barros.
Um abraço.