segunda-feira, 24 de janeiro de 2011


O todo é muito bonito. Divido em parte para expressar o que sinto. O todo é lindo. Mas subdivido por não saber juntar o todo em mim e dizer toda a beleza.

Porque o todo me parte em partes inteiras, caídas de mim. São pedaços do céu que se desprendem do meu horizonte. São palavras que entram me despedaçando. É um remexido estranho de palavras, do sentir, da incompreensão do que sinto ao ler.

Retomo, sempre pelo mesmo motivo. Pelo todo, pelos pedaços que ficam em mim. Brilhando e piscando igual às estrelas. Me perfurando a alma e apertando o peito.

É preciso expressar o muito, que no espaço pequeno não pode ser dito. Porque preciso voltar e preciso seguir. Preciso falar, quando é prudente calar. Mas a andarilha anda dentro de mim, patinando palavras, que provocam chuvas de estrelas.....




13.03.09

8 comentários:

Maria disse...

A andarilha tem de ter o seu espaço e a sua liberdade e não gosta de ser controlada. Como o vagabundo, que o é por opção libertária.
As vária partes de ti fazem parte de um todo que és tu. Ou que somos cada um de nós. Os pedaços que vamos rasgando teremos que os colar mais tarde. De uma forma ou de outra. Para continuar vivendo - porque é tão bom!
Assim entendi o teu texto, Paula.

Beijos.

Nanda Assis disse...

vc carrega todos os sentimentos possiveis embaralhados e vivos no seu peito. por isso escreve tão bem e nos contamina de coisas q n sabemos dizer, só sentimos.

bjosss...

Pedro disse...

Sempre difícil saber se é melhor voltar ou seguir...

retrato disse...

Outra encruzilhada de palavras que realça o cheirinho poético e divaga no harmonioso e sentido arrumar das palavras no seu devido lugar que dão luz a uma leitura por excelência cuidada para se deliciar com cada estrela que apanha representativas de cada letra... pedaços teus.

Sonhadora disse...

Minha querida

Seguir em frente ou voltar...apenas vida.
Um texto de reflexão.

Beijinho
Sonhadora

Rodolfo de Sá Cavalcanti disse...

Andarilha, andarilha
Carregas curiosidade
Anseias o entendmento das coisas
E de ti
Por onde passas
Deixas duvidas
E deixas marcas
E levas marcas

O acaso, muitas vezes
Nao te supreende
O Obvio, muitas vezes, sim
Que fazes para encontrares?
Que fazes para te encontrar?

Caminhas e caminhas e caminhas
Sempre?... Quase?...?, Nunca?...

Ava disse...

"Patinando palavras que provocam chuvas de estrelas..."

A poesias está dentro de voce... está em voce...

Paula, tens "intimidade" com as palavras, daí essa beleza de escrita que sempre nos brinda em suas postagens...
Gosto de ver como deixa aflorar toda a tua sensibilidade...


-----------------------

Querida, saudade tantas...
Tenho andado meio afastada da net. Mas sempre que dá, corro para matar as saudades dos amigos...


Um beijo carinhoso...

Daniel Savio disse...

Pwedaços que não apenas pedaços quando guardados com tanto carinho dentro de nós, não é?

Fique com Deus, menina Paula Barros.
Um abraço.