sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Deito em mim tuas palavras



Deito em mim tuas palavras
Tomadas em goles largos
Ruminadas na madrugada

Passo nas vísceras o cheiro de cânfora
Delas inaladas
Sinto queimar até a última gota de mim
Calo no peito o ardor que me sobe
Degluto átomos do sangue que jorra

No silêncio catastrófico
Forma-se um redemoinho
Nas entranhas do ser

Deito em mim tuas palavras
Fico prenha de ti
Vou parindo palavras
Na vastidão de mim



17.08.10



11 comentários:

Pérola Negra disse...

Olá Paula,
Obrigada pela visita. Espero recebê-la mais vezes.
Lindo poema!
Pérolas a você!

Pedro disse...

E as palavras paridas vão povoando nosso próprio mundo...

C. disse...

E eu fico feliz em estar aqui para degustar essas palavras, que chegam como um clarão numa noite escura, alardeando todo um espaço, um pensamento, um ser - euzinha ;)

Com a tua permissão vou copiar alguns dos seus escritos aqui do lado, para botar no meu CaFoFo, amei!

C. de Cris

Marcello disse...

Ahh essas palavras que nos atormentam e nos inspiram...

Paula, lindo como sempre.

Beijos

EDER RIBEIRO disse...

Paula, o teu poema me lembrou a minha adolescência, pois nesta época fiz muitos poemas neste estilo. Bjos

myra disse...

minha queridissima Paula, como escreve bem, que coisa maravilhosa de ideias, metaforas, sentimentos , sensaçoes,
te amo!
beijos

Benno disse...

palavras são sementes e só vingam em solo fértil e a boa palavra só é boa se cai em bons ouvidos, a palavra de amor só é amada no pleno ouvir e no pulsar do peito da pessoa amável e amorosa, porém ai da palavra mal caída em solo infértil, pois restará vencível e derrotada, a palavra mal semeada e que em vão se deita e não germina, jaz desfeita e então termina, a palavra mal entendida, incompreendida e reprimida, pois pode produzir o efeito contrário do que pretendia. Então só resta a palavra sussurrada no ouvido de que ama e é amado e que ninguém a ouça fora a que for dela e por ela interessada.

Vivian disse...

...Paula querida,
não somos nós que dizemos
as palavras.
elas é que nos dizem!

e as tuas...

ai como eu amo ler você!

bjs e bjs

d'Alma disse...

As palavras nunca se gastam!... Não sofrem o efeito da erosão nem o desgaste pela carícia única da água que passa ou que as envolve; deixam-se ficar ali, aninhadas num ensonado desejo de serem as "eleitas" e, quando o são, transformam-se numa diversidade sem limites!... Há palavras que possuem outras palavras, tomam-nas como suas e a elas dedicam todos os significados de todos os pensamentos e desejos, por mais atrevidos que sejam!... Há um vaivém constante no movimento suspeito que penetra os sentidos surpreendentes da fertilidade e, embora nem sempre o Amor seja a palavra principal do motivo, não deixa de estar presente através do significado, traduzido, que outras palavras lhe quiserem atribuir!... É tão instantânea a Palavra, da fecundação ao "dar à Luz"!... Fluem como... Palavras!


Bom fim de semana



Abraço

Everson Russo disse...

Palavras das madrugadas, conheço as bem,,,muitas e muitas vezes elas nos gritam tanto a alma,,,beijos de bom sabado pra ti.

epee disse...

Palavras em versos que unidas se transformam numa bela confissão, de amor, de carinho, de vida em nova vida. E a poesia no ar, a contagiar.




¬
Bom fim de semana.