quinta-feira, 12 de maio de 2011





Dias de inverno.
Chuva inundando as cidades.
Um tempo cinza e frio.
Alívio.

Surgiram galhos brotando.
Um instante de primavera em meus olhos castanhos.
Um sopro verde no meu coração saudoso.
Sinal de vida.
Alívio.



8 comentários:

Benno disse...

por vezes um inverno me assola
e meu pensamento se isola
mas não é somente a tristeza
que a isso vez ou outra me determina
é que em mim adormece a beleza
e quando seu sono sereno termina
a vida em meu âmago germina
e algo sutil que latejara
da maneira mais pungente e preclara
desde a era mais remota e primeva
logo em mim arde e floresce
algo que ninguém jamais esquece
a colida e febril primavera

Benno disse...

errei, deculpe:( lá vai de novo


por vezes um inverno me assola
e meu pensamento se isola
mas não é somente a tristeza
que a isso vez ou outra me determina
é que em mim adormece a beleza
e quando seu sono sereno termina
a vida em meu âmago germina
e algo sutil que latejara
da maneira mais pungente e preclara
desde a era mais remota e primeva
logo em mim arde e floresce
algo que ninguém jamais esquece
a colorida e febril primavera

walter disse...

vim deixar-te um sinal de vida através de um beijo saudoso!

aqui... dias de primavera, com sabor a verão... ufa! hoje passou dos trinta gráus... tá bom demais!

vá... fica triste não, moça dos olhos castanhos! rsrs

Walter

myra disse...

aqui um vento que jamais vi, e sobretudo escutei assim, ululando até com todas as janelas fechadas...que bom voce estar com as flores brotando... mesmo se chove...aqui chove areia do deserto, eu gostaria de ter um alivio, mas de calor e sol!!!
beijos minha querida Paula

Samaryna disse...

Paula, a vida é um milagre divino. Tudo se transforma se for pelas mãos do amor. Deixo o meu afeto.

João Ludugero disse...

Paula,
Eu gosto de chuva.
Aliás, não reclamo das estações. cada qual a seu tempo.
Outro dia me peguei na chuva,
a tomar banho de goteira,
numa bica de casa.
Senti-me a lavar a alma.
Lembrei-me de quando era criança
e soltava barcos de papel
nas águas da enxurrada.
Obrigado, amiga. Voltarei.
Abraços,
João.

Benno disse...

eu tinha postado estes verso mais sumiu :(


por vezes um inverno me assola
e meu pensamento se isola
mas não é somente a tristeza
que a isso vez ou outra determina
é que em mim adormece a beleza
e quando seu sono sereno termina
a vida em meu ser germina
algo sutil que antes latejara
da maneira mais pungente e preclara
desde a era mais remota e primeva
e logo em mim arde e floresce
algo que ninguém jamais esquece
a colida e febril primavera

Blue disse...

Mas o inverno teu é apenas de chuva, ou muita chuva, como estes dias atrás. Aqui inverno é sinônimo de frio. Aliás, inverno é frio......... brrrrrrrrrrrrrrrrr

Beijo