quinta-feira, 16 de junho de 2011



Bebia-te em goles
Pequenos, com prudência
Me entorpecia o suficiente
Para andar tropeçando em estrelas
No chão dos meus dias

Passei a sentir a necessidade
De beber-te em goles largos
Fiquei embriagada de belezas
Me senti tonta, enebriada

De tanto beber-te, sorver todas as gotas
Vampirizei o teu sangue, a tua emoção
Tropecei em nuvens de sentimentos
Cai dos céus estalada em sóis ferventes

Fiquei viciada no melhor de ti
Sentia falta do ar que respiravas
Das naturezas que vivias
Das borbulhas do teu sangue quente

Tornei-me ébria de ti
Sofri de abstinência dos teus tintos sentimentos
O tempo pisava em minhas ânsias
Me trazia alentos

Atenta a teu caminhar
Esperei dançando em luas minguantes
O pulsar do sangue se configurava nos silêncios
Se transfigurava nas dores, pulsava inverso

O tempo, sapateando em novo tempo
Me devolves em nova embalagem
Vou beber-te diretamente na veia
Num outro leito de belezas infindas
Com receio de tornar-me de novo
Viciada em ti





12 comentários:

Blue disse...

Bravo! Bravíssimo!
Poeta Andarilha que com versos assim,
faz-me sorver aos poucos,
estas palavras que dançam em luares minguantes,
fazendo muito barulho,
onde antes reinava o silêncio!

Beijo

Maria disse...

Quantas verdades nestas palavras...
Às vezes nem damos por isso, mas ficamos viciados, sim! Mas é um vício bom, embora possa doer.

Amei este poema, Paula!

Beijos.

Constantino, Guardador de Vacas disse...

Que beleza. Cada dia mais bonitos os teus versos. Este é encantador.

C@urosa disse...

Olá minha cara amiga Paula Barros, que embebedar fantástico, amoroso e sensual, adorei!

forte abraço do leitor,

c@urosa

Memória de Elefante disse...

Paula!

Neste novo tempo constróis a claridade entre o horizonte da razão e do sonho.
Assim teces e destece teu sentimento com tempo, sal, sussurros, crescimentos e caminhos.
Fiquei comovida e mais lúcida ao beber uma gota deste teu "sangue" em forma verbal!

Um beijo

Nanda Assis disse...

nossa paula que lindo!! lendo e imaginado, isso sim é poema, poesia.

bjos...

myra disse...

mas que maravilha de poema, umas mataforas incriveis, ADOREI!!!
minha querida Paula te mando muitos aplausos além de tantos beijos

Benno disse...

melhor do que beber
é beber e ser bebido
na conjunção ébria
de nossas ávidas bocas
sorvo-te como a um sorvete
derreto-me em tua boca
e sou por ti assim sorvido
consumamo-nos mutuamente
nesta dupla libação
sem deixar de nós vestígios
nem nos nós das árvores
nem nos pós das estradas
só nós
os dois e o universo

mfc disse...

Bebia.te em goles... que vício mais lindo!

Maria Dias disse...

Oi...

Vem me visitar...Adorei a poesia.
Beijinho

Maria

Gilmara Wolkartt disse...

Lindo o seu poema!
Adorei!
gd beijo

OceanoAzul.Sonhos disse...

Vim por indicação da Maria, deliciei-me com este magnifico poema, parabéns.
Um abraço
oa.s