sexta-feira, 8 de julho de 2011

Feito uma boa dança





Escrever com Eder foi feito uma boa dança. E nada melhor neste momento para comparar o nosso escrever, em conjunto, com uma dança, com um bom cavalheiro, num bom salão, com boa música.

Ele fez o convite. Receiosa, aceitei. Ele deu os primeiros passos, tentei acompanhar. Ele deu uns passos que eu não soube desenvolver (um trecho do texto que não concordei), ele soube mudar o ritmo, aceitou as limitações da dama, e a dança fluiu. Foi de uma naturalidade, de uma facilidade impressionante, escrever junto com ele. A leveza, a destreza, a condução, os acertos, os consertos, de um bom dançarino (escritor).

Esta parceria, esta cumplicidade, este despojar-se para escrever em conjunto, me fez dançar por várias reflexões. Entre elas:

1 - a facilidade que umas pessoas tem de interagir, enquanto outras não, sejam de modo virtual, seja na vida real.
2 - que tive dificuldade de deixar o personagem dizer o que eu não acredito. O personagem precisa estar isento dos meus conceitos e preconceitos, das minhas limitações. Um ótimo aprendizado para que eu possa começar a criar personagens, a sair de mim. A ser o meu oposto.
3 - que foi muito importante escrever no masculino. Uma oportuinidade de exercer este sair de mim. Embora todo o tema proposto por Eder, acredito que pela percepção e boa observação dele, foi dentro de uma tema que é sempre corriqueiro nas minhas escritas. Então foi fácil. Porém, escrever no masculino, me fez me sentir vingada de colocar um ser masculino sentindo saudade, sentindo ausência. (bobo isso, não é mesmo? sorrisos)
4 - no entanto, agi no texto, como reajo na vida. Quando vi que o tema tristeza se prolongava em dois textos, convidei para dançar. E mudei o ritmo do texto, mudei o ritmo da história, assim feito mudo o ritmo dos meus dias, e da minha vida. Me repeti, de novo, ali no texto. Foi muito interessante observar esta característica minha ali, tão forte. E o melhor, Eder ter aceito incluir o tema dançar, quando dançar nem caberia ali ainda. Se ele não tivesse aceito, não sei quais seriam os meus sentimentos, as minhas inquietudes.
5 - às vezes achei difícil me desfazer das minhas ideias, para fundir-se em um texto único. Eu até me despedia ao enviar para ele, com um certo pesar.
Ele tem uma facilidade enorme em interagir, mudar, complementar, trocar ideias, corrigir, formatar o texto, aceitar sugestões. Ele comprova o que eu já sabia,  um grande escritor. Obrigada a vocês por terem lido, feito algumas observações, e obrigada Eder por esta oportunidade.







11 comentários:

Memória de Elefante disse...

Paula!

As tuas palavras têm asas e voo.Esse teu convite a dançar denuncia ânsia, necessidade de vida.
Esta inquietação é que te move e se faz luz.Luz posta em surdina para tocar o silêncio das zonas mais recônditas do nosso ser.

Um beijo

myra disse...

sim, minha querida Paula, Angela tem razao!
e dansar é VIDA!!!!seculos atràs como dansava e dansava, agora a dansa acabou, e està acabando mesmo...
e sabe que, ter cumplicidade com alguem, seja virtual ou real, é uma grande coisa, e ajuda a viver, beijos minha querida e
ao Eder, tambem...

Talita disse...

Passando para divulgar meu novo blog,

http://silmartatimodas.blogspot.com/

Espero sua visita lá.

beijoss!!!
bom final de semana!!

Tatiana Moreira disse...

Paula... Vocês dois são fantásticos!
É nítido que a parceria flui de forma magnífica entre vocês!
Destaco essa parte de sua narrativa: "no entanto, agi no texto, como reajo na vida". Sinceramente... Pára mim não há nada melhor que isso!
Um Viva aos dois!
Um beijo carinhoso e até a minha volta!

EDER RIBEIRO disse...

Paula, escrever, para mim, traz felicidade. um filosófo escreveu que a felicidade não está no caminho, mas nos amigos que fazemos durante a caminhada. Então, este nosso encontro elevou a minha felicidade ao quadrado. Vc sabe a admiração que tenho pelos seus escritos, seus textos são poéticos sem precisar florear as palavras. Estarei sempre aqui, qdo houver oportunidade, para repartilharmos um texto. Bjos.licidade não está no caminho, mas nos amigos que fazemos durante a caminhada. Então, este nosso encontro elevou a minha felicidade ao quadrado. Vc sabe a admiração que tenho pelos seus escritos, seus textos são poéticos sem precisar florear as palavras. Estarei sempre aqui, qdo houver oportunidade, para repartilharmos um texto. Bjos.

walter disse...

dançaram e voaram no terreiro dos poetas... parabéns!

um grande abraço aos fazedores de sonhos!

Walter

Maria Dias disse...

Sabe de uma coisa?Vcs se parecem escrevendo e se parecem muito...Escrevem de forma apaixonada mas com suavidade(isso me lembra aquela frase de Che:Ser duro sem perder a doçura...rs)bem,eu ADOREI o Eder de cara e vc eu já curto de outros carnavais...rs... Nao estive aqui em todos os textos em duetos, mas das vezes q apareci e viajei na leitura,me senti previlegiada...
Bem,eu só posso agradecer e esperar mais parceria como estas!

Beijinhos

Maria

Maria Dias disse...

Ah e quanto a dança...Bem, dificil esquecer do bom dançarino,aquele q sabe conduzir a dama e vice verso...Vcs dançam muito bem!

mfc disse...

Foram textos lindíssimos e muito bem conseguidos!
podes repetir a experiência.

Sonhadora disse...

Minha querida

Hoje passando para dizer que estou de volta, agradecer o carinho e desejar um bom fim de semana...e deixar um beijinho.

Sonhadora

Mariangela disse...

Belo texto Paula! Parabéns! Eu viajo em todos os seus Post!
Você tem muita alegria de viver, por isso escreve e descreve tão bem!
Abraços
Mariangela