quarta-feira, 20 de julho de 2011

 
 
 
 
Você me dá pulsações
De vida
Me devolve pulsações
De passado
Mas não pode pulsar
Futuros, nem sonhos
 
Você faz meu sangue
Pulsar em outros sons
E na escuta destes sons
Tenho outros tons
 
Nas escrituras da vida
Você me escrivinha
E faço esboços de mim
Me rascunho, me rememoro
E sem demora escrevo
Novas histórias
 
Há vida em cada linha
Dos meus meridianos
Ah, vida!
Há! Vida.
 
 
 
foto: vista da varanda
14.07.11 05h42

13 comentários:

myra disse...

gostei de todo! mas este jogo de palavras : adorei:
"ah, vida!
ha! vida!"
beijosssssssssssss

Everson Russo disse...

Que nessa vida sempre pulse a poesia, o amor,,,os versos jogados, os bloquinhos rabiscados, as canções perdidas,,,que esteja sempre batendo de paz o coração...grande beijo de bom dia pra ti amiga.

OceanoAzul.Sonhos disse...

Paula, há vida em sua poesia, sem dúvida e consegue transmiti-la a quem a lê.

Obrigada pela sua atenção lá, no oceano.
Um abraço
oa.s

Maria Dias disse...

Eu penso q vc é tao delicada e sensível e ao mesmo tempo forte e apaixonada q me lembra a célebre frase de Che Guevara
"ah de ser forte sem perder a doçura."

Beijinho!

Maria Dias disse...

...Vc nunca vai deixar de ser apaixonada,se nao por alguém ou por alguma coisa,será pela vida.
Na postagem anterior vc falava q sempre q escreve( de forma triste ou feliz,as pessoas acham q está apaixonada e muitas vezes vc pode nao está (até eu leio suas mensagens como apaixonada)mas talvez, vc passe estes sinais para nós pq no final da história,vc é uma apaixonada pela vida.

Memória de Elefante disse...

Paula!
Tão bonito este teu poema, me fez pensar que nunca nos sentimos tão inteiros como nesses primeiros tempos em que estamos fragmentados: tirados de nós mesmos e esvaziados de tudo o mais, plenos só do outro em nós.Para viver de verdade, pensando e repensando a existência para que a vida valha a pena.

Um beijo

Sotnas disse...

Olá Paula, desejo que tudo esteja bem contigo!

Quando nossa vida está sob a regência deste grande maestro, o amor nós pulsamos em ritmos e tons que normalmente não nos damos conta, e que assim seja sempre que houver vida, ah, a vida sempre vai valer a pena!
Texto belo e encantador, repleto de sentimentos que com tua sensibilidade você os expressa em simples palavras, porém com alma!
E belas imagens também.
Gostei também do texto anterior, do fusca verde. Eu tenho um pensamento de que, muitas vezes não somos nós que somos distraídos somente, mas sim existe a chance de que não gostemos do modo corrido do mundo moderno e caminhamos sempre um passo atrás, por gostarmos de observar por mais tempo aquilo que nos chama atenção!
Pessoas de sensibilidade extrema preferem seguir com mais vagar o curso da natureza!
O que acha! Somente nos distraímos quando somos atraídos por outra importância!
Que você e todos ao redor sejam sempre felizes, agradecido por tuas visitas e carinhosos comentários, grande abraço e até mais!

mfc disse...

Isto é vida!
Isto é querer o pulsar da vida!

Benno disse...

ainda que eu saiba que nem futuro, nem passado, mas só o presente, sinto que há vida em cada poro que em mim respira. não fui, nem serei, apenas sou e tanto basta.

Everson Russo disse...

Um grande beijo de bom final de semana pra ti querida....

EDER RIBEIRO disse...

querida Paula, vc pulsa tantos sentimentos neste poema que os elogios, eu expresso por palmas. Bjos.

Clarice disse...

adorei seu blog. muito prazer!
fazer rascunhos de nós mesmo é o melhor caminho para se conhecer um pouco mais e tentar entender um pouco mais da vida... Tb tento praticar esse exercício fundamental!
Abraços

Daniel Hiver disse...

Gostoso ter quem nos reescreva... Quem nos rascunhe e revise...
Na vista de uma varanda...
Ou com os pés massageados pela areia branca da praia...