quinta-feira, 25 de agosto de 2011




Pensar no ser humano e nas suas contradições me fascina. Somos um mosaico. Um percentual grande de água, de sangue, de contradições, incertezas, fantasias, inseguranças, lembranças, certezas, sonhos, desejos, dores.....As contradições de nós mesmos só se apresentam na relação com o outro. Só assim nos tornamos um ser. Toda afirmativa de nós mesmos, toda definição do nosso ser, todas as nossas verdades, caem por terra diante de um outro ser. Que nos mostra os nossos medos, as nossas fraquezas, as nossas forças, os nossos limites, acordam os fantasmas que nos habitam, só diante do outro é que nós nos conhecemos ou nos desconhecemos. Só diante do outro, é que nós nos descobrimos enquanto fortes ou frágeis, enquanto contraditórios ou afirmativos do que pensamos e dizemos ser.

6 comentários:

myra disse...

sim, somos ao mesmo tempo coherentes e incoherentes....pelo menos sei, que assim sou eu...beijos minha querida Paula

Poeta Mauro Rocha disse...

O Homem, essa máquina de mistérios, essa alma de segredos.

Tenha um ótimo fim de semana.

Um abraço!

mfc disse...

E ainda pouco sabemos de nós!

A. disse...

Acredito que uma pessoa que não é coerente, nem com ela mesma nem com os outros, é um perigo à solta, tanto para os outros quanto para ela mesma!... É uma questão de verdade, de personalidade, de carácter!... Como conseguir conviver em harmonia com alguém que é um mosaico que não se conhece e espera que apareça alguém, no qual se possa revelar?!... Será que depende dos mosaicos de que o outro/a é feito, a revelação dos mosaicos que a própria pessoa desconhece?!!!!!!... Valha-me o Santíssimo e a todos ajude a conhecerem-se a eles mesmos, sem a ajuda de quem nem a ele mesmo se conhece, pois restar-lhes-ão a certeza de nunca se conhecerem, revelando um qualquer distúrbio enraizado na fantasia e crescendo na imaginação!... Excessos incoerentes e precipitados sem análise, concerteza!...




Bom fim de semana




Abraço

EDER RIBEIRO disse...

Com certeza, Paula, por isso ao olharmos o outro devemos tratá-lo como se olhassemos a nós mesmo. bjos.

Maria disse...

Somos um 'bicho' mjuito estranho e complicado...
;)

Beijo, Paula.