domingo, 17 de novembro de 2013





Acordei naquela quinta-feira, véspera de feriado  e decidi que não brigaria mais com o pensamento. Com o pensamento que pensa em você. O pensamento ainda está naquela fase que faz conexão com algo que lembra você, o tempo todo. Então, abri a janela, e foi assim que ouvi o bem-te-vi cantarolando canções de amor, e o sol me deu um abraço gostoso, um abraço igual ao de Sérgio, e o vento me beijou, igual ao beijo que dei na bochecha do pianista. Sai pelas ruas da cidade, e me entreguei ao canto dos pássaros. Era preciso viver. Mesmo que pensando em você. O dia transcorria cheio de histórias, de narrativas vivas, até que dois pássaros de plásticos pousaram cantando na minha sala de trabalho. Isto me tirou do sério, me fez pensar em matar dois pássaros, ou abrir a janela na tentativa que eles voassem, ou jogá-los no mangue, mas eles eram de plástico. Pensei em você, ah, pensei em você. Queria paciência, queria equilíbrio emocional, você tem palavras bonitas sobre isto, mas eu não ouviria, eu sei, eu me conheço. Eu não ouviria....

8 comentários:

brisonmattos disse...

Não ouviria eu sei. N ânsia de escrever, de passar para o papel tudo o que lhe vem à cabeça, você que diz que tanto pensa em mim, não pensa em mim, pensa em você. E no tanto de energia que ainda tem para compartilhar. E que bom que é assim.De outro jeito a vida ia parecer não ter muito sentido.Boa segunda.

Lídia Borges disse...


O "plástico" tem aqui o sentido de algo terminado que tem um lado não sentido.
Retenho a afirmação "É PRECISO VIVER"

Um beijo

Cidália Ferreira disse...

Bom dia Paula Barros

Lindo o teu texto, cheio de sentimento, e alguma saudade...
Atira os "pássaros pela janela" e vive a vida.

Beijo, e uma excelente semana.

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Existe Sempre Um Lugar disse...

Olá,
Existe tantos pássaros diferentes com cantos lindíssimos, procurar um outro pássaro com um belo canto (com encanto e compreensivo) é necessário para poder voar junto com ele.
Abraço
ag

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Bem... se forem palavras bonitas ditas da boca pra fora, melhor não ouvir mesmo. Parabéns, Paula. Mas não queira mais matar os passarinhos rs rs. Sei que eram de plástico, mas não é sua índole. bjsss

O Sibarita disse...

Rapapazzzzzz... kkk Se retou-se, foi? (Como dizemos aqui) kkkkk

Ei Fia, fique assim não!

Lhe entendendo perfeitamente, sabe-se o que é amar e não se ter esse amor por perto?

Então, tem dias em que acordamos mais desejosos que outros, ou seja, o desejo aflorado por alguém que nunca está ao nosso lado, o que se está ao lado são vagas lembranças e, isso, nos leva a loucuras, a perder o senso...

Foi o que aconteceu quando visualizou os pássaros de plásticos...

Bem capaz realmente de não ouvir o amado se acaso ele se apresentasse naquele momento, mas, seria com certeza compreensível.

Sabe sua menina, lhe entendo perfeitamente, já se perguntou se lá ele também não se sente assim?

Muito bom!

O Sibarita

Tainá Almeida disse...

Que texto lindo! Sinto gotas de sentimento em cada letra. A cada texto gosto mais de tua escrita! Beijos!

myra disse...

eu amo tudo que escreve!!!!:) e amo voce sobretudo:) !