domingo, 2 de abril de 2017




Por caminhos tortuosos
Seguem sonhos
Delírios de mãos vazias
Coração ausente de amor
Pele ressacada de nadas
Carinhos que o vento envergou

Por caminhos tortuosos
Sonhos se perderam
Eucaliptos em solo encharcado
Partiu o solo resseco

Por caminhos tortuosos
Carências cambaleiam
Vendo vultos nas sombras floridas
Perdidas em matas atlânticas

Por caminhos tortuosos
O nada
O tudo
Cheiro de vida nas entranhas


3 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Muito bonito! Amei

Beijinhos bem vinda

Paulo Francisco disse...

Muito bom mesmo!
beijogrande

myra disse...

Paula, finalmente consegui entrar aqui! gostei muito deste poema, um grande beijo
myra